Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

C@urel, ilhado



COMUNICADO DE SOS COUREL:

"O Courel está pechado pola neve, e sen luz e sen teléfono dende fai máis de 24 horas

Mentres moitos políticos galegos e os seus amigos de Valdiorras están esquiando a máis de 2500 ou nun balneario o quente, o Courel está pechado por a neve, ao non poder transitar polos portos de paso obrigatorio, algúns deles de menos de 900 metros. Calquera pode entender a zozobra da xente con problemas de saúde ou que ten nenos, neste concello tan rico e tan pobre.

O feito de que non haxa luz, inutiliza a telefonía móbil por deixar de funcionar os repetidores ou ao non poder cargar as baterías, sobre todo aquelas persoas que non dispoñen de cargador de coche, ou non teñen coche.

Esta asociación ben denunciando dende fai anos a vergoñenta asistencia sanitaria de emerxencias no Courel, así como a problemática das estradas, que son diseñadas non para o servizo dos veciños, senón para os intereses dos Concellos veciños, con máis votantes, ou intereses de industrias terceiromundistas en decadencia e ruína.

Non é tan importante mencionar agora, que o Courel quedou baleiro de visitantes, que tiñan reservado dende fai meses, e hoxe puideran estar desfrutando do Courel.

Pero xa sabemos o final desta historia macabra, como xa ten pasado noutras nevadas, despois de horas ou días de suspense dramático, aparecerán os heroes oportunistas, e quitando a neve das estradas as super excavadoras das famosas industrias desta Serra, ás que os sucesivos gobernos axudan despoboando as aldeas para que non teñan estorbos.
"

Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-11-2008 18:21
# Ligazóm permanente a este artigo
Jimmy Liao


Jimmy Liao é um escritor e desenhador taiwanés.

Jimmy Liao gosta de pintar sobre a liberdade.

Jimmy Liao escrebeu e pintou livros que despois passarom a ser filmes, obras de teatro e sonhos.

Esse minuto e meio de desenhos animados de aí arriba, inspirados num dos seus livros, foi umha curta premiada em Berlim no 2006.

No futuro currículo do Ensino Obrigatório até os 65, -EO65- as bandas desenhadas de Jimmy Liao som obrigatórias.

Aqui, mais Liao
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-11-2008 11:29
# Ligazóm permanente a este artigo
A toupa


Pensou que acabara por fim
com todas as toupas da horta
com o veleno,
o sacho,
o gato,
as trampas
e entrou na casa
sorrindo.
E entom viu como umha toupa
sacava a cabeça
pola pantalha do móbil.


....

"Contra a toupa, nin veleno nin sacho; o mellor: o ourizo cacho"

O Fon
Comentários (5) - Categoria: Geral - Publicado o 27-11-2008 21:16
# Ligazóm permanente a este artigo
Muínho eólico desaparece


É um falar.


Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 27-11-2008 19:15
# Ligazóm permanente a este artigo
No caminho da língua


Interessante:

Xornada de servizos e produtos para a dinamización lingüística

"Obxectivos

* Favorecer o achegamento de traballadores/as de normalización lingüística das diversas entidades coas empresas que desenvolven produtos e servizos útiles para o traballo en servizos de normalización lingüística (SNL), equipos de normalización e dinamización lingüística (ENDL), etc.
* Facilitarlles aos/ás traballadores/as de dinamización lingüística o coñecemento de servizos, accións, propostas, actividades, produtos, etc., desenvolvidos por empresas e que poden ser contratados por SNL e ENDL

Destinatarios/as

* Por un lado, empresas que desenvolven e/ou ofrecen produtos e servizos directamente relacionados coa dinamización lingüística
* Por outro lado, coordinadores/as ou responsábeis de departamentos ou equipos de normalización e dinamización lingüística (SNL, ENDL, etc.)"


Sexta-feira, venres, 5 de dezembro de 2008, de 17.00 h a 20.00 h
Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 26-11-2008 23:41
# Ligazóm permanente a este artigo
Parques eólicos a discreçom!


Por se aínda aínda aínda aínda tes dúbidas sobre a responsabilidade do BNG nesta desfeita histórica e nom queres olhar para outro lado... le este artigo de Xabier Vázquez Pumariño

Explica-o todinho.



Um adianto:

Baste dicir que calquera montaña, outeiro, monte, serra, resalte do terreo ou liña de costa vai ter as súas correspondentes centrais eólicas con algunha minúscula e anecdótica excepción polo que todo o país quedará convertido nun gran polígono industrial adicado á producción eléctrica por obra e gracia da Consellería de Industria.

(...)

Con todo, quizais, o máis incompresible de todo esto é ver importantes sectores do ecoloxismo galego ben calando ben sendo calculadamente ambiguos ante unha desfeita que coñecen perfectamente; seguidismo de Madrid?, só teñen importancia os ríos?; por qué? Eles saberán, pero baste apuntar que se ben hai unha boa e necesaria oposición ao plano acuícola, os obxectivos eólicos terá unha impacto 1000 veces maior. E a militancia nacionalista qué opina de esto? Cidadáns plenos e conscientes ou volubles seareiros?. O presidente Delano Roosevelt cando recibiu ao dictador Somoza dixo: ?si, é un fillo de puta, pero é o noso fillo de puta?; son as grandes empresas galegas (de sempre) o noso dictador Somoza?

O mapa do PLANO EÓLICO na web do INEGA mete medo
Comentários (3) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 24-11-2008 21:43
# Ligazóm permanente a este artigo
Para Ver / Ler em Compostela


Esta sexta-feira -venres- 28, Igor Lugris vai compartir com nós Poesia para Ler / Ver acompanhada por um recitalinho com vários poetas e um concertinho de José Constenla.

Boa cousa!

Será ás 20.00 no Centro Social da Gentalha do Pichel, em Compostela.

A exposiçom estará nesse mesmo local desde o 27 de Novembro ao 27 de Dezembro.

Mais em ovnis e isoglosas
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 24-11-2008 12:08
# Ligazóm permanente a este artigo
4 Banheiras e Pippi Langstrumpf


18 de novembro, em bicicleta polo Eixo e Arins, Compostela.
4 Banheiras e Pippi Langstrumpf entre as 17.00 e as 18.30.
Experimento nº 1.
Onde estám as vacas?
Comentários (12) - Categoria: Geral - Publicado o 20-11-2008 21:19
# Ligazóm permanente a este artigo
Gzvideos
Vídeo GNSV
Comentários (10) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 18-11-2008 17:05
# Ligazóm permanente a este artigo
Ecocídio


"Para atraer a empresas como a sua (...) derrubamos montanhas, arrasamos selvas, secamos zonas pantanosas, movemos rios, desprazamos cidades (...) todo para facilitar-lhes, a vostede e á sua empresa, fazer negócios aqui."

Anúncio do governo de Filipinas na revista Fortune.


Do livro Ecocídio, Franz J. Broswimmer, Editorial Laetoli, 2005.

Um livro que nom deveriamos deixar de ler as gentes que se oponhem á venda e destruçom de Galiza e do resto do planeta.

Galiza nom se Vende, governe quem governe.

Graçanhas, Paula, pola recomendaçom ;)
Comentários (3) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 15-11-2008 11:51
# Ligazóm permanente a este artigo
GNSV ocupa e denúncia


A Rede Social Galiza nom se Vende berrou hoje NUNCA MAIS em diversas ocupaçons de edifícios públicos em Compostela, Vigo, A Corunha, Mugardos, Ferrol e Ribadávia.

PSdG e BNG responsáveis.
Governe quem governe, Galiza nom se vende!

Terra viva e vida digna para tod@s!

O manifesto,
aqui

Mais info: Dous detidos no desaloxo da protesta de Vigo. Na foto, a pancarta rota.

O vídeo, de Bocixa e Raquel Rey
Comentários (2) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 13-11-2008 21:29
# Ligazóm permanente a este artigo
A autoestrada


Já que tanto insistes
em que o corte
vou explicar-che
e será a primeira e a última vez que o faga
por qué levo o pelo longo

levo o pelo longo
porque o exército estadounidense
oferecia umha recompensa
de dous dólares
por cada cabeleira de índio
que se lhe entregasse
e os que a cobrarom
assi como os soldados
e mandos superiores
do exército estadounidense
levavam o pelo curto
ou mui curto

levo o pelo longo
porque o exército franquista
na corrada da casa na que nacim
rapou-lhe a cabeça
a umha das mulheres da minha família
cujo home
acabava de ser fusilado
por se negar a matar
nenos de peito republicanos
e os soldados que lhe raparom a cabeça
assi como o resto das tropas
e mandos superiores
do exército franquista
incluído o puto francisco franco
levavam o pelo curto
ou mui curto

levo o pelo longo porque no campo de concentraçom de mauthausen
aos deportados espanhois
como ramiro santisteban
o supervivente octogenário que mo contou
aos deportados espanhois umha vez á semana
os sábados
faziam-lhes o que entre eles se conhecia
como A autoestrada
isto é
rapavam-lhes o pelo ao cero
desde a frente cara atrás

A autoestrada

e mais adiante
quando hitler estava perdendo a guerra
com esse pelo
forravam-se as botas dos soldados alemáns
com esse pelo
e todos esses soldados alemáns
como tamém os que os sábados colaboravam
no mantemento da autoestrada
junto com os seus respectivos mandos superiores
e o filho de puta do fuhrer á cabeça
junto com o resto do povo alemao
levavam o pelo curto
ou mui curto

levo o pelo longo
porque na terceira galeria
do cárcere provincial de ovieu
a galeria dos menores
os que mandavam nela os kies
umha vez dixerom-me:

ou cortas tu o pelo
ou contamos-cho nós


e prenderom os seus chisqueiros

e tanto eles
como os funcionários de prisons
cujo trabalho consistia precisamente
em evitar que se producissem feitos como este
levavam o pelo curto
ou mui curto

levo o pelo longo por outra raçom tamém:
muitas das mulheres que conheço
aseguram-me que com el assi de longo
estou muito mais guapo
e aparento muitos menos anos
dos que tenho em realidade

assi que em vez de estar tocando-me o caralho
a todas horas
com que a ver quando vou a que me cortem o pelo
melhor calavas a puta boca, vale
e deixavas medrar o teu.



David González em Poesía para bacterías
Cuerdos de Atar, Huesca, 2008
Comentários (5) - Categoria: Geral - Publicado o 13-11-2008 21:28
# Ligazóm permanente a este artigo
Música para Artefacto burbur



"Si seguimos utilizando el lenguaje en su clave corriente, con sus finalidades corrientes,
nos moriremos sin haber sabido el verdadero nombre del dia"


Julio Cortázar




António Udina está morto
e tamén está morto Elvis
din os Living Colour
Elvis era branco
din
e por iso gravaba muitos discos
Se fora negro non poderia
non poderia nen rañar a guitarra
António Udina non era negro
pero dende logo non falaba unha língua de brancos
Tal vez esté entre nós o noso António Udina particular

El cando era pequeno non imaxinaba que ia ser António Udina
e centos de miles de estudantes saberian del
e saberian de memória a data da sua morte
El non o sabia
E Elvis tamén non
Pero Elvis era branco
E António Udina non falaba unha língua de brancos
Ademais falaba vegliota
Elvis facia rock porque vendia

António Udina falaba vegliota pero el non o sabia
porque xa en 1898 non quedaba ninguén que falara raguseo
Chamaba-se António Udina pero tamén lle chamaban Burbur
A Elvis chamaban-lle El-Rei
The King en inglés que parece mais importante
pero Elvis era branco
e por iso podia ser El-Rei
António Udina só podia ser Burbur

Entre nós nunca haberá un Elvis
a non ser que se faga branco e fale coa língua dos brancos
Pero todos somos António Udina
e nos chaman Burbur

Elvis era branco e por iso gravou muitos discos
António Udina non era negro
pero a sua língua non era de brancos
ainda que todos falamos dálmata algunha vez na nosa vida


Igor Lugrís

...


Excelente notícia, Fanny+Alexander musicará o poema do livro Quem nos defende a nós dos idiotas!
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 13-11-2008 09:00
# Ligazóm permanente a este artigo
Em defensa própria


Porque tinha paxaros
na cabeça
e bolboretas no estómago,
e lobos na gorja
e cavalos nos braços
e formigas nos pés
e ras nas costelas
e vacas nas pernas
e grilos nos ombros
e corzos nos olhos
e umha troita no coraçom...
nom podia permitir que intalassem
umha canteira no seu peito
nem muínhos eólicos
nos seus pulmons.
Por isso incendiou,
em defensa própria,
a máquina escavadora
que se achegava
ao seu coraçom.
Comentários (3) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 12-11-2008 15:16
# Ligazóm permanente a este artigo
Amor numeral





F1 a ti
e 2ombra.
Desas3
nun4uxem.
Na5m sorte.
6to é amor?
7 quero m8?
9ijo
10ido:
s11ive
12mente no in100dio
das tuas ma1000as.


2006
Comentários (4) - Categoria: Geral - Publicado o 11-11-2008 15:59
# Ligazóm permanente a este artigo
Documental


Estou gravando um documental
sobre as banheiras brancas nos prados.

Tenho images de vacas e cavalos
e dum lobo a beber
em banheiras brancas um pouco oxidadas.

Tamém gravei
umha garça gris pescando umha píntega laranja
dentro dumha banheira
um dia de chúvia.

Vou em bicicleta
por estradas secundárias,
subo aos outeiros
e com os prismáticos busco banheiras
nos campos.

Algumhas agocham-se entre as silveiras.

Levo a cámara de vídeo na mochila,
achego-me ás banheiras brancas e gravo
umha mangueira azul,
a soidade, os remuínhos de vento,
o passo do tempo,
ossos de paxaros no fondo do céu.

Vim mais de cem lóstregos sairem
dumha banheira de ferro fundido
numha treboada,
e despois de chover,
nacer lentamente um arco da velha.

Hai gente que di que o gume do arco íris
pode fender-te pola metade.
E que dar com umha banheira branca num prado
trae boa sorte.

Buscade-as desde as janelas dos coches.
Achegai-vos aos prados.
Entrai no campo.


...


A foto, de Angel Bocalandro.

Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 10-11-2008 21:55
# Ligazóm permanente a este artigo
Alicia Fernández


Agora xa dis dói-dói

a min, logo de caer no recreo,
botábanme líquidos escuros,
(sempre mestres de bigote).
é por iso que aprendín a berrar pupa.

xa ves:
choramos no mesmo idioma.
Comentários (4) - Categoria: Geral - Publicado o 08-11-2008 09:58
# Ligazóm permanente a este artigo
Peixes


Segundo o biólogo Radakov
nos cardumes os peixes,
que podem chegar aos 3 milhons
de indivíduos,
nadam girando e
cambiando de sentido case ao unísono.

Os sistemas de dominaçom
nom existem, nem liderados permanentes
e assi
quando o cardume gira á esquerda porque aparece umha quenlha
ou á direita na procura de planctom,
os indivíduos que antes estavam
aos lados do cardume
ficam á cabeça.
E assi continuamente.

Todos os peixes vam construíndo o caminho
juntos,
ponhendo-se ou saíndo da cabeça do grupo
por azar.

Recordo umha pintada com spray
em Vigo:
Só os peixes mortos seguem a corrente.

Segundo Radakov,
quando os peixes se reunem em cardume
o grupo retém mais a calor,
aumenta a capacidade de alimentaçom,
protegem-se melhor dos depredadores
e facilita-se a reproduçom.
E si, está cientificamente comprobado
que os peixes tendem a nadar
contra a corrente.

Aínda que pareça mentira
sobre o comportamento sonoro das ras
tamém temos muito que aprender
para cambiar o mundo.

Comentários (3) - Categoria: Desenhos - Publicado o 05-11-2008 20:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Galiza, tu também és de pedra


Galiza, tu também és de pedra
No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra (1)

...

O teito é de pedra.
De pedra são os muros i as tebras.
De pedra o chão i as grades,
As portas, as cadeias, o ar, as fenestras,
as olhadas, são de pedra (2)




Chove sobre os olhos pedra,
sobre os muros e as paredes cai a pedra.
Os peitos são de pedra, de pedra os sorrisos, de pedra os teclados, de pedra.
Preta é a pedra de sombras baixo as pedras,
o chão também está feito de pedra,
de pedra as mãos e os livros, de pedra.
De pedra é o tempo, de pedra é a luz.
As sereas também são de pedra.
No tempo das democracias sonhadas
nos cárceres do pensamento os relógios são de pedra,
de pedra os frios corações despedaçados sobre os conceitos,
de pedra o crime e as ideias também de pedra.
De pedra as mortes, e as torturas, de pedra.
De pedra os noticiarios, os jornais, as revistas, de pedra.
O shopping, as aulas, as cadeiras e as esquinas são de pedra.
Os povos perdidos na origem dos tempos,
Galiza, tu também és de pedra,
de pedra os teus sonhos sobre as acacias também de pedra.
De pedra as mulheres e os homens.
Algumas crianças são também feitas com pedra.
Com o sorriso desdebuxado de uma civilização amnésica,
sepultada baixo a pedra.
De pedra as cabeças das gentes desta terra de pedra.
E eu morrendo, nesta extensa noite de pedra.


(1)Carlos Drumond de Andrade.
(2) Celso Emilio Ferreiro. Longa Noite de Pedra.

....


Iolanda Gomis Parada, prémio de poesia no XXVI Concurso Internacional Literário de Ediçoes AG, de Brasil.

Aqui, entrevista

Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-11-2008 16:24
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal