Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

O taxista de Calcutá


Isto sucedeu-lhe a Paula Rios, umha colega, numha viagem a Calcuta. Pois si.

Resulta que Paula entrou num táxi amarelo e aproveitou para telefonar á casa.

- Sim, sim, a cidade é impressionante.

- ...

- Isto é umha formigueiro, as ruas estám ateigadas de gente, si...

- ...

- As cores, as cores som maravilhosas, estou a descobrer cores que nom conhecia!

- ...

- Venha, um abraço!

E justo no momento em que Paula desligou o telefone o taxista freou o táxi em seco, nhiiiiiiii, e olhou para atrás, com os olhos mui abertos e dixo-lhe a Paula:

- Havia anos que nom escoitava falar na minha língua! Desculpe, estou emocionado...

Si, o home, o taxista de Calcutá, contou-me Paula, estava emocionado, brilhavam-lhe os olhos como se acabasse de encontrar alguém que nom via em muitos anos.

E o taxista de Calcutá contou-lhe a sua história: nascera em Goa, a antiga colónia portuguesa na Índia. E aprendera a falar em portugués. Mas de novo deixou Goa e chegou a Calcutá, trabalhar.

- Havia anos que nom escoitava falar a minha língua!, repetiu. E perguntou: A senhora de onde é?

Pois, dixo Paula, sorrindo. E começou a explicar-lho:

- Conhece a Galiza?
Comentários (20) - Categoria: Geral - Publicado o 01-03-2012 17:26
# Ligazóm permanente a este artigo
As mazás casamenteiras


Umha história de amor desde o coraçom da fruta!

Um vídeo realizado pola
gente do IES O Mosteirom, de Sada, a partir dum relato de Made in Galiza.

Parabéns para Édelingua, a produtora de audiovisuais do Mosteirón.

Um abraço!!!
Comentários (11) - Categoria: Geral - Publicado o 29-02-2012 18:59
# Ligazóm permanente a este artigo
A girafa come-fotos


- Qual é o teu animal preferido?
- A girafa come fotos.
- E onde está?
- Nom sei.
- E que fotos come?
- Aquela foto.
- E onde está?
- Aqui, com as pitas e os gatos.
- E onde vive?
- Aqui. No monte.
- Por que come fotos?
- Porque é um animal que come fotos, nada mais.
- ...
- Nom come nenas.
-...
- Tamém há um lobo que come cojins.
- Por que come cojins?
- Tamém come mantas.
- Onde vive?
- Em África.
- A girafa come fotos como entrou na casa?
- Pola porta.
- Fala?
- Si.
- E que di?
- Di: Como te chamas?
- E que fotos lhe gusta mais?
- Aquela na que estás ti.
- ...
- Tamém come lápis.
- ...
- Tamém come livros.
- Que livros lhe gustam mais?
- Os que tenhem fotos.
- ...
- Sssshhh, nom fales. Fala baixinho.
- Por que?
- Porque está aquela vaca durmindo.
- Quando podemos falar normalmente?
- Quando esperte a vaca.
- ...
- A girafa caga fotos.
- E nada mais?
- Nada mais. Come fotos e caga fotos.
Comentários (45) - Categoria: Geral - Publicado o 10-02-2012 13:46
# Ligazóm permanente a este artigo
O caçador de bruxas



Dous fragmentos do meu novo livrinho:




Mulheres com livros na cabeça

As mulheres apanharom os cestos e saírom à noite em silêncio. Havia doce mulheres. Poderia dizer-che os seus nomes. Todos os nomes levavam a letra A.

Havia livros, revistas, jornais, e muitos papeis. Eu escoitei que havia que esconde-los porque em todos aparecia escrita a palavra liberdade.

Nom podiam sacar um carro e carrega-lo porque nom era seguro. O fungar do carro! Tu escoitaches algumha vez um carro fungar?

Pois a biblioteca havia que saca-la de ali em segredo. Havia que faze-la desaparecer.

E as mulheres eram silenciosas.

Pugerom panos nas cabeças, os cestos sobre os panos e nos cestos, livros. Um encima de outro. Acordo-me bem. As colunas de livros sobre as cabeças das mulheres.

Eu era um meninho e lembro-as com as colunas de livros, em fila, atravessando a noite. Era como um sonho. Doce mulhees caminhando em silêncio com cestos de livros na cabeça. Nom sei como podiam manter o equilíbrio, os livros sobre as mulheres. E as mulheres debaixo dos livros.

Trasladarom os livros durante toda a noite. Figerom muitas viagens, as doce mulheres com colunas de livros na cabeça. Os livros erguiam-se cara ao céu.

Ninguém mais que elas soubo nunca onde enterraram a biblioteca. A biblioteca que levaram na cabeça.

Eu, que era mui meninha, aquele ano quigem aprender a levar cestos na cabeça e a ler.



...



No 45 conhecim um polaco que tinha um papagaio na casa. Era um polaco que levava poucos anos aqui. Um dia acabamos a noite na sua casa, tinha um whisky... mmm, e ali conhecim o seu papagaio.

- Nom há muitos polacos na Costa Oeste, -dixo-me-, e com o paxaro podo falar em polaco.

Pareceu-me umha ideia fantástica! Assi que figem o mesmo. Olha: Esta da foto é Rosalia. Ai! Rosalia... Por certo, sabes quanto pode chegar a viver um papagaio?

- Nom sei... vinte, trinta anos?

- Rosalia passou comigo cincuenta anos. Cincuenta anos juntos, eh, companheira! Morreu em 1995. Essa foto é de... deve ser de 1980, mais ou menos. Durante esses cincuenta anos puidem falar galego todos os dias... Certo é que Rosalia, aínda que era mui paroleira, nom tinha muita conversa... Repetia-se muito! Mas, polo menos, eu tinha com quem falar quando acordava pola manhá ou quando me deitava á noite...

Milo ficou olhando o céu com um sorriso alegre e encantador, quase infantil. Dixem-lhe:

- Pois, Milo, esta história lembra-me a do papagaio de Humboldt... Conhece-la?

- Humboldt, o naturalista?

- Ahá... É que eu, á parte de poeta, som-che professor de língua e um dia preparando umhas aulas achei num livro esta história que... - E contei-lhe.

Resulta que numha das suas expediçons o cientista Alexander von Humboldt adentrou-se nas ribeiras do Orinoco, no que hoje seria Venezuela. Num daqueles povoados Humboldt ficou encantado com os papagaios domésticos dos índios, de penas rechamantes, púrpuras, azuis, amarelas... Num momento, a Humboldt mostrarom-lhe um papagaio falador. Era um paxaro velho. Que di?, perguntou Humboldt. Mas naquel povoado ninguém comprendia as palavras do paxaro. Quando Humboldt perguntou por que?, por que ninguem o comprende? dixerom-lhe que o papagaio falava outra língua, a língua dos atures, um povo que fora exterminado numha das últimas guerras. O papagaio era o último falante daquela língua. E Humboldt foi dos últimos em escoita-la, a saír do peteiro dum paxaro.


....

O lapis do taberneiro, 2011

Apresentaçom: 27 de dezembro de 2011. Café Bar 13, Rua de Santa Clara, Compostela.
Comentários (91) - Categoria: Geral - Publicado o 25-12-2011 12:28
# Ligazóm permanente a este artigo
Na oficina de obxectos perdidos


Umha curta realizada por Édelingua, Producións Audiovisuais do ENDL do IES O Mosteirón, de Sada.

Protagonizado por: Miriam Gudiña Esmorís, Damian España Vieito.

Baseado num relato de Made in Galiza

Parabéns!

Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 03-12-2011 10:42
# Ligazóm permanente a este artigo
Um bom curso de sociolingüística numha guia de leitura sobre Made in Galiza


Na web da Coordenadora de Equipos de Normalización acaba-se de publicar um trabalho de X.M. Moreno sobre sociolingüística. É muito mais que umha guia de leitura de Made in Galiza: umha boa ferramenta para achegar-se á dimensiom socio-cultural das línguas.
´
A mim pareceu-me mui interessante!

Aqui éstá!
Comentários (12) - Categoria: Desenhos - Publicado o 03-12-2011 10:38
# Ligazóm permanente a este artigo
Gartxot: o filme!

Gartxot trailerra from Somuga on Vimeo.




Um filme impresionante que, com sorte, chegará á Galiza!: Gartxot

Um filme desenhado por Asisko Urmeneta.

Sobre a defensa da identidade e a resisténcia lingüística.
Brutal, inocente, criativo.
Animaçom Made in Euskal Herria.

O proceso de criaçom e difusom do filme favoreceu que a comarca do heroe -Gartxot-, em Iparralde, esteja a dinamizar-se social e culturalmente com o impulso dum movimento cidadám euskaldum.

Gatxot, um heroe medieval basco cantado por Benito Lertxundi num dos seus temas mais populares, passou ás cores e sons dos desenhos animados nesta curtametragem que agora está em proceso de se converter em longametragem.

Com toda seguridade, nestes tempos de internacionalismo e solidariedade entre os povos e as línguas golpeadas pola história, Gartxot será um simbolo da resisténcia para as naçons sem estado do mundo, para os movimentos de liberaçom.
Comentários (16) - Categoria: Desenhos - Publicado o 21-11-2011 12:33
# Ligazóm permanente a este artigo
Sobre língua, activismo, papel higiénico e outras cousas.


Este texto é umha resposta á pergunta que foi lançada numha mesa redonda no Foro Social de Ferrol: Que há de novo no 15-M?

Umha das cousas novas: a relaçom do movimento social com a língua galega.

Um fragmento do texto:

Um dos discursos mais visíveis na rede foi o que se deu dentro desse sector do que podemos denominar como “galeguismo”. Dentro do “galeguismo” houbo um sector que mantivo umha actitude de rechazo á participaçom no movimento: “Eu nom participo porque o movimento nom se expresa em galego. É espanholista.”

Assi respondia alguém a esta actitude desde o twenti: “Hay un tipo que no se limpia el culo desde hace tres años porque el papel higiénico no viene etiquetado en gallego”

O texto completo no blog do Foro Social de Ferrol
Comentários (14) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 02-11-2011 11:58
# Ligazóm permanente a este artigo
Gartxot!


Um filme impresionante que, com sorte, chegará á Galiza!: Gartxot

Um filme desenhado por Asisko Urmeneta.

Sobre a defensa da identidade e a resisténcia lingüística.
Brutal, inocente, criativo.
Animaçom Made in Euskal Herria.

O proceso de criaçom e difusom do filme favoreceu que a comarca do heroe -Gartxot-, em Iparralde, esteja a dinamizar-se social e culturalmente com o impulso dum movimento cidadám euskaldum.

Gatxot, um heroe medieval basco cantado por Benito Lertxundi num dos seus temas mais populares, passou ás cores e sons dos desenhos animados nesta curtametragem que agora está em proceso de se converter em longametragem.

Com toda seguridade, nestes tempos de internacionalismo e solidariedade entre os povos e as línguas golpeadas pola história, Gartxot será um simbolo da resisténcia para as naçons sem estado do mundo, para os movimentos de liberaçom.



Comentários (13) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-10-2011 11:48
# Ligazóm permanente a este artigo
As Marias, de festa!


Comentários (15) - Categoria: Desenhos - Publicado o 26-10-2011 10:58
# Ligazóm permanente a este artigo
No gume do machado


Um desenho para a publicaçom "Olladas desde o museo", do Muséu do Povo.
Comentários (33) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-10-2011 17:19
# Ligazóm permanente a este artigo
Um cesto de livros


Umha ilustraçom para a publicaçom Olladas desde o Museo, do Muséu do Povo
Comentários (14) - Categoria: Desenhos - Publicado o 23-10-2011 13:30
# Ligazóm permanente a este artigo
Marias




Comentários (34) - Categoria: Desenhos - Publicado o 15-08-2011 11:29
# Ligazóm permanente a este artigo
I Encontro de Escritor@s da Lusofonia
I Encontro de Escritor@s da Lusofonia. O objectivo era interessante.: "Escritor@s, músic@s, criadore@s… pessoas de diferentes âmbitos da cultura e das artes a reflectir sobre a realidade da lusofonia (tentando fugir dos tópicos), sobre as novas tecnologias e a sua relação com a literatura e as artes em geral, e sobre os movimentos do chamado Altermundo (ecologismo, empreendedorismo, antibelicismo, feminismo, dec...rescimento…) e a relação/situação das artes no mundo contemporâneo."

E a aventura em Monçao, no Palácio da Brejoeira, foi intensa, emocionante e mui formativa, com momentos de verdadeira revelaçom.

Nos três dias de convívio a nossa relaçom com a imaginaçom e a realidade, com o mundo, mudou. Era inevitável.




Os pés de Aline.
Aline Frazao é muito..., Aline é muito mais!



Quando Aline canta
a gente sonha.



Quem nom conheça a literatura de Agualusa já pode ir abrindo qualquer dos seus livros. Eu recomendo o último romance: "Milagrário pessoal", umha viagem na procura das palavras.

Agualusa nom é só um dos grandes escritores da nossa língua no mundo tamém é um dos grandes escritores do mundo em qualquer língua.

Agualusa tamém acredita nisso de que as palavras cámbiam o mundo. Assi que coincidimos. Ademais, mostrou-se mui interessado pola situaçom sociolingüística da Galiza e falou-nos da situaçom lingüística em Angola.




Tony Tcheka, desde a Guiné-Bissau:

POVO ADORMECIDO

Há chuvas
que o meu povo não canta
Há chuvas
que o meu povo não ri

Perdeu a alma
na parede alta do macaréu

Fala calado
e canta magoado
(..)




A Coca de Monçao. Um dragom no caminho.



O autor de Origem certa do farol de Alexandria e outros contos, Guisán Seixas, e o seu sombreiro, olhando um filme na Casa das Artes.




Um desenho com vinho, café e rotulador de Mito Elias, de Cabo Verde, que leva o bicho da poesia dentro mas tamém gosta de compartir. Aqui, um minuto da sua performance no I Encontro de Escritor@s da Lusofonia:







Despois de cinco desenhos, este é o que mais se parece a José Carlos Vasconcelos, que falou oracularmente sobre lusofonias, acordos ortográficos e outras cousas.





Carlos Taibo, um mestre.





Nom se parece muito mas é El:





Países com mar e NH.



Dez palavras dum dos livros que trougemos de Portugal para acompanhar a Estrela: "A imaginaçao nunca é demais. A imaginaçao cámbia o mundo"

Dez desenhos nom podem resumir três dias. Falta muita gente... mas estades tod@s!

E umha recomendaçao que nos fazemos a nós mesmos, porque aínda nom o lemos e tem muitos corvos dentro: A resurreiçao da água, de Maria A. Preto.
Comentários (44) - Categoria: Desenhos - Publicado o 09-08-2011 00:11
# Ligazóm permanente a este artigo
Relatos de Made in Galiza em eslovaco


Chegam novas traduçons de relatos de Made in Galiza polo caminho que vai e vem de Eslováquia!

Da mao de Vlasta Moman e o blog Vlastovicka, já podemos ler em eslovaco a traduçom dos relatos O Home que Agardaba que lle Dixesen o que Tiña que Facer, A Muller que Vivía no Futuro e Instrucciones para Empezar a Hablar Gallego.

Aqui estám as nossas palavras -as tuas, as minhas, as nossas- convertidas em palavras
eslovacas
Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 07-08-2011 11:22
# Ligazóm permanente a este artigo
Xavi Valles


Mola
Comentários (13) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-08-2011 20:45
# Ligazóm permanente a este artigo
Umha viagem sociolingúística a Euskal Herria


Convidaram-me do concelho de Gasteiz para participar no I Encontro de Mocidade e Línguas Minorizadas. Alá fomos!




Estrela, com os pinceis.



Com o pirata, Efrain Langstrumpf



O meu reto foi desenhar ao vivo e assi foi indo, salvo o desenho do porco teixo de mais abaixo que copiei dumha guia da natureza.



Durmindo no carro.




Na horta.



Cabaça



A luva vermelha




Kiwis




Na tele, no Tour este ano faltava Ezequiel.



Pés arriba.




Nom sei quem é. Falava catalá.




Um cam belga que falava asturianu.



Um que é mui boa gente e leva umha pinça de madeira no ombro e que está a aprender a nossa língua.



No portal da casa de Teo deixamos umha homenagem a Pancho Lapeña: bombonas de butano!



O carro laranja de Teo na aldeia da Velia, Bimenes.



Um bom amigo, um pouco duro.



Este cartaz, de Teo, que nos falou de Chiapas e de francotiradores sérbios.



Na cozinha.



Bilbo.



Desenho-a quando dorme porque nom se move.



A casa okupa que resiste.





Bilbo está cheinho de cabeleirias. Por certo, havia anos que nom via cristas punk!



A aranha, de Louise Bourgeois.
A escultura chama-se "Mamá".

"É mais fácil desintegrar um átomo que um prejuíço"
Einstein






Alguns desenhos sobre cigarras e formigas



Umha cama mui original



Vega, em Aiegi. Nafarroa.



Desde os meus olhos.




País, ardi beltza, porco-teixo.



Ovelha em Urbasa.
Caminhando cara ao nacemento do rio Urederra.




A durmir.



Duas mulheres novas.



As cores em euskera, segundo Candela.



Gasteiz.



O desenho é de Asisko Urmeneta, um crack da banda desenhada.

O texto: "O terceiro olho trabalhando."



Maiu, umha bretoa no caminho da língua!










E algo mais!
Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-07-2011 13:00
# Ligazóm permanente a este artigo
Que está a fazer esta gente?

















...em 45 segundos
Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 01-07-2011 10:33
# Ligazóm permanente a este artigo
Acampada do Obradoiro














Comentários (15) - Categoria: Nom serviam - Publicado o 29-06-2011 22:31
# Ligazóm permanente a este artigo
E isto é o amor!


Da tua mao direita
á minha mao esquerda
tendemos um tendal de roupa
de todas as cores entre nós
e isto é o amor

Erguemos os braços
e com a roupa ao vento
vamos caminhar
secar a roupa ao sol
e isto é o amor

entre fábricas baleiras
dentes de león
e prados com bubelas
asubiamos esta cançom
e isto é o amor

E no tendal levamos calcetíns,
camisolas e bragas violetas
e o teu sostém
e a minha camisa negra
e isto é o amor

E a gente olha para nós
e pensa que é um sonho
e pensa: Isto é amor
e isto é o amor

E isto é o amor

...

A Rocio

Comentários (21) - Categoria: Geral - Publicado o 28-06-2011 06:26
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal