Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

A bolsa azul de plástico e o lobo


A viagem de Pancho Lapeña

De súbito aparece umha bolsa azul
no vento.
O vento vai recolhendo as bolsas azuis abandonadas.
Vemo-las passar de vez em quando
movendo-se em forma de oito ou em espiral.
Descansam derriba dos prados,
nos arames de espinho
ou em árvores frutais
atraídas por esses pedaços de espelhos
que penduram das ponlas.

Hai milhons de bolsas azuis a voarem no vento.
Se esperas um pouco nom tardará
em passar umha.
A gente pensa que as bolsas de plástico
vagam sem rumbo.
Todo o contrário, sempre vam cara a algures,
a morte.
Descobreu-no o mimetista Pancho Lapeña
que viajou vários anos detrás dumha bolsa azul
no vento.

Agora Pancho Lapeña está sentado
numha bombona de butano
e a bolsa azul de plástico descansa aos seus pés
entre umhas galinhas.
Quando volte soprar o vento ponheram-se em caminho.

Pola noite Pancho Lapeña enfoca a bolsa
com a lanterna que leva na fronte.
Quando dorme persegue a bolsa de sonho em sonho.
As bolsas azuis baleiras voam
lentamente cara á morte
como os elefantes aos seus cemitérios.

Muitas das bolsas que caem no mar
acabam nas gorjas das tartarugas.
E muitos corvos morrem com a cabeça dentro
de bolsas de plástico abandonadas.
Nom se sabe que buscam aí dentro.
As bolsas som grandes depredadoras.
Pancho Lapeña gravou em vídeo
como umha bolsa de plástico afoga um jílgaro
na beira dum rio.
Durante a sua viagem, a bolsa azul
intentou várias vezes
entrar na boca de Pancho Lapeña mentres durmia.

A raíz do estudo de Pancho Lapeña
sobre o comportamento das bolsas de plástico
famosos biólogos defendem que som seres vivos
e reclamam incluí-las
na família dos invertebrados.

Hai milhons de bolsas azuis a voarem no vento.
Se esperas um pouco nom tardará
em passar umha.



...

A Pánchez, ferox.
Comentários (7) - Categoria: Geral - Publicado o 12-07-2009 20:03
# Ligazóm permanente a este artigo
Chuza! Meneame
7 Comentário(s)
1 mi má q SUPER!! grazas mil#blgtk08#
!!6 bravissimo !!
Comentário por panchez (13-07-2009 10:26)
2 amigo pánchez, amigo lob#blgtk08#o,
saúde animal!
Comentário por madeingaliza (13-07-2009 12:37)
3 ¡Marabilloso! ¿Cando vas sacar unha escolma dos#blgtk08# teus debuxos? ¡Quéroa, xa! XDDDD Apertas, meu.
Comentário por descalza (13-07-2009 20:54)
4 obrigado, descalza,

#blgtk08# essa escolma vai de caminho...
Comentário por madeingaliza (13-07-2009 23:07)
5 Ei, coloca o poema as#blgtk08#sociado à imagem! :)
Comentário por Galeguzo (16-07-2009 13:19)
6 já o coloco,
estava umhas páginas atrás,#blgtk08#
brigado, galeguzo, pola sugestiom... ;)
Comentário por madeingaliza (17-07-2009 23:36)
7 Hai milhons de bolsas azuis a voarem no ven#blgtk08#to.
Se esperas um pouco nom tardará
Comentário por replica watches (30-01-2016 03:29)
Deixa o teu comentário
Nome:
Mail: (Nom aparecerá publicado)
URL: (Debe começar por http://)
Comentário:
© by Abertal