Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Roxe de Sebes


Roxe de Sebes é um desses livros que nom se podem deixar de ler, dixem-lhes este verao @s colegas que se achegarom polo Courel.

Textos filosóficos, poesia, epístolas, narraçom, ensaio... Mas, sobre todo, aventura.

Ignacio Castro retirou-se a Roxe de Sebes em 1984, um lugar entre montanhas onde nom chegará nunca a luz eléctrica. Hoje o caminho está fechado, nem a pé se pode alcanzar.

Quando eu cheguei ao Courel, hai anos, escoitava falar de César -o nome com o que Ignacio Castro se apressentou na montanha- como dum personage mítico, um aventureiro sobre o que a gente falava como fala Jack London sobre os aventureiros do ouro.

Segundo contam os vizinhos de Soldóm com os olhos mui abertos, conservando a mesma sorpresa de hai mais de vinte anos, o primeiro que fixo César "foi levar um tractor de livros alá arriba".

Imaginades um tractor de livros rubindo entre os caborcos do Courel!

A gente conta que César botou anos e anos aló arriba, el só com os seus livros numha cabana perdida; que ás vezes baixava por víveres e a beber e que logo marchava de noite, entre a neve, de volta a Roxe de Sebes; que mesmo havia gente na aldea que chegou a pensar que era da ETA; que era boa gente, um gram tipo. E que já hai muitos anos que nom volta pola aldea.

Muitas cousas que nom podemos imaginar estám no livro Roxe de Sebes, publicado por Noitarenga em 2001.

Lendo-o dei-me conta, entre outras cousas, de que as duas herdanzas que recibimos de geraçom em geraçom, -a natureza e a cultura-, vivem nom só aí fóra senom tamém dentro da nossa cabeça.

As montanhas que levamos dentro. A curuxa que ulula por dentro nossa e nos esperta de noite, aínda que estejamos no nosso piso na cidade. Os castinheiros que deixam os ourizos caer no nosso peito quando baixamos no ascensor. A carqueixa e a uz que botam raíz debaixo da nossa cama.

"Forestiero che cerchi la
dimensione insondabile.
La troverai, fuori città"


Franco Battiato


Mais sobre Ignacio Castro
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 09-09-2007 14:54
# Ligazóm permanente a este artigo
Chuza! Meneame
3 Comentário(s)
1 Tentarei atopalo, gracias pola recomendación. Supoño que as fr#blgtk08#ases dos carteis son sacadas de Roxe de Sebes. Ten boa pinta.
Comentário por Mer (10-09-2007 15:59)
2 O livro tem várias partes:
poemas tipo haiku
cartas desde a cabana -tipo diár#blgtk08#io-
e pensamento vário.
A aventura está na procura das ideas.
bks mer.
Comentário por madeingaliza (10-09-2007 18:25)
3 http://www.#blgtk08#identita.fr
Comentário por http://www.identita.fr (21-11-2014 09:07)
Deixa o teu comentário
Nome:
Mail: (Nom aparecerá publicado)
URL: (Debe começar por http://)
Comentário:
© by Abertal