Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

A invasiom dos heditores?



-He dito!

Dalgum jeito, neo-falantes somos tod@s. Nom só quem nalgum momento da nossa adolescéncia ou madurez começamos a falar galego, senóm tamém quem mamarom a nossa língua desde cativ@s e, num proceso de aprendizagem mais ou menos formal, se fixerom, de novo, com as variedades mais formais do idioma.

Quero dicer que ser falante de qualquer língua supom asumir um proceso de renovaçom cotiá, de neofília constante, de adaptaçom permanente e de criativa actualizaçom.

Mas eu hoje quero distinguir entre neo-falantess e falantes heditores. Ser neo-falante é umha situaçom provisional. Tu es neo-falante até que, logo de ter dado o passo de começar a falar galego, essa novidade deixa de se-lo e, despois dum tempo de maduraçom, asumes que já es, simplemente, um falante mais.

Mas ser heditor ou heditora é outra cousa. Som heditoras aquelas persoas cuja aprendizagem fica fosilizada nos primeiros passos do proceso.

Quando cursava o bacharelato explicou-no-lo mui bem o nosso profe, Bernardo Penabade, a quem admiravamos pola sua humaníssima bondade, a sua professionalidade exemplar e por ter-lhe posto a voz em galego, quando a série de desenhos animados chegou á TVG, ao Pitufo Zoupom.

Bernardo comentou-nos um dia que os heditores chamavam-se assi porque sempre, invariavelmente, conjugavam os verbos galegos á espanhola: He dito, no canto de dixem, He feito, na vez de fixem, ou, mais pluscuamperfectos, havia ido, por fum.

Assi como @s neo-falantes falam um mal galego iniciático, de principiantes, neófito, durante um período mais bem curto de tempo, provisional, -pois na própria aprendizagem se preocupam por aprender, melhorar, perfeccionar e enriquecer a calidade da sua língua galega-, aos heditores a qualidade da sua língua galega da-lhes por aí, importa-lhes um pemento e, por causa desse despreço e falta de vergonha, o seu galego sempre é paupérrimo, inzado de erros perpétuos que, dia tras dia, ano tras ano, década tras década, repitem incansavelmente. Sem respecto ningum.

Exemplos de heditores e heditoras hai mais dos que quixeramos, mas ocupa um lugar destacado a heditora por exceléncia, -porque criou escola-, María Jesús Sainz, deputada polo PPdG no parlamento espanhol.

É curioso como normalmente @s heditor@s, apesar do seu rechamante despreço no uso público do idioma, se declaram defensores acérrimos da língua galega com expresions como "Hemos dito moitas vezes que para nós a língua galega é mui importante e mui bonita" ou "He dito que ninguém melhor que nós pode defender o galego".

Que passaria se quando falasse em castelám em Madrid algum dest@s heditor@s cometesse o número de erros por minuto que perpetra falando galego?

A primeira olhada semelha que entre os novos responsáveis políticos do governo do PP hai bastante gente pouco afeita a falar a nossa língua. Eu já lhes tenho escoitado "He dito" a vários conselheir@s. Serám neofalantes ou serám heditores? Ummm... Estaremos sufrindo umha invasiom de heditores? Estará a nossa língua, a nossa cultura, nas suas maos? Nom digo que nom. Todo o contrário.

Arriba @s neofalantes! Abaixo @s heditores!

Ou como di o meu companheiro Dom Pepe, mestre da velha escola, em Vila de Cruzes: A troita perde-se pola boca!
Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 15-06-2009 12:53
# Ligazóm permanente a este artigo
Chuza! Meneame
2 Comentário(s)
1 Parabéns polo teu traballo :-)
Este texto é especialmente bo; non coñecía a terminoloxía de "heditores" pero concordo plenamente ;-)
Só quería confesarme neofalante. Eu son neofalante. E mesmamente é algo paradóxico e surrealista. Ser neofalante, ir incorporándote progresivamente neste caso ao galego; incluso buscando a túa variedade; incluso, moitas veces, case pedindo desculpas por mudar de lingua e cando mudas pero atopas a alguén co que che é difícil falar galego, case agacharse por iso... Dígoo porque para min isto é un proceso tan indescritible.
Por hei de ser eu considerado neofalante cando son fillo de galegofalantes, cando sempre falei galego en determinados contextos, pro exemplo, algúns avós? Por que se ha de considerar igual que alguén que nunca falou galego nin ten referentes próximos? Por que me fixen neofalante? Por que sentín nun momento dado da miña vida qu#blgtk08#e tiña que pedir perdon a todas as partes por iso: a uns, por mudar de lingua; a outros, por non ter boa fonética...? Non sei, non é para débiles ser neofalante... Sinceramente, non sei; levo tempo que o tema da lingua só me dá dor de cabeza. Se a iso lle sumamos que vivo nunha zona urbana onde vexo cada día nenos que non senten o galego de seu, que non teñen pais ou avós ou veciños... que lles falen galego... Cando vexo que eu, que si precisaría mellorar a miña fonética, pero, sexamos realistas, non é tan fácil falar igual que se esta miña lingua se desenvolvera en condicións normais... Cando sinto que sempre podo ser sospeitoso de neofalante ou incluso, podo soltar verbas en castelán con alguén... E a lingua, para min, convértese nunha obsesión... Sinceramente, síntome en terra de ninguén. E o tema, xa non sei :-(
Precisaba escribilo.
Noraboa polo blogue e polos teus proxectos :-)
Comentário por rita (16-06-2009 17:23)
2 Rita, de veras, estou-che mui agradecido por ter escrito estas palavras, que agora, de seguro, pode compartir mais gente que, c#blgtk08#omo eu mesmo, nos sentimos tam, tam identificad@s contido.

saúdos e um abraço!

vemo-nos nas ruas!
Comentário por madeingaliza (16-06-2009 20:37)
Deixa o teu comentário
Nome:
Mail: (Nom aparecerá publicado)
URL: (Debe começar por http://)
Comentário:
© by Abertal