Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Quatro sonhos








1. Vida interior dumha ra.
2. Estrela.
3. O cágado come-nuves.
5. Dentro do polbo.
Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 05-12-2008 11:27
# Ligazóm permanente a este artigo
Mulher sonhando na banheira


3 de dezembro.
De Mulher sonhando na banheira, O cágado come-nuves, Vida interior dumha ra, Estrela.
Experimento nº 2.
Hope oberture, de Kronos Quartet, banda sonora do filme Requiem for a dream.
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 03-12-2008 07:27
# Ligazóm permanente a este artigo
Contra a censura!



Contra a censura!

Sumo-me a...

-Leo F. Campos
-Luis Gonçales Blasco, Foz
-Xurxo Souto
-Bernardo Penabade
-Gustavo Luca
-Xiana Arias
-Tino Baz
-Paulo Paio Rubido
-Mario Regueira
-Daniel Salgado
-Samuel Solleiro
-Ataque Escampe
-A Quenlla
-Vai
-Skárnio
-Garcia (Dios Ke Te Crew)
-Anxo Angueira
-Joám Carlos Ánsia
-Patricia A. Janeiro
-Uxio Breogán Diéguez
-Carme Hermida Gulías
-Carlos Barros Gonçalves
-Teresa Moure
-Pedro Alonso Iglesias
-Marcos Pérez Pena
-Antía Rodríguez
-Ramiro Ledo Cordeiro
-Zélia Garcia
-Sole Rei
-Elvira Souto
-Beatriz Garcia Matos
-Mercedes Garcia Matos
-Margarita Ledo Andión
-Francisco Fernández Rei
-Paco Souto
-Xesús Sanxuás
-Xosé Luís Méndez Ferrín
-Berrobamban Teatro
-Igor Lugrís
-Local Social Faísca (Vigo)
-Aurichu Pereira
-Xosé Manuel Beiras Torrado
-Alberto Lema
-Manuel Vello Salvado
-Xesús Irago Pereira
-Manel Pardo C.
-Xoán Rodríguez Sampedro
-Irene Cancelas Sánchez
-Brais González Pérez
-Xosé Viqueira Sende
-Xaquín Conde Ruiz
-Ana Pereira Varela
-Xosé A. Laxe Martiñán
-Marcos González Carballido (Marcos PTT)
-Ana Ruiz
-Héctor López de Castro Ruíz
-Suso Sanmartin
-Pepe Sendón
-Lara Bacelo
-Borja Fernández
-Xabier Xil Xardón
-Lara Rozados Lorenzo
-Francisco Macías Macías
-Iván Cuevas Domínguez
-Antonio Vázquez
-Javier Bermejo
-Eliana Martins
-Xoan Carlos Garrrido
-Isaac Lourido Hermida
Héitor Picallo
-Xurxo Paz López
-Carlos González Meixide
-Comba Campoy
-Xosé Antón Bocixa Rei
-Zenzar
-Plataforma Cidadá "Sei o que nos figestes? nos últimos 525 anos"
-Rubén Ruibal Armesto
-Xosé Collazo Castro
-Xulio Anxo Martínez Costas
-Marcos Teira
-Antón Álvarez Sanz
-Henrique Gonçales Martins
-Ugia Pedreira
-Xan Antón Fernández Pequeno
-Xosé Luís Santos Cabanas
-Xelís de Toro
-Maria Lado
-Carlos Campoy
-Alberto Roldán
-Carlos Santiago

Comentários (3) - Categoria: Desenhos - Publicado o 02-12-2008 14:35
# Ligazóm permanente a este artigo
C@urel, ilhado



COMUNICADO DE SOS COUREL:

"O Courel está pechado pola neve, e sen luz e sen teléfono dende fai máis de 24 horas

Mentres moitos políticos galegos e os seus amigos de Valdiorras están esquiando a máis de 2500 ou nun balneario o quente, o Courel está pechado por a neve, ao non poder transitar polos portos de paso obrigatorio, algúns deles de menos de 900 metros. Calquera pode entender a zozobra da xente con problemas de saúde ou que ten nenos, neste concello tan rico e tan pobre.

O feito de que non haxa luz, inutiliza a telefonía móbil por deixar de funcionar os repetidores ou ao non poder cargar as baterías, sobre todo aquelas persoas que non dispoñen de cargador de coche, ou non teñen coche.

Esta asociación ben denunciando dende fai anos a vergoñenta asistencia sanitaria de emerxencias no Courel, así como a problemática das estradas, que son diseñadas non para o servizo dos veciños, senón para os intereses dos Concellos veciños, con máis votantes, ou intereses de industrias terceiromundistas en decadencia e ruína.

Non é tan importante mencionar agora, que o Courel quedou baleiro de visitantes, que tiñan reservado dende fai meses, e hoxe puideran estar desfrutando do Courel.

Pero xa sabemos o final desta historia macabra, como xa ten pasado noutras nevadas, despois de horas ou días de suspense dramático, aparecerán os heroes oportunistas, e quitando a neve das estradas as super excavadoras das famosas industrias desta Serra, ás que os sucesivos gobernos axudan despoboando as aldeas para que non teñan estorbos.
"

Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-11-2008 18:21
# Ligazóm permanente a este artigo
Jimmy Liao


Jimmy Liao é um escritor e desenhador taiwanés.

Jimmy Liao gosta de pintar sobre a liberdade.

Jimmy Liao escrebeu e pintou livros que despois passarom a ser filmes, obras de teatro e sonhos.

Esse minuto e meio de desenhos animados de aí arriba, inspirados num dos seus livros, foi umha curta premiada em Berlim no 2006.

No futuro currículo do Ensino Obrigatório até os 65, -EO65- as bandas desenhadas de Jimmy Liao som obrigatórias.

Aqui, mais Liao
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-11-2008 11:29
# Ligazóm permanente a este artigo
No caminho da língua


Interessante:

Xornada de servizos e produtos para a dinamización lingüística

"Obxectivos

* Favorecer o achegamento de traballadores/as de normalización lingüística das diversas entidades coas empresas que desenvolven produtos e servizos útiles para o traballo en servizos de normalización lingüística (SNL), equipos de normalización e dinamización lingüística (ENDL), etc.
* Facilitarlles aos/ás traballadores/as de dinamización lingüística o coñecemento de servizos, accións, propostas, actividades, produtos, etc., desenvolvidos por empresas e que poden ser contratados por SNL e ENDL

Destinatarios/as

* Por un lado, empresas que desenvolven e/ou ofrecen produtos e servizos directamente relacionados coa dinamización lingüística
* Por outro lado, coordinadores/as ou responsábeis de departamentos ou equipos de normalización e dinamización lingüística (SNL, ENDL, etc.)"


Sexta-feira, venres, 5 de dezembro de 2008, de 17.00 h a 20.00 h
Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 26-11-2008 23:41
# Ligazóm permanente a este artigo
Música para Artefacto burbur



"Si seguimos utilizando el lenguaje en su clave corriente, con sus finalidades corrientes,
nos moriremos sin haber sabido el verdadero nombre del dia"


Julio Cortázar




António Udina está morto
e tamén está morto Elvis
din os Living Colour
Elvis era branco
din
e por iso gravaba muitos discos
Se fora negro non poderia
non poderia nen rañar a guitarra
António Udina non era negro
pero dende logo non falaba unha língua de brancos
Tal vez esté entre nós o noso António Udina particular

El cando era pequeno non imaxinaba que ia ser António Udina
e centos de miles de estudantes saberian del
e saberian de memória a data da sua morte
El non o sabia
E Elvis tamén non
Pero Elvis era branco
E António Udina non falaba unha língua de brancos
Ademais falaba vegliota
Elvis facia rock porque vendia

António Udina falaba vegliota pero el non o sabia
porque xa en 1898 non quedaba ninguén que falara raguseo
Chamaba-se António Udina pero tamén lle chamaban Burbur
A Elvis chamaban-lle El-Rei
The King en inglés que parece mais importante
pero Elvis era branco
e por iso podia ser El-Rei
António Udina só podia ser Burbur

Entre nós nunca haberá un Elvis
a non ser que se faga branco e fale coa língua dos brancos
Pero todos somos António Udina
e nos chaman Burbur

Elvis era branco e por iso gravou muitos discos
António Udina non era negro
pero a sua língua non era de brancos
ainda que todos falamos dálmata algunha vez na nosa vida


Igor Lugrís

...


Excelente notícia, Fanny+Alexander musicará o poema do livro Quem nos defende a nós dos idiotas!
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 13-11-2008 09:00
# Ligazóm permanente a este artigo
Peixes


Segundo o biólogo Radakov
nos cardumes os peixes,
que podem chegar aos 3 milhons
de indivíduos,
nadam girando e
cambiando de sentido case ao unísono.

Os sistemas de dominaçom
nom existem, nem liderados permanentes
e assi
quando o cardume gira á esquerda porque aparece umha quenlha
ou á direita na procura de planctom,
os indivíduos que antes estavam
aos lados do cardume
ficam á cabeça.
E assi continuamente.

Todos os peixes vam construíndo o caminho
juntos,
ponhendo-se ou saíndo da cabeça do grupo
por azar.

Recordo umha pintada com spray
em Vigo:
Só os peixes mortos seguem a corrente.

Segundo Radakov,
quando os peixes se reunem em cardume
o grupo retém mais a calor,
aumenta a capacidade de alimentaçom,
protegem-se melhor dos depredadores
e facilita-se a reproduçom.
E si, está cientificamente comprobado
que os peixes tendem a nadar
contra a corrente.

Aínda que pareça mentira
sobre o comportamento sonoro das ras
tamém temos muito que aprender
para cambiar o mundo.

Comentários (3) - Categoria: Desenhos - Publicado o 05-11-2008 20:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Galiza, tu também és de pedra


Galiza, tu também és de pedra
No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra (1)

...

O teito é de pedra.
De pedra são os muros i as tebras.
De pedra o chão i as grades,
As portas, as cadeias, o ar, as fenestras,
as olhadas, são de pedra (2)




Chove sobre os olhos pedra,
sobre os muros e as paredes cai a pedra.
Os peitos são de pedra, de pedra os sorrisos, de pedra os teclados, de pedra.
Preta é a pedra de sombras baixo as pedras,
o chão também está feito de pedra,
de pedra as mãos e os livros, de pedra.
De pedra é o tempo, de pedra é a luz.
As sereas também são de pedra.
No tempo das democracias sonhadas
nos cárceres do pensamento os relógios são de pedra,
de pedra os frios corações despedaçados sobre os conceitos,
de pedra o crime e as ideias também de pedra.
De pedra as mortes, e as torturas, de pedra.
De pedra os noticiarios, os jornais, as revistas, de pedra.
O shopping, as aulas, as cadeiras e as esquinas são de pedra.
Os povos perdidos na origem dos tempos,
Galiza, tu também és de pedra,
de pedra os teus sonhos sobre as acacias também de pedra.
De pedra as mulheres e os homens.
Algumas crianças são também feitas com pedra.
Com o sorriso desdebuxado de uma civilização amnésica,
sepultada baixo a pedra.
De pedra as cabeças das gentes desta terra de pedra.
E eu morrendo, nesta extensa noite de pedra.


(1)Carlos Drumond de Andrade.
(2) Celso Emilio Ferreiro. Longa Noite de Pedra.

....


Iolanda Gomis Parada, prémio de poesia no XXVI Concurso Internacional Literário de Ediçoes AG, de Brasil.

Aqui, entrevista

Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-11-2008 16:24
# Ligazóm permanente a este artigo
Porto social na rua






















Porto.
Outubro 2008.
Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-10-2008 18:28
# Ligazóm permanente a este artigo
Um picapeixe no acuário


Hai uns dias tinha dez peixes de cores no acuário. Som acuarófilo desde hai vinte anos. O meu peixe favorito é o luitador de Siam, despois o fantasma negro.

Mas um dia apareceu um picapeixes pousado no vidro do acuário.

Esconde-se nalgum lugar na sala, detrás da tele, entre as revistas da National Geographic ou onde a Enciclopédia Galega. Nalgures.

Um amigo ornitólogo perguntou-me Passa algum regato pola tua sala de estar? Nom, dixem-lhe eu. Vivo num sétimo andar. Pois que raro, um piso nom é o hábitat natural do picapeixe, umm. Terei que passar algum dia por ali.

Mas nom passou. E ao dia seguinte só tinha oito peixes de cores na peixeira. E o picapeixes, pousado no borde do cristal, olhou-me com um fantasma negro no bico e, shhius, foi-se voando por detrás do sofá.

Quando apartei o sofá, desaparecera. E quando cheguei do trabalho dous dias despois só havia cinco peixes de cores no acuário, e o picapeixes, azul e laranja, com reflexos verdes, estava pousado no borde a olhar com olhada perdida o céu gris pola janela.

Intentei colhe-lo outra vez mas, como umha frecha, shhius!, saiu disparado e meteu-se detrás do televisor. Quando busquei entre os cables, desaparecera.

Assi que aos tres dias só quedava um peixe de cores no acuário. E o picapeixe seguia ali pousado na esquina, onde o tubo do filtro, tomando o sol que entrava pola janela, entre as antenas e o fume dos edifícios de enfrente.

Sentei com coidado no sofá e puxem-me a olha-lo. E de súbito, flassss!, disparou-se cara ao fondo do acuário, mergulhou-se batendo as asas como um lóstrego azul e, slump! caçou o penúltimo peixe de cores.

Voltou ao borde do recipiente com o peixinho no bico, secou a plumaxe num tremor, e enguliu o peixinho, sem mais. Despois olhou cara a mim, que estava com a boca aberta.

O picapeixe acabara com os meus dez peixes de cores.

Ao dia seguinte quando cheguei do trabalho o picapeixe seguia pousado no acuário vazio.
E ao outro dia tamém, como aguardando que entre as plantas do fondo aparecesse umha presa.

Por isso ao terceiro dia fum á tenda de animais e merquei outros dez peixes de cores.

Hai um picapeixe na minha sala de estar. Ás vezes desaparece entre os livros. Outras, por debaixo da mesa. Nom sei onde tem o ninho. Nalgures.

Aí o está. Aínda que deixe a janela aberta nunca sae fóra.


Comentários (3) - Categoria: Desenhos - Publicado o 18-10-2008 11:49
# Ligazóm permanente a este artigo
Na janela


O teu lugar preferido é o asento de atrás do coche.

Porque olhando pola janela do asento de atrás descobriste o mundo.

Umha bolsa de plástico azul no vento.

As casas chegavam por diante e marchavam por tras, e as árvores e as lavadoras abandonadas.

Através do cristal empanhado do inverno, dentro do circulo que fazias com o dedo para poder ver através, olhavas a néboa a difuminar o mundo.

E a chúvia aprendeu-che que o mundo se podia deformar.

Pola janela do coche confundias as estrelas com as luzes das aldeas. As luzes dumha aldea na montanha tinham a forma da osa maior.

O mundo passava e passava por diante da janela do coche e era interminável e tu abrias os olhos a buscar azores e coelhos e gasolineiras e homes com motoserras.

Sempre crias ver mulheres voando entre as nubes.

Deste lado da janela do coche atravesaste o teu primeiro incéndio e viste as primeiras metralhetas nos controis da guardia civil.

Tamém aprendeste a ler nas letras dos sinais com nomes de lugares, pintadas por riba com spray.

Desde o asento de tras, botando assi com a boca -hooouu- vapor no cristal da janela, desenhaste com os dedos as tuas primeiras palavras.

Pola janela do carro aos dous, tres, quatro, once anos..., cruzando corredoiras, estradas e autovias, desde fóra entrava o mundo.

E nunca apartaste a olhada.

Assi foi como, sem querer, Galiza tamém foi entrando-che polos olhos.

Arames com pinzas de cores sobre roupa negra, constelaçons de aldeas, letras pintadas com spray... e o resto.



....

A foto, desde sinalizagz
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 13-10-2008 20:42
# Ligazóm permanente a este artigo
As palavras dominam o mundo



1.

As palavras fixerom-me como som.
E a ti tamem.

Todas e cada umha delas
edificarom de vagar.
a nossa forma de ser.

Porque as palavras nom nos obecedem.
Todo o contrário.

As palavras som a espécie
mais inteligente do planeta.

E nós obedecemo-las, indiscutibelmente.

As palavras som a espécie superior por exceléncia.


2.

Desde um ponto de vista biológico
as palavras
levam relativamente
pouco tempo sobre a Terra.

Desde que colonizarom
os primeiros seres humanos
até hoje só passarom
uns milheiros de anos
e porém
hoje som a espécie mais numerosa
e invulnerábel.
Vai ser difícil liberar-se delas,
estám em todas partes
e reproducem-se dentro do nosso cráneo.

Cada dia duplicam o seu número
e aumenta o seu poder incesante,
e nós sem dar-nos conta
de que somos os seus servos,
territórios ocupados,
fontes de energia,
e as alimentamos
para que se reproduzam
infinitamente.


3.

As palavras
primeiro conseguirom moldear na nossa gorja
as nossas cordas vogais,
convertendo em voz os sons
do nosso espazo interior,
e despois lograrom reproducir-se
através dos nossos dedos
quando inventarom a escritura
-com consecuéncias dramáticas
para a memória humana-
nesse momento em que se di que começa
a história.

Com a invençom da imprenta em China,
em 1048,
na Europa em 1448 por Gutemberg,
puxemos a nossa tecnologia ao serviço
da sua reproduçom em masa.
E despois o teléfono, a rádio, a TV,
satélites, internet e todos os mecanismos
que nos oprimem hoje
sem dar-nos conta
de que a história do ser humano
obedece servilmente os intereses das palavras.



4.

É necessário pois estirpar,
extraer as palavras do nosso corpo,
erradica-las do planeta.
É a única maneira
de salvar-nos como espécie.
Vaciar-nos de palavras
e voltar a ser os animais
livres que sempre fomos
antes de que as palavras
decidiram fazer-nos crer
que nós as creamos a elas
quando, sem dúbida,
foi justo ao contrário
e elas nos eligirom a nós
pola nossa debilidade
entre outros animais,
o rinoceronte ou o lagarto,
por exemplo.

É necesário liberar-nos das palavras
antes de que seja demasiado tarde.


........


Ilustraçom: cordas vogais
Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 06-10-2008 11:57
# Ligazóm permanente a este artigo
Qual a minha velocidade escritora?
20 palavras

Speed test



Pois é facile e divertente!

Proba a velocidade dos teus dedos.

Via chuza.org
Comentários (14) - Categoria: Desenhos - Publicado o 03-10-2008 21:17
# Ligazóm permanente a este artigo
Coco explica o etnocentrismo lingüístico


O-ola, nenos,
o-ola, nenas, som Coco!

Sabiades que todas as línguas do mundo
tenhem os mesmos direitos,
en Po-polónia, em Ma-madrid
ou na Ga-galiza?

Pois, pois, pois...
se falamos de línguas
conheço algumha gente que vive aqui
no Bárrio Sésamo,
em Madrid,
ou em Vigo
que-que nom entendem que o galego seja unha língua
como outra qualquer,
hi, hi!
co-como o espanhol
ou o inglés,
e polo tantoooooooo
que...
todo o que se pode comunicar em qualquer idioma
pode comunicar-se em galego!
E vice-viceversa!

Aqui no Báaaaaarrio Sésamo,
como em Madrid ou na Repú-pública Checa,
hi, hi,
temos direito a ter
eu que sei....
os extintores do hospital na nossa língua,
e as facturas do súper, na nossa língua.
e os vi-vi-video-jo-jogos, na nossa língua

e assi sucesivamente!


Si, amiiiigos e amiiiigas!
E nom é por levar-lhe a contrária a ninguém.
É porque algunha gente somos assi,
ga-galeg@s,
me-mesmo sem querer.


Hi, hi!
Hai quem pensa
que a cultura espanhola é melhor
que a ca-catalana ou a ba-basca ou a ga-galega,
ou a por-portuguesa,
e nom enteeeeeeeeeeeeendem
que.... som..... simplemente....
culturas diferentes!!!!!

Isto chama-se etnocentrismo!
Et-no-cen-tris-mooooo!
hi, hi,
que palavra mais rara, nom-nom si?

O etnocentrismo espa-panhol,
como qualquer outro,
sempre vai acompa-panhado
doutras palavras raras...
xe-xenofóbia,
dis-discriminaçom
pre-prejuíços,
e origina casos mui curiosos.

Por exemplo,
Carmen,
a pesar de que vive em Lugo
é umha se-senhora um poooooouco
etnocentriiiiiiista
e assi
no periódico etnocentriiiiiiiista espanhol El Mundo
o 28 de setembro de 2008 di:


Yo soy de un pueblo re-remoto donde hablaba gallego, pero fui vendedora y me acostumbré a tratar con el público en espa-pañol


Hi, hi... Ou:

Han tenido que inventar palabras en gallego para poder redactar los libros
de texto escolares.


Ou, hi, hi:

El año pasado mis hijos iban a un colegio
donde incluso los apuntes de Gimnasia eran en gallego.


Ou, hi, hi:

Lo que no puede ser es que aprendan Física y Química en gallego

Hi, hi, ou:

Es muy bonito vivir en Galicia, pero por desgracia o por suerte, hay que salir de la región para avanzar profesionalmente

Hi, hi, nenos, nenas,
hoje estamos a falar do etnocentriiiiismo!

Recorda-dade que o etnocentriiiiiiiiismo favorece
o autoritariiiiiiiiismo e todo tipo de compleeeeexos,
de superioridade e de inferioridade.


O etnocentriiiiiiismo linguístico-co
chega a provocar que algumha gente
se avergonce
da língua em que aprendeu a fa-falaaaaar,
e chegue a creeeeeer
que nom se pode aprender educaçom física ou
matemáaaaaaaaticas
na lingua em que ela mesma aprendeu a falaaaaar
quando eram neeeeenos e neeeeenas.

Sempre houvo em Bárrio Sésamo,
em Madrid
e tamem aquí na Galiza,
gente que nom gos-gosta nada
de que em Galiza se fale galego.

Melhor seria se todos falasemos espa-panhol,
que fossemos iguais que eleeeeeees?
pensarám.

Maaaaaaaaaas,
como dixo a ra Gus-Gustaaaaavo o outro dia...
Despois de mais de catro séculos de política asimilista,
exercida com toda riqueza de astucias e violencias,
o noso idioma está vivo
.

E isto é todo por hoje, neeeenos
e neeeenas.

Manhá vamos aprender a diferéncia
entre Atráaaaaaaass...
e, plas, plas, plas.
Adiaaaaante...

Aburinhooooooo!


Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 01-10-2008 12:21
# Ligazóm permanente a este artigo
Em galego na Star Academy na Franza


Sorprendentemocionante!

A belga-galega Ana causou grande surpresa ao improvisar a cappella uma cantiga de berce tradicional galega durante a edição do 26 de Setembro do programa da televisão francesa Star Academy 8

"Chora, meu meninho, chora,/ quem che há de dar a teta// tua nai vai no muínho/ e teu pai na lenha seca?"


Via chuza
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-09-2008 21:15
# Ligazóm permanente a este artigo
Língua e humor social: resiliéncia


Lijó e Meixide, esse duo cómico estupendo, explicam-no mui bem: Nós preferimos estar de bom humor que de mal humor. E si, preferimos estar alegres que tristes. E rir que chorar.

Pois nós tamém.

E que será isso da resiliéncia?

Em diferentes universidades sudamericanas a resiliéncia ocupa um lugar preferente na formaçom de mestres e psicólogos sociais.

A resiliéncia é um desses conceptos clave para comprender e facilitar os cámbios sociais.

A resiliéncia comunitária investiga os processos colectivos dos que umha sociedade bota mao para se enfrontar e superar umha catástrofe, natural ou social.

Porque a perda da nossa língua, que afecta especialmente a nossa infáncia e mocidade, é um desastre para nós e a própria humanidade, aqui estamos para reflexionarmos, mais umha vez, sobre o cámbio social que a nossa língua precisa.

Na nossa sociedade existiu e existe umha reacçom colectiva -protagonizada por diferentes grupos ou agentes sociais ao longo do tempo- que se enfronta á adversidade da desgaleguizaçom, seguindo umha tradiçom de defensa do património cultural, ultimanente em paralelo á defensa do património natural.

Mas as desgraças podem converter-se em desafios que mobilizam as capacidades da cidadania para superar os problemas, renovando e fortalecendo o tecido social porque, si, ás vezes sucede que a resposta a um proceso destrutivo é a criatividade social.

O xurdimento dos movimentos sociais contemporáneos, de intençom política transformadora desde a cidadania -que se rebelam contra as regras da política partidista e criam e difundem umha innovadora cultura de participaçom- responde a esta vontade resiliente.

A história demostra que, especialmente nos momentos de crise, quando a gente, a cidadania, ergue as suas vozes e as suas maos o sistema trema.

E este é um momento de crise: a crise da língua.

Fala-se de quatro elementos claves da resiliéncia comunitária, que se ponhem em jogo em quanto a comunidade social sofre umha catástrofe:

- a autoestima colectiva.

- a identidade cultural.

- o humor social.

- a gestiom governamental.

A ver logo:

1. AUTOESTIMA COLECTIVA:




Um dos principais problemas da Galiza é a adopçom transgeracional de prejuíços lingüísticos que derivam numha certa patologia social do auto-ódio pola que a própria língua da Galiza é menos valorada por parte da sociedade galega.

Esta perda de valor deriva numha perda do uso do idioma, e viceversa.

Nom existem muitos estudos em profundidade sobre a percepçom negativa da língua dumha parte da cidadania mas é evidente que o principal factor de desgaleguizaçom é a escasa valoraçom social da língua galega por parte da povoaçom, motivada por um proceso histórico violento.

A auto-estima colectiva abrangue a conciéncia da riqueza natural, ou tamém a identificaçom com os valores criados em sociedade, entre os que a língua ocupa o lugar central pois é o principal instrumento de coesom da própria comunidade.

Porque nos esquezamos que quem construe comunidade é a comunicaçom, de COMMUNICARE: ser, ter em comum.





Quando dicemos Eu som galego ou galega mostramos umha satisfaçom -por ser como somos, nem melhores nem piores que outras culturas- que implica reconhecer que formamos parte dumha sociedade e compartimos os valores que a fundamentam, como a língua.

No ano 2003 a raíz da manifestaçom do movimento cidadám Nunca Mais em Madrid recolhemos algums textos de persoas galegas residentes na capital de Espanha a comentar a sua experiéncia com a língua. É curioso como mesmo em persoas nom galego-falantes a língua segue a ser comprendida como o sinal coesionador da identidade comum:

Chámome Natalia, teño 23 anos e son estudiante. Levo vivindo en Madrid dende hai 6 anos. Este ano estou vivindo en Villanueva, un pobo o norte de Madrid capital. O sábado 22 baixei a Madrid, collín o metro ata Praza de España e cando sain á rúa, algo novo había no ambente: o galego. Podiase escoitar á xente falando tanto en galego coma en castelán, con ese acento que nos caracteriza. Naquel intre invadiume unha gran ledicia, a pesar da distancia sentinme mais preto da casa.

O domingo, na manifestación, o uso do galego pareceume correcto e lóxico, xa que a lingua nos une. Eu son castelanfalante, pero sinto que a lingua galega uneme moito a miña terra, por iso, ainda que poida parecer estrano, falo mais galego aqui en Madrid que en Vigo.

...

Chámome Tamara, teño 23 anos e son xornalista. Vivo dende hai 6 anos en Madrid. Durante meses vivín na angustia da distancia a catástrofe que asolaba a nosas costas. A impotencia de estar lonxe sen poder acudir como voluntaria facíame sentir realmente mal.

(...)A manifestación do domingo para mín foi todo un éxito!! Durante toda a fin de semana foise notando moi a modiño como Galicia comezaba a invadir Madrid. Só con saír á rúa, de cando en vez, sentíase a alguén falando ben en galego
ou ben con ese inconfundible acento noso. O domingo foi un día grande para os galegos. Creo que todos xuntos conseguimos convertir una reinvindicación política, seria e tráxica, en toda unha festa. Todos eramos estranos pero había algo que nos unía: a protesta e a maneira de expresala.

Falar e escoitar o galego pola Castellana foi toda unha experiencia. Habitualmente non falo galego pero na miña casa, os meus pais si que o fan. Aínda que nunca lle din importancia a falta da lingua na capital xa que eu non o uso diariamente, ese día fíxome pensar que en realidade, esa lingua forma parte íntimamente de min.

Paréceme ben que se emplease o galego para manifestar o que os galegos levamos dentro. A traxedia da terra é tan forte, tan inmensamente triste que a única e a mellor maneira de expresala é deixando saír desde o máis profundo da alma os sentimentos. E cando un sentimento é profundo exprésase na lingua materna, neste caso o galego.





2 IDENTIDADE CULTURAL



Entende-se identidade cultural, nesta altura, como a persisténcia dum ser social como unidade e identidade durante o transcurso dos cámbios e diante de circunstancias adversas.

É um proceso interactivo que implica a participaçpm dumha série de valores, costumes, cultura e idioma.

O grupo social adquire assi um sentido de igualdade e continuidade.

Na era da globalizaçom e as forças uniformizadoras, a identidade cultural é umha das fontes de biodiversidade cultural para a humanidade.

Diante dum problema social, as povoaçons que respeitam e celebram a sua cultura tradicional, e a actualizam e modernizam, mostram umha maior capacidade de recomponher-se e renacer.


3. HUMOR SOCIAL


-Ese muchacho dicen que sabe muchísimo.
- Si, pero tiene un acento tan gallego...



O humor social vem sendo a capacidade da comunidade para atopar o cómico em méio da tragédia á que se enfronta. Sobre essa espécie de humor galego que demos em chamar retranca hai umha interpretaçom que asegura que é umha forma de expresom defensiva diante dumha autoridade ou poder agresivo.

O humor facilita a visualizaçom das privaçons e problemas colectivos e permite manter umha distáncia do problema originando soluçons e tomas de decisons para resolver esse problema. O humor favorece o pensamento divergente, a criatividade e as soluçons innovadoras para acometer a crise.

Quando um povo ou grupo tem umha alta autoestima colectiva o humor que aponta aos símbolos, aos mitos, nom deve gerar-lhe inseguridade.

Um exemplo do humor social que melhor calhou na Galiza actual forom as mensages irónicas sobre a própria identidade galega criadas, por exemplo, por Aduaneiros sem Fronteiras -como esse desenho de Castelao ensanguentado e o lema Kill your idols-.

A versom mariachi da que tanto gostamos -com música adaptada desde Allá en el Rancho Grande- do himno galego poderia ser outro exemplo.


4. GESTIOM GUVERNAMENTAL

A adecuada gestiom guvernamental a prol da soluçom da catástrofe é o cuarto elemento necessário para superar a crise. Fai reféréncia á honestidade e dignidade no trabalho dos asuntos públicos cara á superaçom da crise.

Quem estaria disposto a participar dumha reconstruçom se nom confia naqueles que administram os recursos asignados á tarefa?

Ou fazendo a pergunta doutra maneira:

Quanta gente estaria disposta a participar dum proceso criativo em torno á língua, -expansivo, aglutinador, participativo- se o governo conseguise articular sinérgias que sumasem múltiplas forças sociais, com diálogo e trabalho em rede?

Pois seguro que bastante mais gente da que pensamos.




Ao nosso entender temos dous problemas importantes:

1. O actual governo da Xunta segue sem socializar, sem comunicar, sem informar directamente á cidadania, sem criar comunicaçom, -algo que o governo anterior simplemente censurou do discurso público- e sem criar relaçons na cidadania en torno á situaçom preocupante da língua galega.

A Xunta segue sem fazer visíbel cara á cidadania o problema da língua galega, e sem asumir cara adentro que o problema é grave, umha das catástrofes culturais da Europa do séc. XXI.

2. E polo tanto, desde essa inconsciéncia e borrosidade, ao nom existir preocupaçom social, nom se dá activado -desde quem teria supostamente a responsabilidade política- o proceso de cámbio social do idioma.




De aí que, sempre vital, necessária, imprescindível, -em qualquer momento histórico- a participaçom social directa por parte da cidadania mais comprometida e consciente segue a ser absolutamente vital, necessária e imprescindível diante da desafecçom social dumha parte importante da cidadania, do enfrontamento directo de grupos de poder anti-galegos e da impotente e ineficaz política lingüística do governo.


Ou como di O Leo, -retrucando o Mexam por nós e temos que dicir que chove de Castelao-, cambiando a história:

Mexan por nós
e
caghamos por eles










Comentários (12) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-09-2008 19:07
# Ligazóm permanente a este artigo
My teacher is a donkey




Xis Magarinhos tinha trinta e cinco, gostava de viajar a países exóticos no verao ?o último fora Dinamarca-, tinha uns lentes redondos e era o xefe de estudos do instituto.

Era um licéu pequeno, em cuarto de secundária só havia sete alunos e tres alunas, e em terceiro, quince em total. Magarinhos nunca tivera tantas horas livres e havia días nos que, com o aborrecemento, chegava mesmo a colher sono.

Sempre preparava as aulas dez dias antes e deixava-lhe as fotocópias ao zelador com umha semana de previsom. Estava mui bem organizado. E sempre colhia de primeiro o jornal da sala para fazer a sopa de letras. Mas, aínda que sempre havia algo que fazer na xefatura de estudos, um dia veu num cristal como na boca aberta lhe entrava umha mosca.

Caía pior que melhor porque com el suspendia bastante gente e era um desses profes que crem que a sua materia é a mais importante. E nom parava demasiado com os companheiros e companheiras, sempre lhe custara colher confianza, e mais mante-la.

Ademais tinha outro problema: as línguas davam-se-lhe fatal. Por isso sabia que nom era um modelo explicando ?sempre com digresóns e reticéncias-, que nom tinha o que se di dom de palavra ?ás vezes chegava a tatexar-.

Mas o que pior levava era o inglés que intentara aprender inutilmente durante tantos anos, de neno e despois na adolescéncia.

Lola dava inglés. A princípio de curso, recém chegado de Irlanda ou Viena ou Praga, Magarinhos sempre lhe dicía Merda, é que nom tenho nem idea, som um desastre para o inglés! Um dia tenho que matricular-me numha académia... Aínda que no fondo sabia que nunca o faria.

Começara a ir ao ginásio tres vezes e á piscina quatro ou cinco e sempre acabava deixando-o. E com o inglés sabia que passaria o mesmo ou pior. Nos últimos dez anos começara um curso por fascículos e outro por correspondéncia e os dous abandonara-os antes de dar aprendido bem os números.

Assi que um dia tivo umha ideia, que lhe veu como um flash num cámbio de aula.

El saía e Lola entrava em 4º A. Entretivera-se com a soluçom dum problema e Lola chamou á porta... Olá?

- Ah, Lola, desculpa, é que nos liamos... Já acabei.

- Nom te preocupes, Xis.

Quando se cruzarom na porta Lola dixo-lhe Se queres quedar... E chiscando um olho: Hoje vamos ver algúns verbos doados.

- Falha me fazia... Dixo abrindo os olhos e encolhendo os ombros... Venha, chau.

Na biblioteca, fichando os dez livros novos, pensou E por que nom?. E no recreo foi onde Lola.

- Lola, umha cousa...

- Di-me.

- Vai-che parecer umha tonteria. E si que o é... Digo eu... E que che pareceria se fosse ás tuas aulas de inglés de 4º A?

- Como?

- Nom sei, suponho que nom será mui legal e todo isso, ou ao melhor si, eu que sei, mas...
- Tu estás mal da cabeça...

- Ahá... Podiamos ve-lo? algo así como um experimento, um exercício didáctico, umha proba metodológica, eu que sei. Eu vou ás aulas e aprendo inglés e?

Patatim, patatám, ao final convenceu a Lola e o primeiro día que quedou na aula aos sete alumnos e tres alumnas explicou-lhes ?com digresóns e reticéncias- que aquilo era parte dum projecto pedagógico e que desde aquela até final do curso seria o seu companheiro nas aulas de inglés.

A primeira avaliaçom suspendeu-na.

- Lola, sinto-o... ?dixo-lhe envergonhado- É que com a xefatura e o lio que tivem na casa com a mudanza... Já ves que quando me ponho vou fazendo os deberes... Mas..., nom sei... De veras, na segunda avaliaçóm vou ponher-me em sério e adiante...

Magarinhos sabía que o inglés non acabava de... El intentava-o mas... A gramática, o léxico..., uf. Na aula distraía-se umhas vezes com o voo dumha mosca e outras com os ruxe ruxe dos rapaces e as rapazas que, quando descubrirom que o inglés se lhe dava tam mal como a eles ?agás a Vítor e a Ugia, que semelhavam ter um instinto especial- começarom a deixar-lhe os deberes quando el nom os sabia fazer, ou se esquecia de traze-los, e a pedir-lhe os seus quando eles nom os levavam da casa.

A segunda avaliaçom foi um pouco melhor. Aprobou dous parciais e suspendeu um. Mas seguia a ter-lhe pánico aos exercícios orais que, entre tatexo e tatexo, faziam que se sentisse ridículo.

Um día levantou a mao e atreveu-se a sugerir:

- Lola, por que nom nos pos algo de música?, nom sei, algo dos Rolling Stones ou...

- Si, si, ou de Eminem, dixo Vítor.

- Nom sei, Lola, para trabalhar com algo diferente assi de vez em quando...

- Os Rolling Stones? Sabes, Magarinhos, aqui no programa nom aparece por ningúm lado nada sobre rock contemporáneo. A minha forma de dar aulas é assi. Seguro que hai mil formas de impartir inglés, mas esta é a minha, a tradicional, já sabes: trabalho e esforço... Para aprobar o que se necessita é esforço...

- Já, aprobar é importante, Lola, mas o que eu quero é aprender, aprender inglés...

Lola tusiu. E como sempre fazía quando um aluno se enfrontava a ela dixo:

- Venha, cambiamos de tema, e se hai algúm problema ves falar comigo despois.. E agora um ditado.

Nom foi falar com ela despois. Magarinhos tinha o seu orgulho.

E tamém suspendeu a segunda avaliaçom, como o resto de 4ºA menos Vítor e Ugia.

- Uff, Lola, juro-che que desta me esforcei. Fixem sempre os exercícios da casa ?mentiu- e na aula...

- Nom sei, Magarinhos, sigo sem ver os frutos do esforço. Fixeche bem duas probas mas o resto..., o resto foi um desastre. E na aula, vexo-te distraído, ás vezes estás em Bábia e o outro dia nom parache de falar polo baixo com Humberto, aínda despois de que vos chamara a atençom... E que me dis das probas orais?

Vale, o inglés daba-se-lhe fatal. E estava totalmente desmotivado. Pensou em deixa-lo, e mesmo começou a sonhar que tamém suspendia a terceira avaliaçom, e a durmir mal. Ademais, nom queria problemas com Lola? Rosa, a de língua, já lhe preguntara com um risinho malicioso no corredor: Que, Magarinhos, semelha que hai problemas com o inglés, eh? E começava a escoitar ao resto da clase, especialmente a Víctor, rindo del quando se equivocava nalgumha resposta.

Mas se conseguira acabar a carreira e aprobar as oposiçóns nom era possível que puidese suspender aos trinta e cinco o inglés de 4º da ESO.
Passa-se o que passa-se nom abandonaria. Tinha que esforçarse mais.

Mas aquelas tres horas eram as piores da semana. Ponhíam-no de mal humor. Saía delas cada dia mais frustrado e chegou a pensar que Lola sempre lhe fazia as perguntas mais complicadas, como se lhe tivese manía ou algo assi.

E quando chegava á casa abrir o libro de texto e a libreta era o esforço mais custoso do dia. Ademais, tinha que ler Romeo e Juliet numha versom reducida de 80 páginas e nom conseguia acabar um parágrafo seguido sem se perder.

O dia do exame final viu aquilo na pizarra quando entrou a primeira hora: ?My teacher is a donkey?. Sabía que donkey nom era nada bo, e borrou-no mordendo a rábia. Nom se ía pór á altura dum neno de quince anos. Mas a letra era a de Vítor e se as cousas nom fossem como eram..., pensou, ninguém o librava de comer um par de óstias.

No exame Lola preguntou-lhe como perderam a vida Romeo e Juliet e el nom se acordara de como se diciam nem veleno nem coitelo em inglés. Quedou bloqueado e começou a tatejar the...they loving, she she death, the lo love, oh, my my my god, Lola... até que lhe pediu, por favor que lhe perguntasse qualquer outra cousa, que el lera case todo o livro, que mesmo abrira o dicionário e que...

- Zanks, sit daum..., escoitou.

Todo dependia do exame escrito que entregou pensando que fora o melhor exame de inglés da sua vida e que recebeu corrigido ao dia seguinte com umha palavra em vermelho a encher todo o fólio: Suspenso.

Esse curso todos os alunos e alunas de 3º e 4º de secundária aprobaron matemáticas, Xis Magarinhos pediu o traslado do centro, matriculou-se num curso de checo e o último dia do instituto, sem que o visse ninguém, escrebeu com umha chave na porta do Citröen de Lola: DONKEY
Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 23-09-2008 22:56
# Ligazóm permanente a este artigo
Piratas power


Um vídeo mui, mui, mui!

Reconquista de Toralha

Com Burt Lancaster e mais 500 piratas.

Os malos do filme som malos, malos de verdade.

Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 21-09-2008 21:24
# Ligazóm permanente a este artigo
Por que NH?



FAQ: Frecuently Asked Questions: As perguntas mais frecuentes sobre o Reintegracionismo, essa cousa que nom para e segue e segue.

Por que NH e nom Ñ?, entre outras cousas...

Com a garantia da Gentalha!

....
....

Penso que en quanto se exclua dos espaços públicos -ao xeito dos ilegais ou sem papeis- a gente que escrebe a nossa língua com NH -gente mui activa e trabalhadora, gente que impulsa a língua alá onde vai incansavelmente- o chamado processo de normalizaçom da língua nom está legitimado.

Quem supostamente está a impulsar desde as administraçons o processo de popularizaçom do nosso idioma caem numha grave contradiçom.

Como podemos pedir-lhe aos nossos vizinhos e vizinhas que nom falam nem escrebem galego que o fagam se ao mesmo tempo proibimos ou marginamos, de facto, as palavras dumha parte d@s galego-falantes mais activos?



Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 15-09-2008 20:49
# Ligazóm permanente a este artigo
[1] ... [5] [6] [7] 8 [9] [10] [11] ... [18]
© by Abertal