Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Cosmopolitas e cosmopaletos


Olá, sou madrileño, assim com eñe, chamo-me Cristóbal e atendendo ao pedido do amigo Séchu Sende vou expor a minha história como excepçom que confirma a regra.

Pode ser que me engane, mas polas referências que tenho depois de 15 anos a veranear na Galiza, devo ser o primeiro madrilenho que fala galego.

A motivaçom que me levou a falar galego nom foi ideológica, nem cultural, nem social... Nom, foi umha motivaçon também excepcional: eu comecei a falar galego por razons grastronómicas. Explico-me.

Os primeiros Veraos na Rias Baixas descobrim que quando entrava num bar ou restaurante acompanhado de amigos galegos ? ou galegas ?, no momento de pedir, um deles levantava a mao e dizia-me: «Sssh, tu cala, que já pido eu». E claro, pedia. Um pincho de tortilha, ou uns choquinhos ou umhas xoubas ou o que fosse.


Ao princípio pensei que se tratava de umha questom de boa educaçom, mas depois comecei a compreendê-lo, especialmente quando cheguei a botar-lhe umha olhadela ao tique da conta. Por isso as primeiras palavras que dixem em galego fôrom: «um café com leite, por favor». E desde aquela descobrim que a diferença entre pedir
un café con leche com sotaque de Móstoles e pedir um café com leite com sotaque de Ribeira podia ser de 50 céntimos. E nom digamos nada da
minha surpresa quando comecei a deixar de pedir em castelhano as nécoras e os percebes!

Nom tardei em dar-me conta de que um madrileno a falar galego é cousa inaudita neste país e graças à minha capacidade para imitar os sotaques e traços dialectais. Se estou em Mogia,
por exemplo digo «a chuleta com mutas patacas, por favor», como se fosse dali de toda a vida. Conseguim alviscar essa Galiza que contados veraneantes madrilenos pudérom ver nunca.

Aliás, cheguei a compreender os muitos significados que a palavra madrilenho tem neste país e que os meus vizinhos os fodechinchos nem podem imaginar.

Quando Aznar eliminou as iniciais das matrículas dos carros sentou-me bem, porque o vou negar? Era a forma mais rápida de deixar de ser um fodechinchos motorizado. A mim pessoalmente
a matrícula dava-me vergonha...

Tenho um colega em Boiro que, entre Junho e Setembro, quando vê um carro a fazer umha manobra irregular, como coar-se-lhe rapidamente
na praça que estava aguardando para arrumar o carro, di em voz mais ou menos alta, segundo as circunstáncias, «madrilenho tinhas que ser», ainda que na matrícula nom apareça já o M da
capital de Espanha e o carro seja do Porrinho ou de Lalim.

Os madrilenhos sempre nos gavamos de que Madrid é a capital da gente cosmopolita. Cousa curiosa pois, segundo as definiçons do dicionário, cosmopolita vem significar «que se considera cidadao de todos os países» ou ainda «que se acomoda aos usos estrangeiros». Enfim. Aseguro-vos que, salvando as excepçons, ? já dixem
antes que nem todos os madrilenhos somos iguais ?Madrid é a capital dos cosmopaletos.

Os cosmopaletos nom aprendêrom a dizer «bom dia» ou «chamo-me Tal», ou «tens lume?», ainda que
levem vinte anos a veranear na Galiza, porque ainda continuam a pensar que o galego é um dialecto e a Galiza umha regiom da Espanha.

Os cosmopaletos contam chistes de cataláns
tacanhos, bascos brutos e galegos parvos.
Os cosmopaletos roubam berberechos nas praias e quando lhes chamam a atençom dizem que «o mar é
de todos». Para os cosmopaletos só há umha cousa melhor que comer barato no Verao, que é comer de gratis numha festa gastronómica. Os cosmopaletos
normalmente só falam espanhol, idioma que como todo cosmopaleto sabe, hablan muchísimos millones de personas en el mundo.

Quando um cosmopaleto viaja a Portugal tem complexo de superioridade, e quando vai à França, de inferioridade. O cosmopaleto sempre
acaba dizendo «yo es que soy cosmopolita
» ou «una cosa es la libertad y otra el libertinaje» ou «a los catalanes y a los vascos había que...», porque os cosmopaletos sempre se esquecem, intencionadamente, dos galegos. Para
os cosmopaletos a Galiza nom é o país onde nom vivem os galegos, nom, para os cosmopaletos Galicia é um lugar onde vivem galeguiños, assim,
com eñe. E galeguiñas, claro.

Enfim, volvendo ao meu caso pessoal. Quero despedir-me, como bom madrilenho, depois de todo, levando a contrária a Castelao, que escreveu aquela frase de «? Yo no siento la necesidad de hablar gallego / ? Porque essa necesidade nom se sente no bandulho ». Nom. Ponho-me como exemplo de que algum dia os madrilenhos descobrirám a necessidade de falar galego quando venham comer e botar a sesta à Galiza, para que o marisco lhes saia um pouco mais barato.

Claro que antes tenhem de aceitar dar o passo de se fazerem passar por galegos no momento de pedir no bar ou no restaurante, cousa que de um
ponto de vista antropológico implica mudar a castiza chularia pola enxebre humildade ? se continuamos a falar com tópicos ?, cousa abofé difícil para os madrilenhos que continuam
a pensar que veraneam en províncias e que os galegos somos simplesmente paletos de segunda. Porque o cosmopaleto madrilenho joga em primeira
divisom.

.................

Publicado n´O Pasquim, nº 2, suplemento humorístico do Novas da Galiza
Comentários (6) - Categoria: Geral - Publicado o 30-10-2007 15:13
# Ligazóm permanente a este artigo
Chuza! Meneame
6 Comentário(s)
1 Bo sistema o deste madrileño.
Por certo, os madrileños non saben do que dicimos nós cando#blgtk08# un entra nun sitio e deixa a porta aberta. Nós dicimos: ers madrileño ou que ?. Fecha a porta.
Comentário por paideleo (01-11-2007 00:17)
2 E claro, pedia. Um pincho de tortilha, ou un#blgtk08#s choquinhos ou umhas xoubas ou o que fosse.
Comentário por Web Design Agency (13-09-2012 11:07)
3 E claro, pedia. Um pincho de tortilha, ou uns ch#blgtk08#oquinhos ou umhas xoubas ou o que fosse.
Comentário por SEO Agency (05-10-2012 09:59)
4 qué axetivos-y cuadren a la palabra mar, a palabra muerte?
Si tenéis que marchar, ¿ye#blgtk08# la palabra adiós un sustantivu?
¿Cómo se pronuncia en diakhanké la palabra exiliu?
Comentário por http://www.lacentraledustore.fr (10-12-2014 10:02)
5 thanks for #blgtk08#your post !
Comentário por http://www.anelsia-institut-iledyeu.fr (02-06-2015 10:00)
6 anké la pala#blgtk08#bra exiliu?
Comentário por http://www.magasindecuisines.fr (29-08-2015 02:50)
Deixa o teu comentário
Nome:
Mail: (Nom aparecerá publicado)
URL: (Debe começar por http://)
Comentário:
© by Abertal