MÓLLATE COA LINGUA


Cantas cousas podes facer coa túa lingua? Seguro que máis das que pensas.
Móllate coa lingua é o blog do Equipo de Normalización e Dinamización Lingüísticas do CPI Terras de Maside (Maside, Ourense).

Quen somos?
mollatecoalingua@gmail.com
 CATEGORÍAS
 FOTOBLOGOTECA
 RECOMENDADOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES
 DESTACADOS

Primeiro Mundo só de brincadeira
Ao pouco de comezar o curso pasou algo en Lampedusa. Algo que chamou a atención dalgúns medios de comunicación. Algo que confrontou as persoas de Europa cunha realidade invisíbel. Algo que nos avergonzou. E soubemos (se alguén aínda non sabía) que aquilo non era un feito illado, senón a cotidianidade.
Daquela liamos nalgún curso ?Ilegal?, un dos textos de Cartas de amor, de Fran Alonso e coñecemos a historia de Ndeye antes de chegar a Lugo. Coñecemos tamén o nome do seu compañeiro, Assane, e así puidemos poñerlles nome a eses corpos que vomitaba o mar nos noticieros.
Déuselle unha cabida efémera a certas voces nos xornais. Falamos sobre isto e chegou o Nadal.
E despois soubemos de valados con coitelas que marcaban aos que non podían estar deste lado.
E máis tarde de persoas escorrentadas aos tiros en Ceuta. E de quince mortos que debían estar vivos. E de que o Ministro de Interior non dimitiría.

Liamos entón a María Reimóndez:
"Non é a intelixencia
senón a sensibilidade
a que cambia o mundo.
Porque a intelixencia
levou a facer campos de concentración
para a diferenza
Só a sensibilidade,
de seu intelixente,
nos rescata cada día
en xestos lonxe e preto,
facéndonos aquilo
que custa tanto traballo:
humanas."

MARÍA REIMÓNDEZ, Presente continuo, Xerais, 2013.

Que podemos facer na escola? Promover a sensibilidade social d@s alumn@s ou ensinarlles a que se protexan? Só se pode loitar desde a fortaleza colectiva. Confrontalos coas miserias sen darlles armas para reconstruír o que os adultos estamos destruíndo é tan vil como facerlles crer que son o centro do mundo e que nada disto ten que ver con eles. Ë tan vil como ensinarlles técnicas empresariais desde que son pequenos, como privalos da arte, da historia do seu pobo, da lingua propia. É tan vil como preparalos para vivir nun sistema inxusto sen mostrarlles outras alternativas de organización do mundo.
É tan vil como pensar que xa non lles queda outra que apandar cos nosos erros.
Entón podemos falarlles da emigración, do que supón para un pobo perder a xente nova; de dereitos laborais, de intereses colectivos fronte ao individualismo; de países pobres que producen ricos cada vez máis ricos; do consumismo que mantén escravizada a unha gran parte da poboación mundial. De que a calidade das persoas non pode medirse nunha foto do currículo. De que Suíza xa nos pechou as portas.Ás persoas, non ao diñeiro que provén do tráfico de armas... De que Assane tamén somos nós. Podemos falarlles de Rosalía e de como o pobo obrigou as elites intelectuais a lela coa atención que merecía. Porque o pobo pode mandar moito, se o fai unido.

Podemos poñerlles outra vez a música de Aline e mostrarlles o Primeiro Mundo de brincadeira.
Podemos dicirlles que, se permanecen unid@s fronte aos vampiros, son capaces de mudar as regras deste xogo. Se non esquecen que a empatía é o que marca a fronteira entre o mundo e a selva.

Eu não sei porquê
Há incêndio dentro de cada janela e se vê
Eu não sei porquê
Este incêndio que arde dentro, come o corpo todo e a gente finge que não vê,
Finge que não vê, finge que não vê?
Mas por dentro arde, como não vai arder
Se não minha terra não tem pra' comer
Já quase creio que não tenho o direito de ser alguém
Por isso arde
Ter de dizer adeus
Sem saber se o deserto me vai vencer
Juntar os últimos sonhos com a roupa do corpo
Partir por mim e pelos meus
E afinal tem que haver algum deus
Eu não sei porquê
Há incêndio dentro de cada janela e se vê
Eu não sei porquê
Este incêndio que arde dentro, come o corpo todo e a gente finge que não vê,
Finge que não vê, finge que não vê
Mas por dentro arde, como não vai arder
Se chegando no primeiro mundo
Me sinto mais esquecido do que era no segundo
Arde
Carimbo de ilegal
Preconceito racial
Só por ter nascido mais ao sul
Xe gente do primeiro mundo, pais da civilização
Por não ter um papel acabei numa prisão
Xe gente da terra inteira
Queima o fogo da desilusão
Este primeiro mundo é só de brincadeira
Só de brincadeira, só de brincadeira
E você finge que não vê
Eu não sei porque
Tens que entender que não há diferença entre nós
A mesma essência
Se a minha liberdade não existe
A tua é só aparência
É só aparência
E você finge que não vê
Eu não sei porque
Primeiro mundo só de brincadeira
Primeiro mundo só de brincadeira
Só de brincadeira, só de brincadeira, só de brincadeira, só de brincadeira


Comentarios (1) - Categoría: Opina sobre isto - Publicado o 16-02-2014 21:23
# Ligazón permanente a este artigo
1 Comentario(s)
1 Sensibilidade, fortaleza colectiva, empatía... Grazas polo día a d#blgtk08#ía nas aulas, por educar nos valores que han transformar o mundo.
Comentario por Ana R. Barreiro (18-02-2014 20:09)
Deixa o teu comentario
Nome:
Mail: (Non aparecerá publicado)
URL: (Debe comezar por http://)
Comentario:
© by Abertal












O contido desta páxina precisa unha versión máis recente de Adobe Flash Player.


Obter Adobe Flash Player






Warning: Unknown: Your script possibly relies on a session side-effect which existed until PHP 4.2.3. Please be advised that the session extension does not consider global variables as a source of data, unless register_globals is enabled. You can disable this functionality and this warning by setting session.bug_compat_42 or session.bug_compat_warn to off, respectively in Unknown on line 0