OUTRA VISIÓN


CONTRA O PENSAMENTO ÚNICO (Oficial ou alternativo)
Se repetimos unha mentira unha e outra vez, a xente terminará por crela.

(Joseph Goebbels)



O meu perfil
teixeira1970@hotmail.com
 CATEGORÍAS
 RECOMENDADOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

“Estoy viendo que mi dignidad y la del pueblo saharaui están siendo pisoteadas y el gobierno español es el responsable de lo que pueda ocurrir en esta huelga de hambre porque yo estoy decidida a ir ha
“Estoy viendo que mi dignidad y la del pueblo saharaui están siendo pisoteadas y el gobierno español es el responsable de lo que pueda ocurrir en esta huelga de hambre porque yo estoy decidida a ir hasta el final”
VS 0 | | sección: web | 04/12/2009
Aminetu Haidar responde al gobierno español


--------------------------------------------------------------------------------


[Transcripción de la traducción simultánea de Larosi Haidar de la intervención en árabe de Aminetu Haidar ante el enviado del ministro de Asuntos Exteriores español]

Ante todo le doy las gracias al Ministerio de Asuntos Exteriores del Gobierno español de, por lo menos después de 15 días, haber venido a ver de cerca mi situación humanitaria.
Respecto a mi situación que es ante todo inhumana, una situación en la cual se están violando todas las convenciones internacionales, sobre todo aquellas firmadas por el propio Marruecos, sobre todo el Pacto Internacional de Derechos Civiles y Políticos…
No vine a España por mi propia voluntad. Vine obligada a viajar, después de una detención abusiva que duró 24 horas en el Sahara Occidental. Después de que se tomó la decisión abusiva de expulsarme de manera ilegal de mi tierra, estuve protestando durante más de una hora ante el comandante del avión. Le hice saber que él sería el responsable de lo que estaba aconteciendo y que sería cómplice de todo lo que estaba ocurriendo, le dije que no tenía pasaporte y que todos los policías que estaba viendo detrás de mí, eran los que habían confiscado mi pasaporte; que era una defensora de derechos humanos saharaui, que llegó ayer de las Islas Canarias y que me obligaron a viajar dejando a mis hijos en el Aaiún.
El comandante del avión me dijo que él no podía portar en el avión a una persona que no tenía pasaporte. El responsable de la policía marroquí le dijo que era portadora de una residencia española. Le respondí que aún así yo no podía viajar a España sin pasaporte y, sobre todo, en contra de mi voluntad.
El comandante llevó a cabo unas cuantas llamadas telefónicas y respondió que él no podía llevarme en el avión. Una vez más habló con él el responsable de seguridad marroquí y le dijo:
- “A usted únicamente le importa esto, el billete de avión”. Le enseñó un billete de avión que tenía. “Y ésta es una orden de la cual está al tanto el ministro de Exteriores español”.
Después de un momento, el comandante del avión recibió una llamada telefónica y se dirigió a mí y me preguntó mi nombre. Le dije mi nombre. Cuando se lo dije, el comandante hablando con la persona en el teléfono –que yo desconocía quien era- le dijo que sí, se llama Haidar. Dejó de hablar y después de dos o tres minutos recibió otra llamada, se veía claramente que su cara había cambiado. Se dirigió al jefe de seguridad marroquí y le dijo: “Bueno, podemos dejarlo”.
En ese momento, le hice saber que él mismo, al igual que la compañía aérea y al igual que España serían las responsables de todo lo que fuera a ocurrir.


Cuando llegué al aeropuerto de Lanzarote…yo no sabía cuando iban a llevarme, ni siquiera el destino a donde iban a llevarme...cuando despegó el avión fue cuando el comandante dijo que el destino sería Lanzarote.
Estaba en una situación de estado psicológico totalmente bajo, con depresión, era la primera vez que iba a Lanzarote. Todos mis teléfonos y tarjetas telefónicas habían sido confiscados por la policía marroquí. Entonces, para mí, eso era un secuestro. Cuando llegué al aeropuerto de Lanzarote estuve totalmente segura de ello y protesté en el avión y no quise bajar. Todos los pasajeros bajaron menos yo.
Entonces, vino la policía para bajarme, para convencerme de que iban a hablar conmigo ya que yo portaba una residencia española.
Les dije, estando en el avión, que yo no podía bajar porque no tenía pasaporte y había dejado a mis hijos detrás y venido contra mi voluntad. Me convencieron de que podría volver esa misma tarde. Pero cuando fui a la oficina de la policía, les dije que yo estaba en una situación ilegal y que, por lo tanto, no iba a salir de la zona de tránsito. El responsable de la policía me prometió, entonces, que volvería a El Aaiún a las 6, por lo que me senté con los pasajeros que viajaban al Aaiún. Entonces, el responsable me dijo, en ese momento que, en todo caso, como estaba en una situación ilegal y no tenía pasaporte, que él había recibido órdenes de que no podía ir al Aaiún. Fue entonces cuando tomé la decisión de quedarme aquí. Y lo que realmente me reforzó fue el apoyo de toda la sociedad civil española con mi causa, que ha estado aquí viniendo y apoyándome.

Estaba en una situación psicológica muy peligrosa, incluso he estado llorando, sobre todo pensando en mis hijos. Me aseguré en ese momento de que había habido un acuerdo entre el gobierno español y marroquí, que había una total complicidad en el asunto. Mediante los medios de comunicación di un aviso al gobierno español para que resolviera el asunto o que si no entraría en huelga de hambre abierta.
En lo que a mi respecta, nunca he creído que España es el enemigo. Sin embargo, estoy viendo que está jugando este mismo juego. He sido secuestrada, detenida, torturada, alejada de mis hijos por el gobierno de Marruecos, sin embargo, eso nunca me ha dolido tanto como lo que está haciendo España que es un país democrático, un Estado de derecho, y nunca pensé que llegaría a actuar de esta manera.
Realmente nunca me ha gustado ese silencio de la administración del gobierno español respecto a las violaciones de derechos humanos, de aquellos saharauis que se puede decir que aún dependen del gobierno de España, y nunca pensé que España llegaría a presentarse para hacer este tipo de trabajos que realmente tocan a la legalidad internacional. Ha habido un acuerdo con el gobierno de Marruecos.
Cuando entré en la huelga de hambre, ni siquiera se les ocurrió mandarme un representante local para que hable conmigo y vea mi problema. De la misma manera que el gobierno español ignoró a los saharauis en el año 75, actualmente también España está ignorando a una activista de derechos humanos saharaui. Y lo hace exactamente el mismo día, el mismo día negro para los saharauis que es el del acuerdo tripartito de Madrid, el 14 de noviembre. No quiero ocultar que siento indignación por parte del gobierno español, y no solo por mí, sino por todos los saharauis y los militantes de derechos humanos.
Estas soluciones que ha traído el gobierno español…quiero decir que yo no he creado esta situación de crisis… si no que son el gobierno español y marroquí los responsables de todo lo que está ocurriendo. Yo tengo una sola solicitud y es que se me devuelva a mi tierra, el Sahara Occidental, donde están mi tierra y mis hijos, con o sin pasaporte. Es vuestro problema.
Le doy las gracias al gobierno español por ofrecerme la nacionalidad española o el estatus de asilada política. Sin embargo, para mí, la nacionalidad no es una oferta por parte del gobierno español sino más bien mi derecho, un derecho como saharaui. Mi madre es española y gran parte de mis familiares son españoles. Yo nunca pensé solicitar la nacionalidad española, ni la americana ni la italiana, ésta es mi postura política personal. Estoy bajo ocupación marroquí y milito, como el resto del pueblo saharaui, para poder llegar a nuestra autodeterminación.

Marruecos no me ha dado mi pasaporte como una oferta, sino que está obligado porque es un país ocupante y, según la Cuarta Convención de Ginebra, está obligado a dar todos los derechos políticos y civiles a los ciudadanos bajo su ocupación. Yo nunca he solicitado otro pasaporte. Nunca voy a solicitar otro pasaporte porque tengo ya uno que está en vigor y el número es R559514, que no expira hasta el 2 de mayo de 2010 y puedo prorrogarlo otros cinco años, después vendría la renovación. Con esto se ve claramente que Marruecos está violando sus propias leyes pues yo no puedo tener dos pasaportes. Yo no he perdido mi pasaporte para que haga una declaración de pérdida, está confiscado por parte del gobierno marroquí.

No estoy exigiendo de España que juegue el juego de Marruecos. Marruecos es realmente quien debe de pensar mucho en esta decisión. Lo que exijo al gobierno de España es que simplemente me devuelva a mi tierra. El asunto del pasaporte y la documentación es una guerra, es mi guerra con Marruecos. Pues he estado casi 15 años pidiendo un pasaporte, hasta el año 2005, y nunca le pedí al gobierno español que interviniera en aquello. Y el único que intervino fue el gobierno americano y fue quien realmente obligó al gobierno marroquí a que me diera pasaporte.

En definitiva, estas son opciones que rechazo totalmente. Lo único que le pido al gobierno español es que me devuelva a mi tierra.


[Intervención de Agustín Santos ofreciendo las opciones de nacionalidad española y de asilo político……..]

No es necesario explicarme las dos opciones, es una pérdida de tiempo y de energía para mí. No quiero conocer las ventajas y los inconvenientes porque nunca voy a aceptar ni el asilo político ni la nacionalidad española.

[Agustín Santos ofrece el pasaporte español…]

Ante todo le doy las gracias por esta opción que, para mí, más bien la considero un derecho. Desgraciadamente, la nacionalidad española no ha podido defender a comités, asociaciones, parlamentarios españoles que han sido expulsados del Aaiún en los aviones de vuelta a España y realmente España no ha podido protegerlos. Tampoco protegió a Yarba que es un saharaui español en silla de ruedas que fue tratado duramente en el aeropuerto del Aaiún, después en el de Casablanca y finalmente se le expulsó a Barcelona.
Si la tarjeta de residencia española ha sido una especie de condena para mí, que Marruecos ha utilizado para hacerme ésto, imagínese cuando yo tenga la nacionalidad española lo que harán. Ya no podría pisar El Aaiún. Yo le doy una explicación política. Marruecos esta ahora pensando, llevando a cabo un proyecto basado en hacer, desplazar los refugiados saharauis a países terceros, todos los saharauis que estén en contra de la ocupación marroquí van a ser tratados de la misma manera, es decir, serán expulsados, se les dará la nacionalidad española y se quedarán fuera del país. No estoy pidiendo a España que me proteja de lo que me pueda hacer Marruecos de tortura y detención, que Marruecos haga ese trabajo sucio, que Marruecos me detenga.

Cuando volví a El Aaiún, el día 13, según sabe mi abogada Inés Miranda, y lo sabe Boi-tia y Marselha Gonsalves, sabía que cuando volvía habían dos posibilidades: o ser detenida o que se me confiscaran los documentos. Y esto no es algo inventado sino que parte de una realidad en las zonas ocupadas. Pues ya habían sido detenidos otros 7 activistas de derechos humanos el día 8 de octubre, que van a comparecer ante un tribunal militar y es posible que incluso se les condene a pena de muerte. Además de otros 8 activistas a los cuales se les fue confiscada toda la documentación, entre ellos, Sultanya Khaya, que además de su documentación marroquí también se le confiscó su residencia española.

Cuando yo volví a El Aaiún habían sólo esas dos posibilidades. Sin embargo, la posibilidad de la expulsión a España nunca se me había pasado por la cabeza. La expulsión como tal, no es que sea algo nuevo, siempre ha habido expulsiones de saharauis de la zona ocupada al interior de Marruecos, se les prohibía volver al Sahara. También fue expulsado otro activista a la zona que está entre el sur del Sahara y Mauritania. Pero la expulsión hacia España que es un país democrático y un país de derechos humanos nunca había ocurrido.

Desgraciadamente, hoy en día, me estoy viendo obligada a enfrentarme al gobierno español como autoridad y no a enfrentarme al gobierno marroquí. Marruecos, si tiene alguna causa contra mí, que me lleve ante los tribunales y que sea lo que tenga que ser. Pero debido a las presiones internacionales, y gracias también a los distintos galardones que se me ha dado en el extranjero, [Marruecos] pensó en otra cosa, en tirarle el balón a España. Marruecos sabe realmente quien es Aminetu Haidar pero España no conoce a Aminetu Haidar.

Mi mensaje al señor Moratinos y, mediante él, a todo el gobierno de España, es que Aminetu Haidar ha sacrificado su juventud y su vida por la dignidad y hoy estoy viendo que mi dignidad y la del pueblo saharaui están siendo pisoteadas y el gobierno español es el responsable de lo que pueda ocurrir en esta huelga de hambre porque yo estoy decidida a ir hasta el final. Pues mi dignidad está por encima de mis hijos y por encima de todos, así que no tengo nada más que ofrecer.

Aeropuerto de Lanzarote, 29 de noviembre de 2009


http://poemariosaharalibre.blogspot.com/search/label/Aminetu%20Haidar



Comentarios (0) - Categoría: Mundo - Publicado o 16-12-2009 22:27
# Ligazón permanente a este artigo
I Semana do Cinema Israelí en Galicia

http://semanadocinemaisraeliengalicia.blogspot.com/
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 26-11-2009 04:07
# Ligazón permanente a este artigo
Malo será
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 19-11-2009 03:47
# Ligazón permanente a este artigo
Brutal malleira e aborto por non levar o veo
Dous detidos en Ciudad Real por pegar unha brutal malleira a unha muller musulmá por non levar veo. A vítima, marroquí, sufriu un aborto tras a malleira, propinada por un home e unha muller da mesma nacionalidade ás portas dun colexio
EFE - Toledo - 06/11/2009

Dúas persoas de nacionalidade marroquí, un home e unha muller, foron detidos en Socuéllamos (Ciudad Real) por propinar unha brutal malleira a unha muller embarazada, tamén marroquí, porque non levaba veo e quen perdeu ao fillo que esperaba tras a salvaxe agresión. Os feitos, coñecidos hoxe, producíronse o pasado 14 de outubro ás 9.00 horas ás portas do colexio público El Coso, cando os dous agresores acudiron a recoller ao fillo dun deles e observaron á muller sen o veo islámico que tamén fora a buscar ao seu fillo. Testemuñas presenciais relataron á Garda Civil que os dous detidos, que non gardan relación de parentesco coa vítima, propináronlle unha "brutal" malleira, despois da cal a muller sufriu un aborto. Tras a agresión, a muller, de 31 anos, foi trasladada nun primeiro momento ao centro de saúde de Socuéllamos e, posteriormente, foi ingresada no Hospital Xeral de Tomelloso. A Delegación do Goberno precisou que o 26 de outubro a vítima presentouse no cuartel da Garda Civil e comunicou aos axentes que abortara tres días antes no hospital de Tomelloso como consecuencia das lesións sufridas durante a malleira. Fontes da investigación informan de que o motivo da agresión á muller foi que non levaba o preceptivo veo islámico pola súa condición de musulmá. O pasado 29 de outubro, a Garda Civil detivo a un home e unha muller, identificados coas iniciais M.F., de 37 anos, e A.F., de 27 anos, respectivamente. A ambos se lles imputa un delito de lesións e foron postos a disposición do Xulgado de Instrución número 1 de Tomelloso.
Comentarios (0) - Categoría: Mundo - Publicado o 06-11-2009 18:29
# Ligazón permanente a este artigo
Avelino Pousa Antelo na manifestación de Queremos Galego
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 25-10-2009 06:05
# Ligazón permanente a este artigo
Israel e nós. Josep-Lluis Carod-Rovira
Por Josep-Lluis Carod-Rovira
AVIU - 07.10.09

A Israel pásalle, no mundo, algo semellantemente a aquilo que, en España, ocórrelle a Catalunya. Todo é escoitar ou ver as palabras-faísca (Israel, xudeus, Catalunya, cataláns) e ao momento préndese o lume da prevención, da sospeita ou da criminalización inmediata. A súa simple mención ten a virtude de provocar reaccións irracionais de rexeitamento, alerta ou culpabilización, de pór en garda todo o mundo, polo si ou polo non... En ausencia de xudeus na paisaxe española, os cataláns fixeron a función ("os xudeus de España", dicía Pio Baroja), converténdose en xudeus sobrevindos, aos cales se aplican todos os reproches, tópicos e prexuízos do antisemitismo, quitado de matar a Cristo, cando menos até agora: xente avariciosa, interesada só polo diñeiro, etc... Moitos medos e inseguridades da uniformidade identitaria máis rancia en relación co outro, cara a aquilo que é diferente, canalizáronse, en España, contra xudeus e cataláns, facendo a miúdo unha soa cousa. O mesmo Quevedo era quen de escribir, case á vez, un libelo antixudeu e outro de anticatalá, quizais un con cada man. Todo o rexeitamento do conservadurismo máis enfrentado de cabeza ao progreso, á modernidade, aos cambios, tivo tamén os mesmos destinatarios: industria, cultura, cidade, ciencia, palabras craves tamén do catalanismo, recibiron por todas partes. Tras a barbarie da Shoáh, do Holocausto, a esquerda europea e os sectores máis ilustrados e liberais eran claramente proisraelis, seguramente pola mala conciencia e a vergoña de todo o que Europa permitira ao nazismo e tamén pola hexemonía socialista no movemento sionista de entón. Tamén, á saída da ditadura, a esquerda, e unha parte da sociedade españolas do momento, tiñan respecto e unha certa admiración por Catalunya. Pero unha actitude e a outra hai xa tempo que cambiaron de signo. Onte e hoxe, en España, xudeofobia e catalanofobia van do brazo. Máis aló da pegada xudía na nosa historia nacional, o catalanismo sempre se sentiu atraído pola historia do pobo xudeu: a conciencia e complicidade de grupo, a tenacidade para transmitir a identidade aos descendentes, en calquera lugar do mundo e en contextos moi difíciles e dramáticos, a fascinación pola construción do propio Estado nacional con xente chegada de todas partes, etc. Non é estraño, pois, que, o 1929, Rovira e Virgili se referíse ao "pútrido e fétido antisemitismo (que) aínda está vivo"; que, ao nacer "Edicións 62", en pleno franquismo, se o seu primeiro libro editado era "Nós os valencianos", de Joan Fuster, o segundo título impreso foi "O Estado de Israel". Nin tampouco que, o 1992, na conmemoración do cincocentos aniversario da expulsión dos xudeus de Sefarad, o Parlament de Catalunya fose o único, dos dezanove existentes a todo o Estado, onde se presentou, e foi aprobado por total unanimidade, unha resolución de condena daquel feito, resolución que eu mesmo tiven a honra de redactar. O antisemitismo de onte, a xudeofobia de hoxe, teñen, de feito, raíces relixiosas, onte instaladas no integrismo católico, hoxe tamén no integrismo islámico. Por isto sorprende, e só se entende como resultado da desinformación e a simplicidade con que se adoptan certas actitudes, que, ademais da ultradereita, sexan, xustamente, certas esquerdas, as abandeiradas do anti-Israel. Non quedaramos en que a laicidade era un valor de civilización? Como non parece que certas posicións se puxesen baixo a advocación do Vaticano nin tampouco da Meca, as razóns deben buscarse noutro lugar: o factor palestino, como pretexto por expresar, tamén, un antiamericanismo primario e visceral, nun momento de desorientación ideolóxica. Lamentabelmente, España é o Estado máis antisemita de Europa, pero Barcelona xa apareceu en dúas ocasions, en pouco tempo, no mesmo mapa. Sempre defendín e defendo o dereito do pobo palestino á construción do seu propio Estado nacional independente e que Israel debe retirarse de Cisxordania. Pero tamén defendín e defendo o dereito á existencia do Estado de Israel e o seu dereito a defenderse dos ataques terroristas. Hamás, con quen agora se entrevistan algúns grupos políticos españois, sen que ninguén o cuestione, como a cousa máis normal do mundo, a pesar de estar considerado como organización terrorista pola Unión Europea e Estados Unidos, é, precisamente, un dos obstáculos máis grandes para a creación do Estado palestino. Pero isto non converte a todos os palestinos en terroristas. Como tampouco que a máxima autoridade islámica de Xerusalén aproveitase a radio berlinesa, na Alemaña de Hitler, para facer chamamentos reiterados a matar aos xudeus. Nin todos os xudeus son malos, nin todos os palestinos son bos, e ao revés. Nin todos os cidadáns de Israel pensan o mesmo do seu goberno, nin todos os musulmáns poden ser sospeitosos de nada polo feito de ter esta relixión. Os problemas só serán resoltos pola vía política, non polas armas e o terrorismo. A coexistencia pacífica dos dous pobos só chegará polo acordo e a negociación, non polos atentados de suicidas ou polo derribo das casas destes. Por isto, certas actitudes e compañías non benefician nada a solución do conflito e, menos aínda, ao dereito lexítimo dos palestinos a ser Estado. Non deixa de ser sospeitoso ademais, que os únicos musulmáns obxecto de simpatía política sexan, precisamente, aqueles que teñen un conflito aberto en Israel. Onde están as voces da esquerda europea en Chechenia, ante Darfur, ante o Sahara e, ao seu momento, en Bosnia, musulmáns todos eles? Aínda lembro aquel esotérico "bombardean Serbia porque son de esquerdas", en boca dun político de "esquerdas". Non ten sentido, pois, castigar e criminalizar a todo un pobo e un país, polo simple feito de ser o pobo que é e o país que é. E, moito menos aínda, facelo desde Catalunya.
Comentarios (0) - Categoría: Mundo - Publicado o 12-10-2009 01:46
# Ligazón permanente a este artigo
Ahmadineyad
Comentarios (0) - Categoría: Mundo - Publicado o 24-09-2009 04:22
# Ligazón permanente a este artigo
PETICIÓN POLO MANTEMENTO DA GRATUIDADE DOS LIBROS DE TEXTO
PETICIÓN POLO MANTEMENTO DA GRATUIDADE DOS LIBROS DE TEXTO
Os pais e nais do alumnado do ensino obrigatorio público e concertado galego, ante as declaracións do Sr. Conselleiro de Educación expoñendo a intención da súa Consellería de modificar o sistema actual de gratuidade dos libros de texto

Manifestamos que:

• A gratuidade do ensino é un dereito consagrado na lexislación vixente.

• A gratuidade dos libros de texto é unha conquista social de todos os galegos.

• A intención do goberno galego de reducir gastos educativos, argumentada na crise económica, non debe afectar á gratuidade dos libros de texto, condición necesaria para acceder á igualdade de oportunidades na educación.

• Dende hai 3 anos, todo o alumnado do ensino obrigatorio, en condicións de igualdade, recibe en préstamo os libros de texto que vai necesitar ao longo do curso escolar. Unha vez rematado o curso, os nenos devolven os libros, que serán usados ao ano seguinte por outros alumnos. Pasados 4 anos, os libros son renovados.

• Todo isto significa que durante catro anos a administración non realiza novos investimentos, polo que, ao noso modo de ver o cambio do sistema de préstamo ao de libros en propiedade ten como único obxectivo o beneficio das editoriais, non entendendo o pretendido aforro económico.

• O sistema de préstamo supón a implicación dos alumnos no coidado dos libros, fomenta a solidariedade e o respecto aos bens públicos, e da paso adiante na defensa do noso patrimonio ecolóxico.

• Por outra banda, non entendemos as formas da Consellería de Educación, que pretende impoñer unha política de factos consumados durante a época estival, prexudicando directamente ás familias.

En consecuencia, os abaixo asinantes esiximos á Consellería que manteña o sistema de gratuidade dos libros de texto no ensino obrigatorio que se implantou en Galicia no curso 2003/04, negándonos rotundamente a mercar os libros de texto para o novo curso escolar se non temos garantías de que a gratuidade é universal. (IMPORTANTE: VER A NOTA ACLARATORIA SOBRE PUBLICACIÓN DE AXUDAS).
Plataforma Galega pola Gratuidade
Comentarios (1) - Categoría: Galiza - Publicado o 15-09-2009 20:36
# Ligazón permanente a este artigo
A Finlândia: o mito erótico de Galicia Bilingüe e do galeguismo
Artigo de Pablo Gamallo en Vieiros.com
A Finlândia: o mito erótico de Galicia Bilingüe e do galeguismo
Mesmo se é possível encontrar conflitos linguísticos análogos ao nosso em qualquer parte do mundo, vou-me centrar aqui na fantasia sexual de Galicia Bilíngüe (GB): o sistema educativo da Finlândia, número 1 do mundo segundo os últimos relatórios do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), e paraíso miltoniano onde as mães e pais escolhem livremente a língua de instrução das crianças.

A Finlândia pertenceu ao reino da Suécia durante 700 anos, sendo o sueco a língua de prestígio durante todos esses anos. O finlandês começou a recuperar relevância a partir do ressurgimento nacionalista no século XIX. Na actualidade, são línguas oficiais o finlandês, língua materna do 92% da população e o sueco, língua materna do 5'6%. Os principais objectivos da política linguística do Estado são os seguintes: um de natureza ecolinguística, que consiste em respeitar e mimar a minoria suecófona para evitar a sua extinção, um outro de natureza psicolinguística, cujo intuito é conseguir que os estudantes tenham competências amplas em duas línguas (a materna e a outra oficial), e ainda um outro objectivo mais pragmático, que consiste em manter o sueco como língua oficial para aproximar a Finlândia do resto de países nórdicos, dado que o sueco é similar e inteligível com o dinamarquês e o norueguês, enquanto que o finlandês pertence a um grupo não-indoeuropeu mui afastado do resto de línguas do seu contexto geográfico. Graças ao estudo obrigatório do sueco, os estudantes teriam mais fácil a aprendizagem de outras línguas germânicas como o inglês ou o alemão. Para levar a cabo estes objectivos, o Estado está a pôr em prática as estratégias educativas que considera mais apropriadas. O modelo de ensino baseia-se nestas duas medidas: ensino obrigatório da língua sueca em primária e secundária para os alunos que tenham o finlandês como língua de instrução (ou imersão), e possibilidade de receber a instrução em sueco se hai suficiente demanda ou se o estudante mora num concelho considerado como bilingue ou monolingue em Sueco. Um concelho é bilingue se a língua minoritária atinge o 8% da população do concelho ou, no seu defeito, ultrapassa os 3.000 falantes em números absolutos. Por outro lado, é interessante constatar que o sueco falado na Finlândia está regulado polo Instituto de Investigação de Línguas de Finlândia. Este instituto ocupa-se, entre outras cousas, de reintegrar o sueco da Finlândia ao sueco da Suécia evitando empréstimos e decalques do finlandês.

Não é preciso fazer uma análise mui aprofundada para dar-se conta que a situação linguística da Finlândia é o sonho erótico de qualquer nacionalista galego: a língua própria, antigamente dominada, é quem domina numa situação equilibrada de claro monolinguismo social. Hai uma clara hegemonia social do finlandês. O mais irónico e morboso, no entanto, é o facto de o sueco ser ainda uma língua viva no território graças ao proteccionismo benfeitor do Estado que quer aproveitar essa situação para formar indivíduos bilingues e melhor preparados. Que galeguista não sonha com esta Arcádia feliz? Quem não sonha com um galego hegemónico na maioria do território e com o castelão em minoria, mas protegido, numa sociedade de indivíduos mais ou menos bilingues?

Aos olhos de muitos simpatizantes de GB, devemos estar perto de viver nesta Arcádia pois eles mesmos se identificam com os suecófonos da Finlândia, minoritários e em perigo de extinção. Ora bem, é bom diferenciar os adeptos integristas de GB da sua direcção, um pouco mais esperta e realista. O discurso oficial de GB assume que o castelão não está em perigo, o que está em perigo é a liberdade de escolha dos pais. Segundo os dirigentes desta associação, a estratégia do governo finlandês ao respeito do ensino é a mais ajeitada sempre que se aplique num território onde haja duas línguas em contacto. Consideram-na uma estratégia universalmente válida, independentemente do grau de dominação duma das línguas ao respeito da outra. Bom, reconheço que eu sinto certa ternura pola inocência infantil que mostra a direcção de GB ao respeito de temas sociolinguísticos. De facto, o mito erótico da Finlândia acabaria por esvaecer-se quando se dessem conta que qualquer finlandês falante desta língua nunca optaria pola estratégia vigente hoje no país se o finlandês fosse a língua minorizada. Neste caso hipotético, o principal objectivo glotopolítico do Estado não seria preservar o sueco, língua estrangeira dominante, senão mais bem estender desesperadamente a língua própria minorizada fazendo uso dum modelo básico de imersão (talvez com 2/3 horas de sueco à semana como na Catalunya, se fosse um governo 'cool'). É uma questão de simples supervivência. Nenhuma nação se suicida se já venceu o auto-ódio típico do ex-colonizado e conta com as armas políticas dum Estado próprio.

A Finlândia ainda dá para uma última analogia, a mais realista. Se seguimos a tendência do uso do galego desde hai 30 anos, constatamos que a situação actual da Finlândia é uma fotografia exacta da Galiza dentro de 50 ou 60 anos. Mas agora o 5'6% de suecófonos não são os falantes de castelão da nossa Arcádia sonhada, mais um pequeno reduto de intrépidos galegofalantes. Para que a analogia seja perfeita, nessa altura, o novo Instituto de Investigação de Línguas da Galiza (fusão do ILG e da AGAL) procurará desesperadamente reintegrar o galego falado na Galiza ao galego do Portugal e do Brasil.

Para quebrarmos a tendência apocalíptica que mostram friamente os gráficos e as estatísticas do uso do galego entre os mais novos, é preciso novas estratégias e, portanto, novos planos de normalização. Temos que assumir primeiro a realidade: por um lado, o galego já deixou de ser língua maioritária do país entre os menores de 65 anos e, por outro, a 'síndrome do colonizado' (auto-ódio) é ainda um sentimento mui generalizado. Nesta situação já mui precária, discutir se as matemáticas devem ou não impartir-se em galego (a única diferença significativa entre o decreto 1995 frente a decreto 2007) é improdutivo. O uso do galego vai seguir em linha descendente. Desde o meu ponto de vista, deveríamos assumir que, se mantemos os mesmos planos estratégicos, nunca conseguiremos frear o processo acelerado e irreversível de castelanização. Em poucos anos, os galegofalantes seremos um pequeno reduto dentro dum território dominado polo castelão e, tal como os suecos da Finlândia, precisaremos das mesmas medidas de protecção que estes desfrutam, nomeadamente o direito à imersão em galego no ensino.

E que estratégias se poderiam propor? Bem, antes de nada, é fundamental redefinir claramente os objectivos do galeguismo. Sem objectivos claros, não pode haver métodos de actuação eficientes. Penso que o Manifesto pola Hegemonia Social do Galego é um bom ponto de partida. O galego, como o finlandês na Finlândia, debe aspirar a ser língua hegemónica no nosso território. Não é nada novo, mas ultimamente os discursos glotopolíticos atrapalham-se entre bilinguismos harmónicos e patrimónios universais. Para atingir este objectivo, é fundamental analisar a realidade, propor planos estratégicos realistas e aplicá-los. Desde o meu ponto de vista, parece improdutivo manter uma estratégia de consensos sobre a língua baseiados em mínimos avances para a maioria. Um mínimo avance é, por exemplo, consensuar um 30, 40 ou 50% de matérias em galego em primária e secundária. Os acordos de 'mínimos' não permitem visualizar contextos de uso onde o galego seja hegemónico e, além de mais, facilitam o incumprimento sistemático das normas. São perfeitos para manter as velhas inercias dos que só buscam como adaptar-se às novas normas fazendo nada ou o mínimo imprescindível. Em fim, não ajudam a modificar os sentimentos negativos ao respeito da língua. Vejo mais útil propor estratégias baseadas em acordos de 'máximos' para uma minoria. São medidas mais radicais que colocam o galego em situação hegemónica, embora só se apliquem a grupos sociais reduzidos e mais ou menos ideologizados. Uma medida de máximos seria, por exemplo, permitir aos pais e mães optar pola imersão em galego das crianças no ensino obrigatório, com 2/3 horas semanais de língua espanhola.

Penso que esta medida específica pode ser mui produtiva. Primeiro, segundo os dados fornecidos pola consulta da actual Conselharia de Educação, é provável que haja entre um 20 e um 30% de pais e mães interessados nesta opção. Não é um mal começo. Trata-se duma minoria muito mais representativa do que o 5% de suecófonos da Finlândia. Segundo, como o número de professores no modelo de imersão em galego é menor, seria mais fácil melhorar o nível global da língua em que se impartem as matérias. Na actualidade, o galego empregado por parte do professorado é péssimo, problema do que se fala pouco mas que está a causar um grande desprestígio da nossa língua entre o alunado. O facto de termos um grupo reduzido e voluntarioso de professores em galego facilitaria a organização de cursos de formação com o objectivo de melhorar a língua das aulas e dos materiais didácticos. Terceiro, haveria por fim uma concorrência directa entre o ensino em galego e o ensino em castelão, o que permitiria medir o grau de aquisição das duas línguas por parte do alunado em cada um dos dous modelos. Nestes momentos, sabemos que a imersão na língua minorizada é o único modelo onde se assegura que, ao final do período escolar, os alunos tenham competências avançadas nas duas línguas em contacto. A prova: os alunos do modelo D (só éuscaro) no País Basco são os únicos que conseguem notas razoáveis em éuscaro sem baixar da média nacional em castelão. Resultados semelhantes no modelo catalão não fam mais que confirmar a hipótese de partida. Quarto, à diferença do sueco da Finlândia, o galego da Galiza é a língua própria do país, portanto, a percentagem inicial de alunos em imersão poderia (e deveria) ir crescendo a medida que a sociedade fosse interiorizando que o modelo em galego é o mais rendível em termos de qualidade docente, aprendizagem de conteúdos e aquisição de conhecimentos multilingues. Por último, é importante sublinhar que a separação dos alunos em função da língua de instrução não acarreta uma ruptura social em dous blocos linguísticos. Sendo o galego e o castelão duas línguas mui próximas, toda a povoação continuaria a ter, como mínimo, um conhecimento passivo do galego, mesmo nos núcleos urbanos mais castelanizados. De facto, não haveria uma mudança qualitativa ao respeito da situação actual, já que existem muitas escolas em contextos urbanos e na periferia das cidades que, incumprindo os acordos de mínimos, só utilizam o galego de maneira residual.

É certo que a estratégia proposta coincide em muitos aspectos com a de GB, mas esta coincidência deve ser percebida como uma oportunidade e não como uma eiva. Também coincide na percepção mitológica da Finlândia. Mas este mito é visto de duas maneiras bem diferentes. Para GB, a Finlândia representa o mito da liberdade de escolha da língua de instrução. Para os galeguistas, a Finlândia é a fantasia mais morbosa que se pode imaginar: uma Galiza em galego, mas com galegos bilingues e com uma pequena minoria protegida de simpáticos e inofensivos castelão-falantes.
Comentarios (1) - Categoría: Galiza - Publicado o 01-09-2009 18:21
# Ligazón permanente a este artigo
Galescolas, escoliñas, ou o que puido ser
Galescolas, escoliñas, ou o que puido ser
MANOEL SANTOS


Sería de cínicos non recoñecer os dous grandes avances que supuxeron as galescolas creadas polo bordo nacionalista do bipartito no seu efémero pasar polo poder galaico. Por unha banda, o incremento de prazas de educación infantil -unha eiva social e económica para moitas familias- foi realmente espectacular, e probabelmente non se tería dado se as escolas infantís fosen competencia de Educación no canto do polémico Consorcio, por canto para o BNG eran unha prioridade e para o PSdeG non.

Pola outra banda, a presenza do galego na educación dos pícaros e pícaras era unha materia pendente e un acto de xustiza, quer co país, quer cos moitos pais e nais que nos vemos totalmente incapaces de transmitirlles -sobre todo nos primeiros anos- a nosa lingua aos nosos fillos e fillas, pois a españolización da sociedade galega, e xa que logo da contorna educativa, é absolutamente abafante, inxusta e indignante.

Dito isto, confeso tamén que sempre fun moi crítico co modelo de escolas infantís de Quintana, pero máis que polo que fixo, polo que deixou de facer.

Primeiramente, nunca concordei co nome de galescolas. Sendo obvio que o termo procedía lexitimamente das palabras "galega" ou "Galiza" e "escola", era máis que evidente a carga simbólica do seu parecido ao de "ikastolas", cuestión que, amais de amosar pouca imaxinación, serviulle de arma política a un PP botado ao monte na súa cruel e, esta si terribelmente ideolóxica, campaña desgaleguizadora no "noroeste de España". E facer de menos á dereita supón perder o partido. Na nosa lingua atopamos vocabulario dabondo para definir as escolas infantís con só mirar ao Brasil, que por lóxica e historia mantén moitas esencias da lingua nosa. Alí son, simplemente, escolinhas.

En segundo lugar, e partindo da base de que a prioridade é fornecer de prazas de educación infantil de balde a quen máis as precisa, o esforzo na creación das galescolas deixounos a moitos galegofalantes desleixados.

Por primeira vez tiñamos a esperanza de educar os nosos cativos e cativas en galego. Mais quen -por sorte- tiñamos ingresos familiares que superaban os requisitos para acceder ás prazas públicas de infantil, ficamos fóra e, polo tanto, condenados a seguir a pagar 250 ou 300 euros mensuais en escolas infantís privadas, todas con ausencia absoluta do galego.

Paraxodalmente, as escolas infantís en galego enchéronse de nenos e nenas cuxos pais e nais non tiñan a máis mínima intención de educalos nesa lingua, e un bo número de nenos e nenas cuxos pais querían educalos en galego seguiron a ateigar "las guarderías".

Deste xeito, o BNG cumpriu coa prioridade de dotar Galiza de máis prazas de educación infantil, é certo, mais fracasou -cando menos en parte- na de galeguizar a educación infantil, porque nunca pensou na dobre misión de crear prazas de balde para quen máis as necesita e outras concertadas -ou públicas de pagamento- para quen, tendo ingresos abondos, nos vemos privados do dereito a educarmos os nosos na lingua que, pese a quen pese, falamos acotío.
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 23-08-2009 18:43
# Ligazón permanente a este artigo
O coche de Feijoo
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 02-07-2009 02:37
# Ligazón permanente a este artigo
Irã: O 18 Brumário de Mahmoud Ahmadinejad
Irã: O 18 Brumário de Mahmoud Ahmadinejad
Alan Woods

Dois candidatos concorreram às “eleições” iranianas, mas o regime já havia decidido quem seria o vencedor bem antes de qualquer voto ter sido depositado nas urnas.

Apesar da “oposição leal e conciliatória” de Mousavi, grande parte do eleitorado iraniano usou seu voto para expressar sua oposição ao regime. Uma vez anunciado o “resultado” a violência explodiu nas ruas, veio à tona a fúria acumulada e o descontentamento entre as massas. Tudo isto marca uma nova fase no desenvolvimento da revolução iraniana.

O historiador francês Alexis de Tocqueville, uma vez escreveu, que o momento mais perigoso para um mau governo se dá quando este tentar fazer reformas. Mas é ainda mais perigoso quando este regime se recusa a fazer reformas.

A história conhece muitos exemplos de autocracias apodrecidas, que depois de um longo período no poder sucumbem a um processo irreversível de deterioração interna. Em tais momentos, todas as contradições internas que permaneciam escondidas vêm à tona subitamente. Sempre há duas tendências principais: a linha dura e a reformista. A primeira argumenta que: “Não podemos fazer concessões a reformas, pois uma vez postas em movimento seremos derrubados”. E a última diz: “precisamos fazer reformas desde cima, caso contrário, seremos derrubados.” Ambas estão corretas.

O que era verdade, na França, em 1789 também é verdade no Irã em 2009. Depois de três décadas no poder, o regime dos Mulás é extremamente impopular. Os analistas acreditavam, portanto, que Mousavi, amplamente reconhecido como um reformista, se sairia melhor. O debate presidencial entre Mousavi e Ahmadinejad sacudiu a nação, e nos últimos dias a campanha de Mousavi pegou fogo, impulsionando passeatas por toda Teerã. O que estas passeatas mostraram foi um ardente desejo por mudanças.

Em geral, esperava-se que, se a participação fosse elevada, Mousavi golpearia seu polêmico adversário. Ou pelo menos conseguiria disputar contra ele o segundo turno. Pesquisas, na Sexta-Feira, indicavam uma votação sem precedentes, davam margens suficientes para que Mousavi chegasse à presidência. A participação eleitoral ultrapassou os 80%, ao menos em duas pesquisas do Sábado.

A turbulência econômica no Irã ao longo dos últimos 4 anos minou a base de apoio de Ahmadinejad até mesmo nas regiões rurais. O governo não só anunciou a vitória de Ahmadinejad, anunciou uma esmagadora vitória, com 62,63% dos votos contra os 33,75% de Hossein Mousavi. De acordo com os resultados, que foram anunciados com indecente rapidez, Mousavi perdeu até mesmo em regiões de Teerã onde estão suas principais bases de apoio. Este cenário virtuoso de fraude eleitoral foi tão espalhafatoso que chocou até mesmo as pessoas que consideram estas práticas normais.

Fraude eleitoral
A velocidade com que o anúncio foi feito por si só já seria suficiente para indicar uma fraude massiva. O Irã ainda é um país predominantemente rural com uma infra-estrutura que não permite tal rapidez para a contagem dos votos. Em uma eleição genuína, muitos dias seriam necessários para a divulgação dos resultados de cada província e povoado nas áreas remotas. Ao invés disso, Ahmadinejad anunciou imediatamente que havia ganhado com uma grande vantagem. “O povo do Irã inspirou esperança para todas as nações e criou uma fonte de orgulho para a nação e desapontou todos os maus intencionados”, disse Ahmadinejad em um programa de TV no Sábado à noite. “Esta eleição aconteceu em um momento crítico da história!”.

Para um regime despótico que detém cada fração de poder firme em suas mãos, a tarefa de fraudar uma eleição não é lá muito difícil. Depois de encerradas as urnas – de acordo com notícias vindas de fora do Irã – Corpos da Guarda Revolucionária Iraniana foram às ruas fortemente armados. Em uma área no Norte de Teerã, um reduto da oposição e do ex-Primeiro-Ministro Mousavi, jornalistas estrangeiros testemunharam a passagem de um comboio com pelo menos quinze veículos militares cheios de guardas armados deslocando-se ao longo da estrada. O Ministério do Interior também foi bloqueado e fortemente guardado, o regime temia que os apoiadores de Mousavi reunissem forças no Ministério para protestar contra a contagem dos votos.

Ibrahim Yazdi, um líder dissidente iraniano e ministro do interior nos primeiros anos da República Islâmica, disse ao jornalista americano Robert Dreyfuss:

“Muitos de nós acreditam que as eleições foram fraudadas. Não apenas Mousavi. Não temos a menor dúvida. E no nosso entender, não é legitima. Houve muitas, mas muitas irregularidades. Não permitiram que os candidatos supervisionassem as eleições nem a contagem dos votos nas zonas eleitorais. O ministro do interior anunciou que supervisionaria a contagem final em seu gabinete, no ministério, com apenas dois observadores presentes.

Nas últimas eleições, anunciaram o resultado em cada um dos distritos, dessa forma as pessoas poderiam seguir a apuração e fazer seu julgamento acerca da validade dos números. Em 2005, houve problemas: em um distrito havia cerca de 100.000 eleitores, e anunciaram um total de votos de 150.000. Desta vez não liberaram os dados de cada distrito em particular.

No total havia cerca de 45.000 zonas eleitorais. Havia 14.000 urnas móveis, que podiam ser transportadas de povoado em povoado. Muitos de nós protestamos contra isso. Originalmente, as urnas móveis eram para ser usadas apenas em lugares tais como hospitais. Desta vez, foram usadas em delegacias de polícia, batalhões do exército e vários outros setores militares.

Mousavi e Karroubi [os principais candidatos de oposição] em antecipação estabeleceram comitês para proteger o voto do povo. Muitos jovens se dispuseram a trabalhar nestes comitês. Mas as autoridades não permitiram. Não existe maneira, independente do Governo ou do Conselho de Guardiões, de verificar os resultados.”

Com o resultado eleitoral em seu bolso a insolência de Ahmadinejad não conhece fronteiras. O presidente disse que as eleições foram um “modelo de democracia” e acusou os “opositores do ocidente” por criticar as eleições. “Nas eleições de sexta-feira, o povo saiu vitorioso”, declarou ele. “As eleições no Irã são realmente importantes. Eleições significam o consenso de todas as pessoas, resolvem-se na cristalização de suas demandas e desejos, é um salto na direção de aspirações mais elevadas e de progresso. As eleições no Irã estão totalmente fundamentadas nos movimentos populares, pertencem ao povo com os olhos no futuro, projetam a construção do futuro!”.

Supôs avanços através do consenso, dizendo que reformas econômicas e de infra-estrutura podem ser realizadas no Irã através de um processo coletivo. “Todos nós podemos unir forças”, disse, enquanto seus capangas armados espancavam as pessoas nas ruas. Dezenas de milhares de apoiadores de Ahmadinejad reuniram-se na Praça Valiasr da capital agitando bandeirolas para o discurso da vitória durante a noite - tentava demonstrar força e sufocar os protestos de oposição.



“As eleições de 12 de Junho foram uma expressão artística da nação, que fez avançar a história das eleições do país”, disse o Aiatolá Khamenei. “Os 80% de participação e os 24 milhões de votos apurados na eleição presidencial é uma real celebração de que com o poder de Deus Todo Poderoso pode-se garantir o desenvolvimento, progresso, segurança nacional e o regozijo e a excitação da nação.”

Protestos espontâneos
Sem dúvida, a nação está excitada – mas não regozijada. O candidato reformista Mehdi Karrubi chamou o anúncio do resultado eleitoral de uma “piada” e “assombrosa.” Ainda durante os louvores de Ahmadinejad sobre os resultados e a grande margem, e ainda durante os lamentos de Mousavi e seus apoiadores pelas ruas de Teerã começaram os conflitos nas ruas. Na tarde de Sábado as ruas da capital estavam aparentemente calmas. Mas ao cair da tarde do mesmo dia manifestações espontâneas eclodiram nas ruas de Teerã. Isto reflete a enorme acumulação de fúria, desespero, e amargura no seio da sociedade iraniana que está gestando implicações revolucionárias.

Khamenei sugeriu que os iranianos deveriam respirar fundo e pensar sobre as conseqüências do voto. “O sábado seguinte às eleições sempre deve ser um dia de introspecção e paciência,” disse ele. “Todos os apoiadores tanto os do candidato eleito como cada um dos apoiadores dos outros candidatos devem evitar qualquer medida provocativa e qualquer comportamento condenável. O presidente eleito é o presidente de todo o povo do Irã e todos, incluindo os rivais de ontem, devem protegê-lo e ajudá-lo.” Estas palavras do supremo líder revelam o medo do regime de distúrbios populares. Não estão errados por se sentirem assim.

Manifestantes gritam: “o presidente está cometendo um crime e o líder supremo o apóia”, palavras altamente inflamáveis em um regime onde o líder supremo, Ali Khamenei, é irrepreensível. Lojas, gabinetes governamentais e negócios fecharam tão logo começaram as tensões. Multidões reuniram-se também em frente à sede do comitê eleitoral de Mousavi, mas não havia sinal do dirigente político rival de Ahmadinejad. Os manifestantes ergueram seus punhos e gritavam palavras de ordem contra Ahmadinejad.

Os manifestantes atearam fogo às lixeiras e árvores, criando colunas de fumaça negra entre os blocos de apartamento e os edifícios do centro de Teerã. Um ônibus vazio foi consumido pelas chamas em uma estrada. A polícia recuou em blocos, inclusive pelotões móveis de motocicletas com cassetetes. Os manifestantes lançaram pedras e garrafas nos oficiais, gritando “Mousavi, dê-nos nossos votos de volta” e “as eleições estão repletas de mentiras”.

Mais de 100 reformistas, incluindo Mohammad Reza Khatami, o irmão do ex-presidente Mohammed Khatami, foram presos, de acordo com o líder reformista Mohammad Ali Abtahi. Ele disse à Reuters que eles eram membros da direção do partido reformista iraniano Mosharekat. Um porta-voz do judiciário negou que eles houvessem sido presos, mas disse que eles foram intimados e “alertados para não aumentar as tensões” antes de serem liberados. O Estado aprisiona e tortura os sindicalistas e espanca os estudantes, mas os políticos burgueses são liberados com apenas uma palmada na mão.

As pessoas se debruçavam sobre as janelas e sacadas para ver a multidão de manifestantes em marcha, muitos deles eram partidários de Mousavi e conduziam manifestações extremamente barulhentas, mas pacíficas. Mais tarde, durante a noite, uma agitada e furiosa multidão tomou a Praça Moseni em Teerã, quebrando lojas, ateando fogo e derrubando símbolos. Dois grupos de pessoas enfrentaram-se na Praça, lançando pedras e garrafas e gritando furiosamente. Observadores acreditam que eram partidários de Ahmadinejad e de Mousavi em choque.

Os protestos, claramente espontâneos, não se limitaram a Teerã. Eclodiram também em outras cidades, incluindo Tabriz, Orumieh, Hamedan e Rasht. Claramente, ninguém organizou esses protestos, e muito menos os líderes reformistas. A nova tecnologia é ferramenta tática para mobilizar politicamente os jovens iranianos, apesar de as mensagens de texto terem sido bloqueadas nos últimos dias, assim como o Facebook. Contudo, os tradicionais métodos do boca a boca também funcionam e os manifestantes iranianos chegavam em massa aos pontos de concentração ao redor de Teerã no Sábado.

No Domingo a efervescência continuava. “Era um ‘jogo’ entre os manifestantes e a polícia,” disse Samson Desta, um repórter da CNN, que foi agredido por um policial. “Pelo tempo transcorrido, pode parecer que a polícia tem as coisas sob controle. Mas falamos com muitos e muitos estudantes e eles em geral dizem ‘Isto não acabou. Eles podem nos deter agora, mas voltaremos e faremos com que nossa voz seja ouvida’.”

Este foi o segundo dia de protestos em Teerã. No Sábado, milhares de manifestantes gritavam “Morte à ditadura” e “Queremos liberdade”. Foram queimadas motocicletas da polícia, pedras atiradas contra as janelas de lojas, latas de lixo lançadas ao fogo.

Na noite do Domingo uma calmaria tensa baixou sob as ruas de Teerã, mas Jon Leyne da BBC, na cidade, noticiou que aconteceram confrontos na sede da IRNA - a agência oficial de notícias do Irã - e também pelo menos um no subúrbio. Houve também notícias de repressão à mídia independente. A sede da rede de TV saudita, al-Arabiya foi fechada por “razões desconhecidas”, disse o canal. Os serviços de telefonia celular foram restabelecidos, mas havia notícias de que as mensagens de texto continuavam restritas e o bloqueio ao acesso de sites públicos da internet, inclusive o da BBC, continua. Estas atitudes não demonstram confiança, ao contrário, demonstram um extremo nervosismo por parte do regime.

Hipocrisia dos imperialistas
O mundo todo reagiu. Nos países como EUA e Canadá escutaram-se vozes sobre as irregularidades da votação. Mas os países ocidentais que são tão críticos à falta de direitos humanos no Irã foram circunspectos sobre a descarada fraude eleitoral no país.

De acordo com uma notícia da CNN, o comando militar americano no Oriente Médio enviou uma mensagem às forças americanas recomendando a manutenção da disciplina e a prudência em caso de encontrarem forças militares iranianas durante a agitação gerada pelas eleições presidenciais iranianas. As preocupações militares americanas são resumidas assim “alta sensibilidade iraniana e até mesmo medo de potenciais ameaças internas e externas” disse um oficial.

As críticas em Washington mal puderam ser ouvidas. Hilary Clinton manteve sua boca fechada, passando a tarefa ao “homem invisível”, o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, que expressou suas “dúvidas” sobre “as formas de repressão contra as multidões, a forma como foram tratadas as pessoas”. Embora usasse uma linguagem comedida, disse que os EUA deveriam aceitar “por enquanto” a escolha de Teerã, que Ahmadinejad conseguira a reeleição. “Há muitas questões terríveis sobre como as eleições ocorreram,” disse Biden. “Não temos fatos suficientes para fazer um julgamento firme.”

O ministro francês de relações exteriores, Bernard Kouchner, disse que seu governo está preocupado com esta situação e criticou “a um tanto quanto brutal reação” por parte das autoridades em resposta às manifestações. A União Européia disse em um pronunciamento que estava “preocupada sobre as irregularidades alegadas” durante a votação de Sexta-Feira.

Esta política reticente dos imperialistas não é acidental. Eles estão aterrorizados com a possibilidade de uma revolução no Irã que terá as conseqüências de um terremoto por todo o Oriente Médio e Ásia. Além disso, Washington espera voltar a estabelecer boas relações com o governo de Teerã, cuja assistência é fundamental para assegurar a retirada do Iraque e estruturar uma rota para garantir o abastecimento das tropas no Afeganistão. Também precisam do apoio do Irã para sua mais nova “iniciativa de paz” sobre a questão palestina. No mínimo, gostariam de garantias de que o Irã não irá sabotá-lo, embora Netanyahu já esteja fazendo um bom trabalho, ao insistir que qualquer Estado palestino deve ser desarmado e renunciar ao direito de retorno, a diáspora palestina.

São estes fatores que determinam a política conciliatória de Obama em relação ao Irã, que previmos em “A Invasão de Gaza: O que significa?”. Em uma semana na presidência, Obama ofereceu um ramo de Oliveira a Teerã, pedindo que o regime “estendesse a mão”. Dois meses depois, Obama emitiu um comunicado ao Irã, reconhecendo os aiatolás como os legítimos representantes do povo iraniano. No mês passado, Obama reconheceu à República Islâmica o direito de enriquecer urânio e, no Cairo, admitiu o envolvimento da CIA na queda de Mossadegh, há mais de meio século.

O povo do Irã possui uma vasta memória e conhece suficientemente bem o imperialismo para odiá-lo de todo o coração. Quando o Primeiro-Ministro Mossadegh foi derrubado no golpe de 1953, organizado pela CIA e pela inteligência britânica, as ditas democracias ocidentais foram cúmplices da substituição da democracia iraniana pela ditadura do Xá. Suas sangrentas e corruptas regras foram baseadas em um reinado de terror em massa onde a famigerada Savak, a polícia secreta, se empenhou em uma campanha sistemática de homicídio e tortura. As ditas democracias ocidentais apoiaram este despótico fantoche do imperialismo e não tinha nada a dizer sobre a escandalosa violação dos direitos humanos no Irã, naquele momento. É por isso que os iranianos não têm a mínima razão para confiar na boa vontade do imperialismo ou ouvir seus sermões hipócritas sobre “democracia”!

Divisões no regime
Após as eleições, em Teerã, foram ouvidos rumores de um golpe de estado. Mas na realidade, isso não era necessário. Ahmadinejad já havia concentrado demasiado poder em suas mãos, já havia criado uma ditadura de fato. Além das forças regulares do Estado, ele controla também a Guarda Revolucionária, que usou brutalmente para esmagar as manifestações na semana anterior às eleições. Ahmadinejad controla o Ministério do Interior, o Ministério da Informação e o Ministério da Inteligência.

Após as eleições as forças de segurança ocuparam os escritórios de muitos jornais, para ter certeza de que os seus relatórios sobre a eleição seriam favoráveis. Esta é uma excelente forma de garantir uma boa cobertura eleitoral! Os guardas estão controlando tudo, inclusive muitas instituições econômicas. O Ministério do Interior está aumentando seu controle em todas as províncias.

Também há rumores de que Ahmadinejad está pensando em mudar a Constituição para permitir que o presidente possa se candidatar mais de uma vez, para tornar sua permanência na presidência indefinida. Ele está reencenando o golpe de Luis Bonaparte, que combinava eleições fraudulentas e intrigas parlamentares com um reinado de terror nas ruas, executado pela Sociedade de Notórios 10 de Dezembro, formada por assassinos, criminosos e lumpens. Sua base social também é semelhante: a retaguarda camponesa, que pode ser usada contra as cidades, que estão mais avançadas.

No último período, Ahmadinejad foi mantido no poder, em parte, graças à repressão e à demagogia anti-americana, mas principalmente, graças à riqueza petrolífera usada em medidas populistas. Este fato garantiu-lhe certa base de apoio na população, sobretudo entre os camponeses. Mas agora a crise econômica e a queda do preço do petróleo reduzem sua margem de manobra nesta frente. Por outro lado, a demagogia "anti-imperialista" está se esgotando. As pessoas não podem comer ogivas nucleares!

A história de regimes ditatoriais e autocráticos mostra que é impossível manter tal regime com base somente na repressão. Uma vez que as massas começam a se mover, nenhum aparato estatal pode detê-las, não importa o quão poderoso ou feroz seja. Essa é a lição da França, em 1789, da Rússia tzarista de 1917 e do Xá do Irã, em 1979. Louis Bonaparte assumiu o poder com um golpe e ficou no poder por duas décadas, mas por fim seu Estado foi terminado pela Comuna de Paris. Ahmadinejad não permanecerá no poder por muito tempo devido a essas razões que temos explicitado, e quanto mais tempo ele se agarrar ao poder, mais explosiva será a situação e se tornarão nítidas as contradições internas do regime.

Apesar da demonstração de força, as fissuras internas que estão dividindo o regime estão se aprofundando. Há vozes no establishment que estão desafiando Ahmadinejad. E não está claro que ele e os Sepah (a Guarda Revolucionária) serão fortes o suficiente para superá-los. O Líder Supremo, o Aiatolá Ali Khamenei, está jogando o papel de Bonaparte, manobrando entre as facções. Haverá confrontos e divisões entre as diferentes facções que refletem uma profunda crise do próprio regime.

Na entrevista já mencionada, Ibrahim Yazdi refere-se ao racha no regime:



“Depois da última eleição [2005], depois de Ahmadinejad ter sido eleito pela primeira vez, havia muitas questões levantadas sobre o esforço de Ahmadinejad para isolar o Líder. Falamos abertamente sobre isso. Desta vez, nos preparativos da votação, eles o isolaram ainda mais. Por exemplo, no ano passado [o ex-presidente] Ali Akbar Hashemi Rafsanjani, teve influência, talvez mais influência que o líder. Agora, com os slogans sendo usados em comícios de Ahmadinejad, tais como "Morte a Hashemi!". Foi criada uma profunda brecha. Khamenei também perdeu o apoio de muitos altos membros do clero."

Covardia dos reformistas
Os liberais reformistas no Irã e no estrangeiro estão se afogando nas profundezas do desespero. Mousavi se comprometeu a lutar contra o veredicto, usando palavras como "tirania" e acrescentando, "não vou renunciar a esta perigosa ilusão". Antes mesmo de encerrada a votação, Mousavi emitiu uma carta exortando acentuadamente a contagem, exigindo a paralisação por causa de "flagrantes violações" o que ele indicou como um processo injusto.

O líder oposicionista disse que os resultados dos "monitores falsos" refletem "o enfraquecimento dos pilares que constituem o sagrado sistema" do Irã e “a lei do autoritarismo e da tirania.” Fiscais independentes foram proibidos nos locais de votação. "Os resultados anunciados para as eleições presidenciais foram espantosos. As pessoas que estiveram em longas filas e sabiam muito bem em quem tinham votado foram totalmente surpreendidas pelos mágicos que trabalham na televisão e no rádio." Disse Mousavi em sua declaração.

O jornal de Mousavi, Kalemeh Sabz (A Palavra Verde), não apareceu nas bancas de jornal hoje. Um editor falando anonimamente disse que as autoridades tinham sido ofendidas pelas declarações de Mousavi. O site informou que mais de 10 milhões de votos estavam sem os números de identificação, que tornou os votos "desconhecidos".

Como seus partidários tomaram as ruas da capital para enfrentar os cassetetes e o gás lacrimogêneo, Hossein Mousavi lançou formalmente um recurso contra o resultado das eleições. Ele fez um apelo para ao Conselho de Guardiões para inverter o resultado, e exortou os seus partidários para continuar os protestos "de maneira pacífica e legal". "Avisamos aos funcionários que vamos organizar uma manifestação nacional para permitir que as pessoas demonstrem sua rejeição ao processo eleitoral e seus resultados,” disse Mousavi.

O Conselho de Guardiões é constitucionalmente formado por um corpo de 6 clérigos e 6 juristas, que funciona como autoridade eleitoral do Irã e de outros poderes. Ali Khamenei é o Líder Supremo, e ele já afirmou que as eleições tinham sido conduzidas de forma justa e ordenou a três candidatos derrotados e os seus partidários para evitar comportamentos “provocadores”.

A manifestação planejada pela oposição para protestar contra a fraude eleitoral foi proibida. Portanto, o caminho para a reparação por meios legais e constitucionais está bloqueado. A única forma de conquistar direitos democráticos no Irã está tomando o caminho revolucionário. “O Irã”, disse Mousavi, “pertence ao povo e não ao charlatanismo!”. Chegou a falar de uma convocação de greve geral. Mas as palavras são baratas, os dirigentes reformistas burgueses iranianos têm mais medo de um movimento de massas do que o próprio Khamenei.

O Papel da classe trabalhadora
Tal como os cadetes na Rússia, os liberais reformistas no Irã estão aterrorizados com a revolução. Ibrahim Yazdi disse a um repórter americano: "Certamente, estamos preocupados com reações espontâneas. A juventude está empenhada e mobilizada. Em todo o país, já houve alguns confrontos violentos. Nós não concordamos com a violência, porque a violência só justificará a repressão da oposição." E mais: "Não somos subversivos. Queremos criar uma força política viável que possa exercer sua influência." Estas palavras indicam a verdadeira psicologia dos burgueses reformistas no Irã. Eles poderiam ter copiado estas palavras de qualquer jornal dos Liberais russos, em Fevereiro de 1917.

A verdadeira analogia histórica, porém, não é a Rússia de 1917, mas sim a de 1905, ou mesmo antes. Assim como a Revolução Russa anterior a 1905, a revolução iraniana está em sua infância. Tem um longo caminho a percorrer, e esta não é uma coisa ruim do ponto de vista dos marxistas iranianos que precisam de tempo para construir suas forças. Tal como os trabalhadores russos antes de 1905, a classe trabalhadora iraniana é principalmente formada por jovens inexperientes. A velha geração de trabalhadores ativistas, que foram formados principalmente na escola do stalinismo, desapareceu, foi dizimada pela repressão e desorientada pelas falsas políticas de seus líderes.

Vai exigir tempo e experiências, tanto de vitórias como de derrotas, antes que a classe trabalhadora iraniana chegue à conclusão da necessidade da tomada do poder. Lembremos que, em Janeiro de 1905, o jovem proletariado russo entrou na cena histórica em uma manifestação pacífica liderada por um padre, com ícones religiosos em suas mãos, que levavam uma petição ao Czar. Mas um massacre sangrento foi suficiente para levá-los ao caminho da revolução no espaço de 24 horas. Podemos esperar semelhantes mudanças bruscas e repentinas no Irã.

A campanha de Mousavi despertou as esperanças de muitas pessoas, especialmente entre os jovens de classe média e as mulheres (prometeu mais direitos para as mulheres). Agora, essas esperanças foram frustradas. A polícia e a "Guarda Revolucionária" têm dado aos jovens uma excelente lição do valor da democracia iraniana com cassetetes, punhos e botas. A situação continua explosiva. Mas, na ausência de um programa claro, perspectiva e liderança, vão às ruas em protestos e motins que não levam a nada. Por isso provavelmente a atual onda de agitação morrerá por um tempo. Mas ela vai voltar com ainda mais violência, numa fase posterior.

Os reformistas estão esperneando e chorando por causa da derrota eleitoral, mas na realidade estas eleições não resolverão nada para o povo iraniano, para a classe trabalhadora ou até mesmo para o próprio regime. Este regime é frágil como o Velho do Mar, que subiu nos ombros de Sinbad e recusou-se a descer. Estas eleições são apenas mais uma lição na dura escola da vida, o que acabará por convencer os trabalhadores e jovens que, para tirar o Velho do Mar de suas costas serão necessárias medidas muito radicais.

A verdadeira fraqueza do movimento pela democracia é que o poderoso proletariado iraniano ainda não se moveu de forma decisiva, como o fez em 1979. Após longos anos de repressão durante o qual o movimento foi efetivamente decapitado, a classe trabalhadora precisa de tempo para encontrar seu chão. Como um atleta que esteve inativo por um longo tempo, os trabalhadores necessitam esticar seus músculos e se exercitar antes de passar decisivamente à ação. Já houve muitas greves por questões econômicas. A pressão está aumentando de baixo pra cima. Esta pressão tem reflexos, até mesmo na Casa do Trabalho, a organização criada pelo regime para controlar os trabalhadores. No atual período, o jornal oficial da Câmara do Trabalho, publicou um artigo de Lênin. Como os tempos estão mudando!

O Irã é formado em sua maioria por jovens. A população tem uma idade média de 27 anos. Estas pessoas podem não se lembrar do tempo em que os Mulás não estavam no poder. Há muito tempo os Mulás foram considerados como incorruptíveis, em contraste com a degenerada monarquia pró-ocidental. Mas isso foi há muito tempo. Depois de décadas no poder, os Mulás foram expostos como um regime corrupto e estão perdendo a autoridade que costumavam ter. Ahmadinejad enviou ônibus para seus partidários das aldeias para participar das manifestações em seu apoio. Sua base real é a Guarda Revolucionária, mas esta já não inspira o tipo de terror que inspirava no passado. A coisa mais significativa sobre os motins neste fim de semana não foi o fato de serem reprimidos, mas que muitas pessoas estavam dispostas a ir para as ruas para desafiar o Estado e suas forças repressoras. Isto significa que os dias do regime estão contados.

No final, tudo isso resultará em crise. Este será um governo de crise, provavelmente seu mandato não durará muito. As divisões políticas e sociais no interior do Irã serão ampliadas. A militância dos trabalhadores irá crescer e se manifestar primeiramente em greves econômicas, por melhores salários e condições, como já vimos nos últimos anos e, mais tarde, como greves e manifestações políticas. A necessidade mais urgente agora é organizar os trabalhadores e proporcionar ao movimento um programa correto, uma política e uma bandeira. Isto só pode ser alcançado pela bandeira vermelha do socialismo.

É muito natural que os jovens joguem um papel fundamental nesta etapa da revolução. É muito similar à situação na Rússia de 1901-03 ou na Espanha de 1930-31, pouco antes da queda da monarquia. Neste momento Trotsky escreveu:



“Uma vez que a burguesia se nega, consciente e obstinadamente, a resolver os problemas impostos pela crise que sofre o regime; uma vez que o proletariado ainda não está disposto a encarregar-se de resolver estes problemas, não é raro que a cena seja ocupada pelos estudantes... A atividade revolucionária ou semi-revolucionária dos estudantes mostra que a sociedade burguesa atravessa uma crise muito profunda...

Os trabalhadores espanhóis manifestaram um instinto revolucionário muito correto, ao apoiar as manifestações dos estudantes. Está claro que precisam trabalhar sob sua própria bandeira e sob a direção de sua própria organização proletária. O dever do comunismo espanhol é assegurar esta ação e para tanto é indispensável que tenha uma política justa...

Se os comunistas tomarem este caminho, há que se admitir que combaterão resoluta, audaz e energicamente pelas consignas democráticas. Se não se entende a coisa assim, cometer-se-ia um gravíssimo erro sectário...

Se a crise revolucionária se transformar em revolução ultrapassará fatalmente os limites previstos pela burguesia e, em caso de vitória, será preciso que o poder seja transmitido ao proletariado”. (Trotsky, Problemas da Revolução Espanhola, Maio de 1930).

As forças dos marxistas iranianos são pequenas, mas crescem a cada dia. Combinando habilmente as reivindicações democráticas com as reivindicações transitórias, vinculando as lutas cotidianas com a idéia da revolução socialista, conectar-se-ão com uma camada cada vez mais ampla de trabalhadores e estudantes que buscam uma mudança fundamental da sociedade. O futuro do Irã está no caminho revolucionário e a revolução iraniana está destinada a sacudir o mundo.
Comentarios (1) - Categoría: Mundo - Publicado o 23-06-2009 20:28
# Ligazón permanente a este artigo
Dead woman walking
Sophia L.Freire
Ultimos días de Bar Kochba


Os tribunais de “justiza” da Autoridade Palestiniana -quer dizer, de Fatah- vêm de sentenciar a morte a essa mulher de 22 anos [ver foto] da que não se nos tem proporcionado em sítio algum o seu nome. Tanto tem. É já um corpo anônimo que se tambalea com o rosto coberto como os de Guantánamo ou Abu Ghraib –só que a esta lhe vam dar matarile. Essa mulher, que provavelmente fique no anonimato para sempre, diz que passou a Israel informação sobre atentados terroristas que os palestinianos tinham em projecto. Informação que a Autoridade Palestiniana deveria ter proporcionado e não proporcionou –contrariamente ao comprometido nos Acordos de Oslo e na Folha de Ruta. Lógico: a Autoridade Palestiniana é a mesma que planifica os atentados contra Israel. Isso sabemo-lo todos menos Hussein Obama e a dona de “Bragueta Rápida” Clinton -que fazem como que não se inteiram. Os jornais progressistas, como o pro-árabe Ha’aretz, fazem fincapê em que, bah, esse tipo de sentenças “quase nunca” se levam logo a cabo. Os terroristas palestinianos são gente de palavra e de fiar, já se sabe. Misséria moral em estado puro. Nem os guevaristas de Amnesty International, nem organização “feminista” alguma considerarão que tenham nada que dizer. Susan Sarandon e o cesto grande do seu marido (não sei quantos Robin) não fazerão um lacrimôgeno filme de denúncia, nem sequer uma curtametragem. Ari Folman também não; está muito ocupado em plasmar no celuloide o ódio face o seu próprio país. Contrariamente ao alboroto mediático que se montou há umas semanas contra Iran para que soltassem à jornalista de orige norteamericano Roxana Saberi, nenhum grupo de direitos humanos moverá um dedo por salvar a vida desta “reaccionária” que espiava para o Estado sionista de Israel. Mortos de segunda. Nossos sócios para a “Paz”.
Comentarios (0) - Categoría: Mundo - Publicado o 08-06-2009 19:01
# Ligazón permanente a este artigo
A derrota militar dos Támis do Sri Lanka. Por Vitor Martíns
A derrota militar dos Támis do Sri Lanka
.
Vitor Martins informa sobre este tema de raivosa actualidade.

http://outraesquerda.blogspot.com

No Sri Lanka, a antiga Ceilám batizada polos portugueses, a maioria cingalesa de religiom budista, hegemónica após a independencia de 1948, discriminou à minoria támil, uns 3 milhons de pessoas, de religiom hinduista, tanto aos nativos como aos Támis importados como colonos polos británicos do sul dravídico indiano no século XIX para trabalhar as plantações en regime de semiescravidom.

A imposiçom do nacionalismo populista cingalês budista na Constituiçom de 1972 provocou o nascimento de um nacionalismo radical támil, que alentou a formaçom desde 1975 de vários grupos armados, sendo o mais importante deles o dos Tigres do Támil. A polarizaçom étnica que seguiu deu lugar a umha guerra em 1983 que, trás 25 anos e causar 70.000 mortos, chegou ao seu fim o passado 17 de Maio.
.
[Figuras referenciadas ao final da postagem]
.
Sri Lanka, é umha ilha situada frente às costas indianas surorientais com umha populaçom de 19 milhões de habitantes, dos quais 74% som Cingaleses e 18% Támis (13% nativos e 5% trasladados polos británicos do sul da Índia). Os Támis, de fala dravídica e religiom hinduista, moram nas províncias do norte –a península de Jaffna- e do Leste, onde conformam, respectivamente, o 98% e o 45% da populaçom. Os Cingaleses, de língua sánscrita e religiom budista, moram nas sete províncias restantes, conhecido como o Sul. Existem também minorias de Mouros e Malaios (50.000), e grupos religiosos mussulmanos (7%) e cristaos (8%).

A parte costeira de Ceilám foi ocupada desde o século XVI por sucessivos colonizadores europeus, Portugueses, Holandeses e, desde 1796, Ingleses. No interior da ilha existiu um reino cingalês que manteve a sua independência até 1815. O Império británico implantou na ilha umha economia colonial de monocultivo baseada exploraçom dos recursos naturais (café, chá, coco e cauchu). Para isto necessitou importar mao-de-obra semiescrava do sul do subcontinente indiano (da zona onde hoje se acha o Estado de Támil Nadu e com 66 milhões de habitantes).

Sri Lanka obtivo a sua independência em 1948, trás a da Índia. A sua Constituiçom, a foi a dum Estado centralizado segundo o modelo británico. A língua cingalesa é tratada como a única oficial do país e estabeleceu-se um sistema de checks and balances polo que o Parlamento mantinha umha proporçom de 3 a 2 entre os eleitos Cingaleses e as minorias e umha cláusula constitucional salvaguardava os seus direitos étnicos.


Ler mais




O Partido Nacional Unido (UNP), representante dos Cingaleses anglófilos e conservadores ganhou as eleições. A pressom dos camponeses Cingaleses da montanha impom umha lei de 1949 que exclui da cidadania e do voto os Támis trazidos como colonos da Índia. Em 1952 os Támis do UNP constituem um partido federalista. A Frente Popular Unida esquerdista de Bandaranaike, ganhou as eleições de 1956, mas a força social que predominava na coaligaçom era a Frente Unida dos Monges, que fez do nacionalismo budista a nova ideologia dominante e conseguiu que o singalês fosse declarado única língua oficial do Estado. Bandaranaike tentou pactuar umha soluçom com os federalistas Támis mas foi assassinado em 1959 por um monge budista. Porém, quando a sua viúva acedeu ao poder em 1960 a sua política procurou a resurreiçom da «grande cultura cingalesa». Em 1965 UNP ganha as eleições graças a umha coaligaçom na que faziam parte os federalistas támis, mas as suas reivindicações forom desouvidas mais umha vez. Ao volver a viúva Bandaranaike ao poder e sob a pressom dumha Frente de Libertaçom Nacional cingalesa que se levantou em armas, promulgou-se em 1972 umha constituiçom republicana que impuxo brutalmente o domínio da maioria budista e cingalesa.


Os Támis, em consequência, começarom a reclamar a partir de 1972 um Estado independente. Emergeu no seu seio umha liderança solidamente implantada na península de Jaffna, de extracçom mais popular e antiociental que o antigo federalismo. O novo nacionalismo támil, inspirado nos modelos palestiniano e vietnamita, pôs em prática a luta armada para conseguir o controlo do território que habitava. Forom surgindo assim distintos grupos que atacavam forças de segurança e colaboracionistas. O grupo mais forte foi o dos Tigres da Libertaçom do Támil Eelam (LTTE), criado em 1975 e dirigido por Velupillai Prabhakaran, que acabou por se impor nos oitenta.


As eleições de 1977 polarizarom-se entre a UNP, que aglutinou o conjunto do nacionalismo cingalês e a Frente Unida de Libertaçom do Támil, que conseguiu os doze escanos da província do Norte e quatro dos doze da do Leste, convertendo-se no maior partido da oposiçom da ilha. As tentativas do governo de negociar com os Támis moderados para os afastar radicais nom derom fruto. Para sufocar a insurreiçom do Norte, reformou-se a Constituiçom de 1978 em sentido presidencialista, aprovou-se em 1979 um Acta de Prevençom do Terrorismo e enviou-se o Exército aos territórios sublevados, mentres que os Támis que viviam no Sul eram objecto de umha crescente violência social.

O conflito étnico converteu-se assim em guerra, trás um atentado no que os Tigres abaterom em Julho de 1983 a treze soldados. A populaçom cingalesa voltou-se no Sul contra todos os Támis que toparom, massacrando a milhares deles e forçando a fugida de outros 90.000 ao Estado indiano de Támil Nadu. Os campos de refugiados dos arredores de Madrás converterom-se em ninhos onde os grupos támis recrutavam os seus combatentes (que chegariam a 6000). Após umha tentativa de reuniom em 1984 dos cinco grupos mais importantes, os Tigres acabarom por se impor polo expeditivo método de dar morte aos quatro rivais da Organizaçom Popular e Libertaçom de Eelam Támil (PLOTE), Organizaçom de Libertaçom de Îlam Tamil (TELO), a Frente de Libertaçom Revolucionaria Popular de Îlam (EPLRF) e do EPDP. Nom lhes custou muito apoderar-se da zona da península de Jaffna.

Em Julho de 1987 o exército do Sri Lanka lança a primeira operaçom militar no seu próprio solo desde a independência do país com o objectivo de expulsar os simpatizantes dos Tigres do Támil de Jaffna, onde viviam 750.000 pessoas assediadas polo Exército e bombardeadas pola aviaçom, sem subministros e com umha taxa de desemprego do 40%.

A solidariedade que esta situaçom despertou no sul da Índia, que conhecia à sua vez um movimento nacionalista dravídico, acabou envolvendo o Governo indiano no conflito, fazendo de mediador para conseguir a abertura de negociações entre as duas partes, primeiro em Thimpo (Bhutám), e porfim em Colombo, a capital de Sri Lanka. Fruto indirecto destes encontros foi o Acordo Indo-Lanka de 1987, polo que o governo cingalês se comprometeu a criar uns Conselhos Provinciais que conferiam certos poderes a todas as províncias da ilha, e nom só às Támis, o que se supunha resolveria o conflito. A Índia comprometia-se a enviar a Sri Lanka umha força militar de paz duns 45.000 homens que supervisaria o cumprimento do Acordo e desarmaria os grupos támis.

O Acordo, que com todas as suas limitações dava forma institucional por vez primeira ao carácter multiétnico e plurinacional da ilha, foi aceitado ao princípio pola oposiçom cingalesa e polos Tigres do Támil, que respeitarom durante certo tempo um cessar-fogo embora nom se implicassem nas eleições derivadas dele. Estas celebrarom-se no sul cingalês em Abril de 1988, e no Norte e Leste támis em Novembro desse ano, com presença indiana. Aqui, a Frente Revolucionária do Povo de Eelam ganhou-as amplamente.

Ao cabo de ano e meio os Conselhos Provinciais criticarom as limitações legais derivadas dumha emenda constitucional que devolvia ao Governo central competências que foram outorgadas em matéria de ordenamento rural, polícia, segurança, educaçom e administraçom pública. Aliás, as tropas indianas de paz pronto se converterom em forças repressivas. O governo de Sri Lanka pediu em 1989 a retirada das forças indianas e iniciou novas negociações com os Tigres. Os Conselhos Provinciais do Norte e Leste proclamarom pola sua parte o Estado Támil independente, polo que forom dissolvidos.


Em Março de 1990, dous meses depois da retirada indiana, as negociações romperom, reanudando-se no Norte umha guerra a grande escala. Os Tigres, aos que se atribuiu o assassinato em atentado do ex-presidente indiano Rajiv Gandhi em 1991 derom morte ao presidente de Sri Lanka Premadas em 1993. Kumaratunga, viúva dum líder da Frente Popular abatido polos Tigres em 1988 e filha do assassinado Bandaranaike, ganhou as eleições em Novembro de 1994 contra outra viúva, cujo marido, líder do UNP Disanayake, acabava de ser assassinado em atentado um mês antes.


Contrariamente ao UNP, o programa da Frente Popular contemplava reiniciar as negociações de paz com os Támis, rotas em 1990, a fim de relançar e melhorar o projecto que convertera a Sri Lanka numha uniom de províncias autónomas dotadas dum alto grau de autonomia nos oitentas. Mas o cessar -fogo acordado polos tigres em Janeiro de 1995 foi roto quatro meses mais tarde ao exigir-lhes o desarmamento como condiçom para iniciar as conversas de paz. A ofensiva lançada polo exército do Sri Lanka em Outubro de 1995 culminou em Dezembro de 1996 com a tomada do quartel geral támil na península de Jaffna.

Em 30 de Janeiro de 1996 um sangrento atentado dos Tigres num banco de Colombo causava um centenar de mortos. Em Julho, os Támis, que ao ser expulsos de Jaffna se atrincheiraram na selva, atacarom umha base militar causando mil baixas ao exército do Sri Lanka. A ofensiva terrestre, aérea e naval lançada polo governo contra o quartel geral dos Tigres em Killinochi nom acabou com a sua resistência.

Em Maio de 1997, 20 mil soldados governamentais nom dá organizado umha linha de fornecimento cara Jaffna através da zona de Vanni controlada polos LTTE. Nestas operações a populaçom civil é habitualmente assassinada en cada lado.


Em Março de 1999 durante a Operaçom Rana Gosa o exército cingalês invade o distrito de Vanni polo Sul, conquista vários territórios, mas nom consegue derrotar os Tigres na regiom. Em resposta, estes lançam umha ofensiva com a Operaçom «Ondas Incessantes», retomando os territórios ainda ocupados polo exército.


Em Abril de 2000 os Tigres lançam umha nova ofensiva em direcçom ao norte e atacam a Passagem dos Elefantes onde se reagrupam 17.000 soldados cingaleses. Em 22 de Abril tomam o controle desta zona estratégica que corta a península de Jaffna do distrito de Vanni desde 17 anos.

Os Tigres instauram unilateralmente um cessar-fogo em Dezembro de 2000. Em Abril de 2001 o exército governamental lança a operaçom Agni Khiela tentando retomar, sem sucesso, o sul da península de Jaffna.

Após vários anos de guerra civil e de embargo económico na parte norte da ilha, o país entra entre 2002-2005 num período conhecido como «pós-conflito». Os Tigres, que controlam a costa oeste da ilha e una zona circunscrita no norte, moderam as suas exigências e procuram umha autonomia económica e política no seio do Estado cingalês, declarando que a luta militar nom é um bom método para atingir os seus objectivos. No fundo, após os atentados terroristas de 11 de Setembro nos Estados Unidos, acha-se o receio dum possível apoio internacional para o exército do Sri Lanka, ou mesmo sobre um possível ataque internacional.

Aliás, a poderosa guerrilha Támil é umha das poucas que conta com umha marinha de guerra (Tigres Marinhos), com capacidade de levar a cabo batalhas navais para controlar as vias e aprovisionamento da ilha. Igualmente, umha unidade chamada Tigres Negros é a encarregada de organizar atentados suicidas contra as forças regulares. Desde 1987, ano do seu primeiro ataque suicida, esta unidade realizou mais que qualuqer outra organizaçom no mundo. As táticas usadas polos tigres do Támil resultarom na sua classificaçom como organizaçom terrorista nos EE.UU., no Brasil, na Austrália, na UE e no Canadá.

Para retomar a iniciativa o governo cingalês aumenta o orçamento da defesa (5% do PNB) e os efectivos do seu exército (aumento do 500% entre 1985-2005). Nestas condições em 2005 o exército do Sri Lanka rompe a trégua desistindo ao cessar-fogo em repetidas ocasiões. Em 2008 a coaligaçom de governo central na Índia, integrada pola primeira vez polo partido pró-támil, viu-se abalada pos protestos baseados no nacionalismo támil, para que começasse a apoiar os támis de Sri Lanka e do qual se esperava mais apoio indiano para com os támis no Sri Lanka. Todos os partidos támil do Estado indiano do Támil Nadu exigirom o cessar-fogo imediato. Como contrapartida, os támis do Sri Lanka acusam o próprio povo támil indiano de apoiar os Cingaleses.


As sucessivas ofensivas governamentais desde 2007 fam recuar o território controlado polos independentistas támis. A partir de Novembro de 2008 o exército cingalês começou umha ofensiva indiscriminada sem precedentes que consegue, a partir de Janeiro-Fevereiro de 2009, ocupar todas as cidades controladas polos Tigres támis, incluída Kilinochchi, a «capital» rebelde. Os Tigres, que começam a recuar em larga escala, solicitam um cessar-o-fogo que é rejeitado polo governo.

Em 25 de Abril de 2009 os independentistas ficam confinados numha zona de 48km2 rodeados polo exército cingalês, mas a presença de mais de 50.000 civis complicam a situaçom humanitária. E, 16 de Maio os Tigres perdem o seu acceso ao mar, vital para o seu fornecimento. O dia 17 os independentistas támis anunciam o fim dos combates e a deposiçom de armas. Mais de 250 dirigentes e quadros dos Tigres som abatidos nos últimos combates nas praias de Mullaitivu. Em 18 de Maio as autoridades cingalesas anunciam a morte de Velupillai Prabhakaran, dirigente histórico dos Tigres. O governo de Sri Lanka declara a derrota militar final dos Tigres do Támil.

Segundo as Nações Unidas, o último ataque governamental causou o desalojamento de 265.000 pessoas em campos de refugiados, a morte de mais de 6.500 civis e 14.000 feridos.


BIBLIOGRAFIA

«Juego de espejos: conflictos nacionales centro-periferia». F. Letamendia. Edit. Trotta (1997)

MAPAS
FIGURA 1
Percentagem de Támis por distrito segundo os recenseamentos de 2001.

FIGURA 2
Situaçom em Dezembro de 2005. Em vermelho, zonas controladas polos Tigres. Em laranja, zonas controladas polo governo com áreas controladas polos Tigres. Em amarelos, zonas controladas polo governo e reivindicadas polos Tigres para um Estado támil independente.


FIGURA 3
Situaçom territorial em Julho de 2007.

FIGURA 4
Zona reivindicada (em verde) polos Tigres támis e território controlado de facto (limites aproximados em amarelo) no momento do lançamento da ofensiva governamental de 2008-2009.
Publicado no blog OUTRA ESQUERDA
Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 02-06-2009 20:50
# Ligazón permanente a este artigo
Las voces bajas de la historia
Las voces bajas de la historia
El crítico Xesús González edita las cartas de su padre, superviviente de Mauthausen
DANIEL SALGADO - Santiago - 31/05/2009
Albino González González remite su primera carta tras sobrevivir a cinco años en el campo de exterminio de Mauthausen. "Después de cuatro años te escribo estas líneas, para que sepas solamente que aún vivo, y que vivo pensando en ti", escribe, "en la lucha tan larga y dura que se me ha impuesto para vivir, no he olvidado, por ello, el recuerdo de un ser que me ha sido siempre querido". Era el 6 de agosto de 1945 y la destinataria, María Gómez Torres, "mi inolvidable Marujita", no sabía de Albino desde 1939, cuando fue internado en Argelés, al sur de Francia. El hijo de ambos, Xesús González Gómez, acaba de recoger en el volumen Cartas a la novia (Edicions Documenta Balear, 2008) 26 muestras de aquella correspondencia.

"Estas cartas", argumenta González Gómez, crítico literario, traductor y escritor, "revelan una resistencia moral y física al fascismo que no aparece en los libros de historia". González Gómez habla, con la misma expresión que utilizó en su día para la novela Os libros arden mal, de "las voces bajas" del siglo. No son misivas de lucha, no declaran resentimiento ni necesidad de reorganizar las fuerzas, sino que reflejan al individuo zarandeado y superviviente, el hombre que sale del infierno nazi con 30 años y 36 kilos de peso.

Albino González había nacido en Moles, comarca de Valdeorras, en 1915. El alzamiento fascista de julio del 36 lo cogió en San Sebastián y lo llevó al ejército republicano. Capitán, comandante, teniente coronel y, ya con el Ejército Popular constituido, comisario político, González lo fue casi todo en defensa de la II República. Y también en aquel tiempo de guerra conoció a María Gómez Torres, la que diez años más tarde se convertiría en su esposa y madre de Xesús González Gómez.

"Desde Argelés [el campo de concentración donde el Gobierno francés recluyó a parte de los republicanos españoles exiliados en 1939] escribió algunas cartas, enviadas a través de la Cruz Roja; mi madre las quemó", recuerda. Del inhóspito lugar que las democracias europeas reservaron a los perdedores de la Guerra Civil, González González pasó a la resistencia francesa. Pero en julio del 40, París caía bajo la bota nazi, y en agosto las divisiones alemanas atrapaban al combatiente de Valdeorras. Junto a más de 7.000 españoles -los historiadores cifran en un 2% el porcentaje de gallegos-, Albino pasará cinco años en Mauthausen. Los tenues indicios de organización de los presos contarán con su experiencia. "Llegó a ser algo así como responsable de barracón", apunta el hijo.

"Las últimas noticias que recibió mi madre datan de los primeros meses en Mauthausen". La comunicación se corta y hasta la liberación de Francia, la pareja pierde todo contacto. "Pienso que te extrañará mucho recibir esta misiva mía tan tardía, pero la primera por la posibilidad", comienza la primera carta de Albino remitida desde Francia. La respuesta de Marujita revela que ella "ha respetado" la ausencia. A los dos años, ya se habían casado: Vivían en A Rúa.

Albino González ya no volvió a la política activa. Y aunque esta correspondencia deja entrever la dureza de la época, él no entra en contacto con la clandestinidad. "Sin embargo, el primer 14 de abril [aniversario de la proclamación de la República] que pasa en Galicia, la Guardia Civil lo mete en el cuartelillo", explica Xesús González. La sombra del pasado no se apartaba de un Albino que reconstruyó su vida como empresario del chocolate, asociado con quien se convertiría en presidente de la Preautonomía, José Quiroga. En 1966, emigró con su familia a Barcelona.

"Nunca me habló directamente de Mauthausen", apunta el hijo, que conoció la historia por su madre. "Cuando todavía vivíamos en A Rúa", rememora, "estaban levantando un embalse con técnicos franceses; mi padre hablaba con ellos en francés y yo iba entendiendo". El comisario político y preso de Mauthausen, que pasó los últimos días de su vida reclamando indemnización de los Estados alemán y español (sólo atendió Alemania), murió en Castellón en 1981.

Comentarios (0) - Categoría: Galiza - Publicado o 31-05-2009 13:37
# Ligazón permanente a este artigo
© by Abertal