Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

"Busco amante galego-falante". A campanha


Quando Desoños se dirigiu a mim para colaborar no desenho dumha campanha que tinha como um dos objectivos dar a conhecer a Área de Normalizaçom Lingüística de Universidade de Vigo considerei que...

1. O objectivo devia ser a participaçom da comunidade universitária -a mim interessava-me especialmente a gente nova- na reflexiom e na acçom sociolingüística.

2. Podia ser interessante abordar o conflito lingüístico desde umha situaçom provocativa, mesmo humorística, oferecendo umha comunicaçom atractiva, próxima, interactiva, e que suscitasse o grao suficiente de sorpresa como para deter-se e reflexionar um minuto sobre o nosso idioma, e animar a responder. o diálogo.

3. Tinha que estar relacionada com a situaçom actual da língua e as suas fortalezas e debilidades, nom despegar-se da realidade senom formar parte dela. Por isso a forma de apressentar o texto foi fazendo-o passar como real, de verdade, de veras.



"Busco amante galego-falante" tem como protagonista umha persoa estrangeira que acaba de chegar a Galiza e quere aprender a nossa língua "de forma aberta, comunicativa, sem prejuíços".

Mas por que umha persoa estrageira como protagonista?

Na nossa experiéncia com gente que chegou de fóra -Asturies, Itália, Romania, Argentina, Marrocos, República Checa...- puidemos comprobar que as que se botarom a falar galego ao pouco de chegarem aqui fixerom-no porque, entre outras raçons, virom-no algo necessário.

A língua -apesar da sua situaçom minorizada e desvalorizada por umha parte da povoaçom- favorece o proceso de adaptaçom social, é um factor de melhora das relaçons sociais, realmente imprescindível se queremos viver sem déficits de comunicaçom e interacçom social nesta terra e este tempo.

Conhecemos muitas persoas que vivem na Galiza e que som inadaptad@s sociais por raçom de língua. Os casos mais extremos som aqueles que entendem a língua galega como umha língua prescindível, inútil ou innecesária, no ensino, na administraçom, ou, em geral, nas relaçons sociais.

Mas tamém conhecemos gente que chega de fóra de Galiza que aprende a língua e se bota a fala-la com menos prejuíços que persoas que levam aqui toda a vida.

O feito de que umha persoa que acaba de chegar sinta a necesidade de aprender a nossa língua deveria dar que pensar a muita gente que nom a valora como umha língua útil e necessária e imprescindível na nossa sociedade.

A relaçom que procura esta persoa estrangeira que protagoniza a campanha "Busco amante galego-falante" é umha relaçom persoal porque quere aprender a falar a nossa língua desde esse ámbito. A orelha e a língua d@ amante. As persoas vivemos em sociedade e as línguas som construçons sociais que se enriquecem mediante todo tipo de relaçons: sentimentais, laborais, económicas, culturais, administrativas, sexuais...



Hai gente que identifica a língua galega quase em exclusiva com o ámbito do sentimentalismo: É umha língua agarimosa, que hai que incentivar com carinho. As línguas hai que ama-las..., dim. Muita gente identificou durante muito tempo a língua a galega com a poesia, e mais aínda com a poesia sentimental: o galego é umha língua mui poética, é tam doce..., dim. O Franquismo foi um experto em sentimentalizar até a nhonheria a nossa língua.

Mas estas actitudes respondem a um prejuíço agresivo contra a língua galega porque nom podemos restringir funcionalmente o nosso idioma ao ámbito da sentimentalidade, e qualquer idioma deve desenvolver-se nom só como língua de "amor" senom tamém como língua de economia, de comunicaçom social, das matemáticas, da música punk ou dos tíquets de compra dum supermercado.

Durante anos e anos atopei nos asentos dos autobuses que me levavam ao colégio coraçons de amor pintados com rotulador. Dentro dos coraçons de amor lia-se Maria y Tomás, Lucas y Vanessa. A gente que escrebia esses coraçons de amor falava galego mas para eles o "normal", o que a sociedade imponhia como norma, era tratar dos asuntos do coraçom na língua de prestígio, o Y espanhol.

É curioso. E triste.



O objectivo da campanha "Busco amante galego-falante" era intentar trascender a dimensiom publicitária convencional, muitas vezes recibida com pasividade por parte das persoas receptoras, e transgredir umha convención social aceptada com normalidade por umha parte da cidadania: ás persoas estrangeiras fala-se-lhes em espanhol.

Resulta curioso situar-se diante desse tópico da sociologia de que ás vezes é a gente de fora quem valora mais que algumhas de nós a nossa própria riqueza: natureza, cultura, língua...

Hai dez anos em Ribeira conhecim umha rapaza italiana que chegara á Galiza havia 3 meses. Seu pai era submarinista, tinha os olhos grises, nacera ao pé do Vesúbio. Vinha a um curso de iniciaçom de língua porque queria aprender a nossa língua. Mercou livros, um dicionário, gostava descobrendo a nossa a literatura, a nossa música, a nós, e acabou escrebendo galego com umha facilidade sorprendente, em pouco mais de dous meses!

Mas falando quase nom dava palavra. Ela queria aprender a falar galego e a gente, @s vizinh@s, galego-falantes habituais, quando a atendiam no súper ou na panadaria, em quanto percebiam que era "de fóra" passavam a falar castelhano.

Umha anécdota mais: recordas, Miro, aquela profe de portugués que che dixo que o melhor lugar para aprender umha língua era a cama?

Em fim, espero com impaciéncia o resultado do concurso "Busco amante galego-falante". De seguro que entre os audios, os textos e os vídeos atopamos novas formas de olhar e comprender o conflito lingúístico.

...


Animamos desde aqui ao alunado, professorado e persoal nom docente da Universidade de Vigo, e campus de Ourense e Pontevedra, a participar de forma criativa neste proceso que desde o primeiro dia resultou e está a resulta mui participativo.


Ligaçons:


A noticia da apariçom dos anúncios na universidade de Vigo

A notícia da apariciom dos anúncios em vieiros e em chuza

A notícia da rolda de prensa explicando a campanha em galicia-hoxe


Xa se deu a coñecer o/a amante galego-falante

A PÁGINA DE CONTACTO


Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 06-03-2009 17:49
# Ligazóm permanente a este artigo
Chuza! Meneame
3 Comentário(s)
1 Ideias destas são das qu#blgtk08#e precisa este país ;-)
Comentário por Galeguzo (07-03-2009 18:40)
2 Una iniciativa imaginat#blgtk08#iva i molt suggeridora.
Comentário por Ferran (07-07-2010 15:28)
3 unique concept.Gucci (Gucci) announced the launch of a new series of handbags, crocodile and python skin has always been the brand Gucci (#blgtk08#Gucci), a typical sign.Gucci (Gucci), classic design and rare expensive leather, perfectly embodies the brand timeless aesthetic criteria,
Comentário por Nike Air Max (03-12-2012 08:05)
Deixa o teu comentário
Nome:
Mail: (Nom aparecerá publicado)
URL: (Debe começar por http://)
Comentário:
© by Abertal