Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Falas menos galego que un telettubi



Falas menos galego que un telettubi


Daria Shornikova é rusa. Ten 19 anos e aprendeu a falar galego en Petersburgo. Marga ten 18, vive en Vigo e di que se sente rara falando galego. Blanka é bosnia, ten 20 anos. Fala o galego que aprendeu na cidade croata de Zadar, na universidade. Marcos vive en Ferrol, ten 18, non fala galego. Mólanlle os Dios ke te Crew. Tom é escocés. Fala galego. Ten 20. Coñeceu a Blanka nunha viaxe de estudos a Santiago, gustáronse e liáronse falando galego entre eles.

Lucía ten 17, é da Coruña, di que non sabe falar galego. Dili é coreana. Chegou a Galiza para estudar castelán porque lle gustaba La Oreja de Van Gogh e aprendeu castelán e galego. Cando fala galego ten acento coreano, un sotaque de milleiros de quilómetros de distancia.. Mónica naceu en Pontevedra, ten 20, non fala galego nunca.

Alexandra Radu chegou a Vila de Cruces aos 13 anos desde Romanía. En romanés eu tamén se di eu. Axiña comezou a falar en galego. Ao final do curso xa falaba e escribía moi ben a nosa lingua. Romina ten 19 anos, é italiana, naceu ao pé do vulcano Vesubio, gústalle o submarinismo. Fala bastante ben para levar aquí só un ano.

Rosa ten 19 e traballa de caixeira no súper onde Romina fai a compra. Romina fálalle galego todos os días, Rosa nunca lle contesta en galego. Eva naceu en Andalucía e chegou a Galiza aos 24, aos 25 aprobou as oposicións de educación física. Hoxe dá as clases no seu galego con sotaque de Cádiz. Ten alumnos e alumnas que non falan galego porque lles dá corte. Cando Ignacio aos 16 comezou a falar as súas primeiras palabras en galego recén chegado de Madrid algúns colegas ríronse del. Deixou de intentalo. Aínda que dous anos despois decidiu pasar do que dixera a xente, e hoxe fala galego sen problemas.

Eduardo Estévez chegou aos 20 e poucos de Arxentina. Primeiro aprendeu a escribir en galego e logo a falalo. Publicou varios libros de poesía na nosa lingua, que agora tamén é a súa lingua. Podes atopalo na Galipedia, a wiki galega.

E a Daria Shornikova podes vela en Youtube, explicando que se lle fai estraño que haxa galeg@s que non falan galego. En Rusia non hai rus@s que non falen ruso. A Blanka e a Tom tamén podedes velos en Youtube, contando que, como non coñecen aínda moitas palabras do noso idioma, ás veces acaban inventando algunha.


Ás veces parece que podería ser máis doado que o resto do mundo se botase a falar galego antes de que o fagan algúns galeg@s que semellan terlle alerxia á nosa lingua. Cando escoito falar a Daria, a Blanka, a Tom, a Dili, a Álex, Eva, Romina ou a Eduardo pregúntome por que lle resultará máis fácil falar galego a un estranxeiro que acaba de baixar do avión que a algúns galegos que levan aquí toda a vida. Hai galegos e galegas para quen a língua máis difícil de falar no planeta é o galego. Precisamente.


Hai galegos que falan menos galego que un Telettubi. Eu, por exemplo, cando tiña 15 anos. Falan máis galego os catro telettubies xuntos nun capítulo do que falaba eu nun mes enteiro daquela, cando tiña quince anos.

Daquela comecei a facerme preguntas: Por que non podía eu falar galego coma se tal cousa? Por que tiñamos que pagar a xente nova os prexuízos lingüísticos d@s maiores? Por que se estaba desgaleguizando a miña xeración? E botáballe a culpa á sociedade, coma se fose algo contra o que non se puidese facer nada.

Afortunadamente deime de conta de que iso non era normal nen irreversíbel. Non era normal que chegase a envexar os debuxos animados xaponeses da tele porque falaban galego con toda a naturalidade que eu non tiña. E fixen o único que podía facer. Poñerme a falar galego.

Em O Noso Nadal Galego e Verde (12/2009)
Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 08-12-2010 21:51
# Ligazóm permanente a este artigo
Cada casa, umha escola


A minha viagem sociolingüística de Galiza ao Kurdistam Norte.
Seis vozes a falarem da sua vivéncia do conflito lingüístico, da política represiva do estado turco, da criatividade social, de procesos de transformaçom social e persoais.
Um documentário com helicópteros militares, palhasos, sorrisos, escolas tingidas de vermelho, hip hop e o rio Tigris.

Umha olhada com curiosidade.
Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 07-12-2010 11:34
# Ligazóm permanente a este artigo
Lois Pereiro, Gz
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 01-12-2010 13:37
# Ligazóm permanente a este artigo
Lois Pereiro Punk!


A. Auga.Ar.
A Amnesia do vencido, a Atracción do
Abismo, a Arbre ó pé da Arbre, e a
ledicia do espacio circundante.
O Atlantico é a Alma e o Acantilado o
corpo da súa chamada Atroz.

Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 01-12-2010 11:39
# Ligazóm permanente a este artigo
A língua de Estrela
O primeiro dia na escola.

Um conto escrito para o Kurdistam, pensado desde Galiza. E viceversa.



Era-se umha vez umha nena que se chamava Estrela. Umha nena mui mui pequerrechinha. Do que mais gostava Estrela no mundo nom era do pam ou dos axóuxeres, da teta de sua mai ou das estrelas. Nom. Havia algo do que gostava por riba de todas as cousas: As palavras. Primeiro aprendeu a escoita-las, marabilhada, e despois começou a pronuncia-las com muito cuidado, com medo a rompe-las, pareciam frágeis, descobrendo cada umha delas com muita emoçom.

Descobreu que as palavras dominavam o mundo. Se ela dicia: Água, em seguida alguém lhe achegava um pouco de água. Se a ela lhe diciam: Quero-te, iluminavam-se-lhe os olhos e entrava-lhe um vento no peito. E dava-se conta de que o mundo cambiava ao ritmo em que a gente ia pronunciando palavras. As palavras podiam com todo. Eram poderosas.

Um dia todo o mundo começou a dicer: Que bem fala Estrela, Que pequeninha e quantas palavras sabe. Esta nena é mui lista!

Estrela juntava as palmas das maos e abria-as como se fosse um livro. Mira, um cam, dicia-lhe a sua mai. Mira, um lobo, dicia-lhe a seu pai. E mais adiante, aínda que nom sabia ler, colhia umha folha de jornal ou um livro e fazia que lia e contava-lhe a sua mai um conto dumha cabra que nom podia sonhar, e a seu pai umha história dum melom que tinha dentro um paxaro e á sua irmá, um conto dumha nena que dava a volta ao mundo em bicicleta.

“Manhá começas a escola, Estrela. E vas aprender a ler. E vas aprender a escreber.” Essa noite, com a emoçom, Estrela sentiu como se tragasse as palavras e as tivesse todas no estómago, a revoar como um milhom de bolboretas.



Mas o primeiro dia de escola sucedeu algo inesperado. Quando a mestra abriu a boca a palavra que pronunciou nom era umha das palavras de Estrela. E quando a mestra escrebeu a primeira palabra na pizarra e a leu em voz alta, Estrela descobreu que aquela tamem nom era umha das suas palavras. E as palavras do livro que leu a mestra tamem nom eram palavras do seu idioma.

Era como se as suas palavras nom puidessem entrar naquel lugar. Como se as palavras que levava dentro tivessem que ficar fora da escola. Ela podia entrar, mas as suas palavras nom.

Assi que o primeiro dia na escola Estrela aprendeu a esconder as suas palavras. As palavras do seu idioma. Essa foi a primeira lecçom.

Essa noite as palavras de Estrela moverom-se na sua barriga como bolboretas de todas as cores. E quando ficou durmida sonhou que milheiros de bolboretas saiam livres pola sua boca.

Ao dia seguinte, nada mais entrar na escola, Estrela abriu a boca e ceibou umha das palavras da sua língua, como umha bolboreta arco-iris... E daquela puido escoitar aqueles risos. Ao primeiro, em voz baixa.

Quando ceibou outra das palavras do seu idioma, os risos medrarom e ela deu-se de conta de que se estavam a rir dela.

Estavam-se a rir das suas palavras. E, sem saber mui bem porque, Estrela sentiu um pouco de vergonha. Por primeira vez na vida sentiu um pouco de vergonha das suas próprias palavras. Do seu idioma.

E daquela comprendeu.

Daquela Estrela descobreu por que havia gente que tinha vergonha de pronunciar as suas palavras, por que havia gente que se avergonzava de falar a sua própria língua: porque isso era o que lhes aprendiam na escola desde o primeiro dia. Essa era a segunda lecçom que se aprendia na escola: Avergonzar-se do seu próprio idioma.

...


A Irfan Guler.

...

1º Foto: nena kurda, Onnik Krikorian, arquivo UNICEF
2ª Foto: Nena montada numha bici na Pastoriza. Julio Rojas.

Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 21-11-2010 12:59
# Ligazóm permanente a este artigo
Viagem ao Kurdistam. Crónica com rotulador.


Convidados pola Editorial Avesta, viajamos a Turquia e o Kurdistam para apresentar as traduçons do Made in Galiza ao kurdo e ao turco.



Levavamos com nós um exemplar do manual de língua kurda que, editado polo Concelho de Compostela em 2005, foi enviado ás académias kurdas. Os 2.000 exemplares publicados forom incautados na alfándega polas autoridades turcas e nunca chegarom aos seus destinatários. O exemplar que levavamos com nós era um supervivente.



Umha viagem longa... para conhecer umha língua irmá.



Istambul, Galatasaray, Torre Gálata. No cimo da torre vive Miguel de Lira.




Para fazer-se entender, nada como as línguas próprias dos povos... No Kurdistam, numha situaçom de censura e represiom lingüística, cultural e política gravíssima, os kurdos e kurdas agradecem com grandes sorrisos, e sorpresa, que intentes falar na sua língua. Pola contra, algumha gente de traxe e gravata enfurrunhava-se quando saudavamos em kurdo.



Irfan acabando de traduzir a conferéncia para a Feira do Livro de Istambul.

Quando chegamos ao Kurdistam perguntei-lhe:

- Oes, Irfan, e aqui a gente nova junta-se para fazer algo parecido ao botelhom?
- Umm... si. Juntam-se para fazer cockteis molotov.




Muito picante...



E chais todo o dia...



Numha ferrancheria no Kurdistam mercamos um péndulo... por se acaso fosse necesário hipnotizar alguém. Método de hipnose para falar idiomas... Lástima que nom me poda hipnotizar a mim mesmo!



Um burro em Mardim.



No hotel havia um home mui grande. Ao dia seguinte apareceu um anano.




Neste hotel roubei umha culherinha. Porque quando saudavamos em kurdo se enfurrunhavam.



Mulher, alfombras, mediodia em Midyat.



Em Midyat, chais num antigo caravansar.



Em Hasankeyf, umha ponte sobre o rio Tigris, na antiga Mesopotámia. Um camareiro árabe dixo-nos que Amed/Diyarbakir "is a city full of crazy kurds". Um exemplo dos prejuíços contra os kurdos.




Chegando á cidade de Batman, -si, a cidade chama-se Batman- atopamos na verma da estrada um home que vendia animais desecados: castrons, puchinhos, ovelhas, coelhos... Puchinhos desecados! Um taxidermista de animais de granja. Deu-nos o seu bilhete de apresentaçom, com orgulho toureiro.



Sonhando em kurdo, com as letras proibidas, Q W X.



Sempre viajamos com Pippi Langstrumpf.




Em kurdo kurmanci tenhem 18 nomes para nomear os diferentes tipos de bigotes!!!



E mais de dez nomes para os distintos tipos de nariz...




Pouco despois de escoitar KeÇa Kurdan pugemo-os a bailar agarrados polo dedo meiminho.




Irfan agasalhou a Estrela com umha boneca que fala, que canta e baila em kurdo! Chamamos-lhe Sterik, Estrelinha.



E aqui está Sterik a dicer: Eu nunca serei yo, Eu, em Kurdo. Yo, em turco.



O seu nome significa Nom Guerra. Terá uns doce anos. Fixemos-lhe umha entrevista sobre a língua kurda que nunca esquecerei.



Um dos grandes poetas daquelas terras. Perguntou-me algo que nom soubem responder. Aínda nom sei a resposta.




Abdullah Demirbas é o alcalde de Amed, um milhom de habitantes. Saiu eligido por quase o 70 % dos votos, liderando o partido independentista kurdo. No seu anterior mandato fora inhabilitado e encarcerado por editar uns folhetos em língua kurda. Actualmente deveria estar na prisiom, como mais de 150 alcaldes e concelheir@s kurd@s, mas está fora por motivos de saúde.
Por iniciativa do BNG, Compostela e Amed som cidades irmandadas.





Control militar na estrada. Fixem o desenho pola cámara de vídeo, com o zoom.




Em cada vila, em cada cidade, quase em cada aldeia, um acampamento militar no cimo dos outeiros. Nom podem faltar as letras gigantes do nacionalismo turco: Once Vatan, A pátria primeiro.

Os helicópteros que intentei desenhar saiam-me movidos.




Tirei este desenho dumha foto do jornal kurdo. É umha cadea de presos. Som 150 políticos kurdos indo a declarar ao julgado, esposados e escoltados pola policia. Cada vez que declaram ante o juíz falam kurdo e o juíz di nom reconhecer essa língua e voltam á prisiom. O sábado 13 passamos por diante do julgado em quanto tinha lugar umha destas comparecéncias. Milheiros de persoas manifestavam-se no exterior, apoiando-os. As tanquetas ocupavam as ruas próximas. De noite escoitamos loita na cidade.




No aeroporto militar de Amed.



Outra vez em Istambul...



... um zumo de granada.




No aviom, entre os braços.
Conhecimos a Elisabet, umha sueca que trabalha em Bagdag, e cantamos juntos a cançom de Pippi! Um final de viagem mágico!



De volta á Galiza nom me canso de ouvir a Serhado no meu picasso, hip hop em kurdo, arremetedor!



Trougem comigo 5 culherinhas para a minha colecçom...



Comentários (32) - Categoria: Desenhos - Publicado o 17-11-2010 22:22
# Ligazóm permanente a este artigo
Animais, por Manuel Tomé


"O seu ollo de poeta abre outra dimensión ao coñecemento do animal que a zooloxía actual disecciona e maquiniza.

Sende achéganos e conmóvenos co descubrimento dunha fauna próxima polo trazo da súa pluma.

As súas acuarelas conxugan con mestría, a expresión artística coa reprodución perfecta da anatomía animal, a maestría dun Durero có clasismo dun Magritte.

A obra enfronta a máquina e o desarraigamento coa beleza e a harmonía do vivo. A súa viaxe poética lévanos dende a afastada Nova Zelandia ata a casa en ruínas, sempre deixando unha fiestra aberta á picaraña ecoloxista.

Máis adiante a vexetación asalta a cidade e pon un toque de distinción no mobiliario urbano. A súa palabra ábrese a unha tenrura subrealista, como un soño transformado en realidade.

O ouveo do lobo rompe nas súas páxinas as tebras nocturnas dunha Galiza marabillosa. Nel o galego de Martín Códax faise bioloxía ou esta transfórmase en poesía.

O cuco de madeira escapa do reloxo para ensinar ao home o camiño da liberdade.

Ao final do libro un queda co regusto dunha defensa da lingua galega para que sobre esta non caia a lápida da extinción.

Prégovos que compredes o libro, pois senón non poderedes apreciar os mil sabores que se desprenden da xungla das súas páxinas."



Manuel Tomé Ben, escritor.


...

Na apresentaçom do livro em Redondela, em conjunto com a gente da "Asociación Lenda", 21 de outubro, 2010.
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 22-10-2010 08:42
# Ligazóm permanente a este artigo
Dia pola ciéncia em galego!


Mais, na casa da Coordenadora de ENDL
Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 20-10-2010 19:26
# Ligazóm permanente a este artigo
Só em espanhol!

Ano 2010:

"Recordatorio a tener muy presente"
"La solicitud tiene que venir redactada en castellano"

Deputación de Pontevedra en FAX aos concelhos da província.

Nom á discriminaçom da língua galega.

Mobiliza-te.

...

Via Xosé Henrique Costas
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 14-10-2010 21:18
# Ligazóm permanente a este artigo
Animais, em Ferrol


Esta sexta feira, 24 de setembro, na Fundaçom Artábria, ás 20.00.

Animais, Editorial Através, 2010.
Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 20-09-2010 20:59
# Ligazóm permanente a este artigo
Animais: novo livro


Aqui o está: Animais.

Espero que neste livro encontres, entre outras cousas, alguns animais que levas dentro.

Pode ser um livro de aventuras, um album de cromos, um dossier top secret, umha exposiçom de aguarelas, um tratado de ecologia, umha bitácora da resisténcia, um livro censurado, umha nota na neveira, um post num blog, um tatoo...

Um livro escrito para animais, persoas e cousas.

Espero que gostes.

Irmandinho teu:

Séchu Sende

...

Através Editora, Galiza, 2010.

...

Mais em...

Galicia-Hoxe

Galiciaé

Twitter de Através

Radio Fusion
Comentários (6) - Categoria: Desenhos - Publicado o 09-08-2010 01:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Prólogo á traduçom ao curdo de Made in Galiza
Olá, chamo-me Séchu Sende e sinto-me honrado de poder falar com vós. Conhecedes Galiza?

Pois aqui está, presento-vos o meu país:



Galiza tem quase tres milhons de habitantes. Aqui podedes ve-la um pouco mais de perto:



E aqui estou eu, com Breogán:



Breogán é quase invisível.... É que eu, ademais de escreber livros e ser profesor de língua e literatura galega, som domador de pulgas no Galiza Pulgas Circus, o menor espectáculo do mundo.

Aqui podedes ver melhor a pulga Breogán, a saltar da minha orelha:



Os meus trabalho como escritor, como profe e como domador de pulgas servem-me para compartir as palavras da minha língua com a gente do meu país. Gostaria de falar-vos um pouco da minha língua que, se nom me equivoco, tem muito parecido com a vossa língua.

Tenho umha afilhada de 10 anos que se chama Candela que apenas fala a língua de Galiza, o galego. Como a muitas nenas e nenos, da-lhe vergonha, e ademais, na sua cidade, Vigo, quase nom há nenos e nenas que falem galego. A gente fala maioritariamente o espanhol. A nossa língua fala-se sobre todo fora das cidades. Si, duns anos para aqui, especialmente desde a dictadura de Franco, espanholista e fascista amigo de Hitler, muita gente no nosso país deixou de falar-lhe a nossa língua aos seus filhos e filhas.

Eu tenho umha filha dum ano que se chama Estrela, e hai duas semanas começou a dicer as suas primeiras palavras na nossa língua: pa, ma, cam, auga. Espero que Estrela nom deixe nunca de sonhar na nossa língua.

A nossa língua é umha língua mui especial, penso que mui parecida á vossa, em certa medida.

Eu falo umha língua que outros nom querem falar. Eu falo umha língua que outros despreçam. Eu falo umha língua que outros agredem. Eu falo umha língua que outros censuram. Eu falo umha língua que outros desejam ver desaparecer.

E milheiros de mulheres, homes, nenos e nenas falamos a nossa língua.

Eu falo a língua do meu país, da minha naçom, do meu povo, Galiza.

É curioso, Galiza é o berce do galego-portugués, e o portugués é hoje um dos cinco idiomas mais falados no mundo. Podemos falar galego com gente do Brasil, Moçambique, Angola ou Timor-Leste. A nossa língua é falada por mais de douscentos milhons de persoas. Mas...

Mas no nosso próprio país fala-se cada vez menos. E se hai poucos anos era a língua maioritária e falava galego mais do 90 % da povoaçom, hoje apenas um trinta por cento da gente nova fala habitualmente o nosso idioma. Galiza está a viver um proceso de substituçom lingüística do galego polo espanhol.

E poderia parecer que esse proceso nom tem volta atrás mas...

Mas na Galiza há muita gente que nunca deixará de falar galego e que sabemos que, com trabalho e inteligéncia, justiça e insisténcia, humanidade e confianza em nós mesmos, a nossa língua será a chave do progreso do nosso país.

Queremos cambiar a história.

O arquitecto francés Le Corbusier dixo que "A primeira proba de existéncia é ocupar o espaço". Porque as nossas palavras nos dam vida, espalhemo-las no vento, que as veja todo o mundo. Que as nossas línguas ocupem os espaços públicos e os privados, os nossos territórios íntimos e colectivos, os lugares cotiás e os sonhados. Que as nossas palavras ocupem os ecrans dos computadores, os graffitis dos muros, o peito das nossas camisolas, os coraçons de amor que pintam os adolescentes, os folhetos de publicidade, os livros de texto das nossas filhas e filhos ou as páginas das leis que devem falar na língua do povo.

Este livro quere ser um livro alegre. Um livro que faga sorrir. Ter sentido do humor ás vezes é um esforço para nom volver-se tolo. O humor libera-nos da dor, da tragédia, e permite-nos enfrontar-nos aos problemas com criatividade. Porque o humor é criativo e pode ser um arma mui poderosa. Pode ridiculizar o opresor, debilitando-o. E permite rir-nos de nós mesmos, das nossas contradiçons e debilidades para nos fortalecer. O humor é umha forma de poder e, segundo a psicologia social, o humor é um elemento fundamental nos procesos de criatividade colectiva, como é a construçom dum presente e futuros justos para a nossa língua.

Galiza debate-se entre a resignaçom e a rebeldia. Castelao, um dos nossos humoristas, políticos e escritores mais importantes do séc. XX escrebeu: Mexan por nos e dicimos que chove. Mas, como as cousas cámbiam, um intelectual punk do XXI, O Leo, actualizou essa frase: Mexan por nós e nós caghamos por eles.

Há muitos caminhos para cambiar as cousas e cada povo, cada sociedade, debe procurar os seus. Mas entre os povos do mundo há caminhos que se cruçam, caminhos que se compartem, caminhos irmaos. Alguns fragmentos deste livro forom traducidos para diversas línguas: galés, bretóm, euskera, asturiano, catalá, croata, checo, escocés, ruso, inglés...

Mas esta é a primeira traduçom íntegra do Made in Galiza a umha língua da mesma família, a família das línguas golpeadas pola história, as línguas que procuram a liberdade. Porque temos que dar-nos conta de que nom estamos sós, de que milhons de persoas por todo o planeta se enfrontam dia a dia ao mesmo desafio: dar-lhe vida á língua do seu povo. Somos a irmandade das línguas minorizadas, das palavras oprimidas.

E sabemos que quem melhor defende o nosso país som as nossas palavras, as que levamos dentro e as que compartimos. Quem melhor defende o nosso povo é a língua própria do nosso povo. Sem ela estariamos indefensos. Se falamos, lemos, escrebemos a nossa língua, ninguém poderá com nós.

Separam-nos mais de 5.000 quilometros, mas entre o Curdistam e Galiza semelha que há menos dum paso. No mapa separam-nos muitos países, mas é como se fossemos povos vizinhos. Por isso eu hoje digo: Galiza e Curdistám, povos irmaos.

Sinto-me honrado porque as palavras do meu idioma se transformassem em palavras da vossa língua. Sinto-me honrado porque as palavras do meu idioma entrem como vossas nas vossas casas, bibliotecas, escolas ou livrarias. Imagino as palavras que nacerom na Galiza cruçar umha rua num livro escrito com as vossas palavras na mao dumha rapaza vestida de azul e branco, com um broche vermelho, como a nossa bandeira. Imagino um rapaz a levar o livro na mochila, entre os botes de spray.

Sinto-me honrado por ter sido convidado ás vossas casas, e, como as minhas palavras, sinto-me tamem parte do vosso povo, da vossa naçom, cidadám das vossas cidades, aldeam das vossas aldeias. Sinto-me agradecido por terdes contado comigo para trabalhar, ombro com ombro, na construçom da vossa casa de palavras.

Que os nossos filhos e filhas nos agradeçam ter-lhes aprendido a falar a nossa língua. Que os nossos filhos e filhas nos agradeçam ter-lhes aprendido a escoitar.

Que os nossos nenos e nenas sonhem nas nossas línguas!

E já sabedes, "A vida é melhor em galego", "Jiyan bi kurdî xwes e".
Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 23-05-2010 19:07
# Ligazóm permanente a este artigo
O Pregom da Festa do Queijo!
Diante da queija e mal humor de quem califica a leitura como "obscena, morbosa, degradante, vergoñenta e desonrosa (sic)" aqui vai o texto original para compartir o pregom que, com muita emoçom, respeito pola gente da comarca e admiraçom pola Festa do Queijo, lim na inauguraçom oficial do evento.

Honra-me ter como referentes poéticos nesta composiçom popular grandes modelos -aos que nom chego á altura dos nocelhos- como Pessoa, Shakespeare, Rosalia ou a Bruja Averia.

Em fim, semelha que nom toda a gente -especialmente algumha gente da órbita do Partido Popular- tem o suficiente sentido do humor como para encaixar a retranca e o espírito lúdico da literatura...

...especialmente quando se utiliza a retranca para fazer umha achega crítica sobre o tema da língua.

Por certo, agradeço de coraçom os aplausos, sorrisos e gargalhadas que dinamizarom a leitura do pregom por parte do público asistente.

E como sempre fixem e farei, desde aqui todas as minhas louvanças, respeito e admiraçom para o Queijo de Arçua e as persoas que, apesar dos muitos obstáculos, querem viver dignamente do seu trabalho no rural.

Para incrédul@s, aqui vai a notícia sobre a polémica de Feijoo e os nomes das vacas, apartir da que me documentei para enriquecer o texto com um exemplo surrealista, absurdo e trágico sobre o conhecemento que do rural tenhem alguns dos nossos responsáveis políticos.

Ás vezes a realidade é mais obscena, morbosa, degradante, vergoñenta e desonrosa (sic) que a própria literatura.

Saúde.



...


Pregóm da Festa do Queijo de Arçua 2010




É para mim umha honra
compartir com vós este pregom,
com emoçom fonda
e um pouco de sentido do humor.

Parabéns a toda a gente
que com muito trabalho
conseguiu que a Festa cumprisse
35 anos.

Ule a frescura
o queijo de Arçua,
é cousa boa
o queijo da Ulhoa

É parte da cultura
que vivim desde neno:
a proba do queijo
na ponta do coitelo
e o sorriso da mulher
a falar galego

Este queijo é bom amigo
do pam e do vinho.
É um queijo companheiro
do mel, as noces e o marmelo

E ademais é um queijo elegante,
um queijo pret-á-porter
com o seu pano cinguido
que nom tem o de gruyere

É mui bom o requeijo
da parróquia de Brandeso.
Do queijo nom te aburres
se vas a Burres.
O queijo sabe a crema
na parróquia de Lema
e em Maroxo
o queijo é mui cremoso

Que rico em Melha
o queijo com o mel das abelhas.
E com marmelo de maçá
na parróquia de Branzá,
e com mel com filhoas
em Figueiroa,
e com anchoas e pam
em Dombodám

Que nom sobre
o queijo em Pantinhobre!
Comim queijo com mazá
na parróquia de Branzá.
Em Tronceda e Castanheda
o queijo o corpo aleda,
e en Rendal
ningum queijo sabe mal.

Casam os queijos com os vinhos
na parróquia de Vinhós
De bom queijo e melhor dente,
a gente de Boente.
Prados de queijos mil
os de Viladavil.

Chegam a todos os confins
os queijos de Oíns.
Em Vilantime,
proba o queijo e di-me.
Em Campos e Calvos
o queijo fai-nos bravos
Em Santa Maria
o quejo é cousa fina.
E em Sam Martinho,
queijos ao caminho

Nas terras do Ulha,
nas duas ribeiras,
fai-se um queijo de primeira.
O queijo é a melhor marca
de toda a comarca

De Arçua ao Pino,
de Antas a Mesia,
de Taboada a Boimorto,
de Boqueijom a Touro,
o queijo é de ouro.

Este nosso queijo
com denominaçom de origem
já se vende
em mais de vinte países.

E com cabaça caramelizada,
com foie-grass ou com sardinhas
chegou á alta cozinha.



Quem sabe muito de vacas
é o presidente da Xunta,
em Noia visitou umha granja
e recorda-lo aínda me asusta:

O gandeiro apresentou-lhe
ás vacas Maruxa e Paca
e Feijoo perguntou:
Por que som femininos
todos os nomes das vacas?

O gandeiro ante tal inteligéncia
explicou-lho com a boca aberta:
Porque todas as vacas som fémias

Se esta vaca fosse macho
seria boi
e chamaria-se Paco

Feijoo pom-me medo.
Se estudasse primária
suspenderia Conhecemento do Médio.


Quando vaias mercar
quando vaias eligir
pensa no trabalhinho
que vai da vaca ao tetrabric

Há muito gasto, sabede-lo bem
o penso, o mantemento
da granja
e o gasoil para o John Deere.

Baixam os ingresos,
baixam os salários
dos gandeiros,
nunca dos empresários

Aqui sabedes mui bem
quem rouba e mente:
a máfia que baixa e baixa
o preço do leite.

Isto nom tem cabeça nem pés
dizem que é leite galego
e vendem leite francés.

Orgulho e dignidade
enchem as estradas
quando a gente do leite
sae em tractorada

Merecem as nossas louvanzas:
quando vertem polo cham
o leite das marcas brancas
os gandeiros defendem o seu pam,
defendem o pam dos seus filhos.

Passa no cine e nos livros
e passa na vida real
para cambiar as cousas
há que se revoltar.

Parece que nom interesa falar
da crise do sector leiteiro,
o siléncio dalguns jornais
compra-se com dinheiro

Nom me creo nada eu
da sua objectividade,
muita prensa obedece
a quem paga a publicidade

Muito olho com os jornais
que dim defender causas justas
e vivem de subvençons
por ser a voz da Xunta


E agora quero-vos falar
doutro tema de actualidade
com denominaçom de origem,
produto galego de qualidade

Tenhem mais em comum
do que parece
a crise da língua
e a crise do leite.

Eu petisco do queijo castelhano
e do que vem de Londres ou Paris,
mas sempre estará primeiro
o queijo do país.

Baixam o preço do leite
e queriam rebaixar o galego,
por certo,
no ensino ao 33 por cento.

E agora vou falar do passado,
vou ponher-me um pouco sério,
Dixo hai muitos anos Nebrija:
La lengua es compañera del imperio

E tiverom muita perícia
Isabel e Fernando
na sua “Doma y castración
del Reino de Galicia”

-Por donde empezamos el castigo?
-Producem mucho aceite…
cortemos sus olivos

Derom-nos bem com a estaca
menos mal que nom lhes deu
por proibir-nos as vacas...

Nom estava nos seus planos
que seguissemos a falar galego
despois de 500 anos.

Mas a gente do campo
contra toda adversidade
falou a nossa língua
com fidelidade

O idioma nom só é umha herdanza
que recibimos dos antergos,
é tamem um empréstimo
que lhes devemos aos netos.

A língua une
e se nom a falas
tu mesm@ te exclues,
tu mesmo te separas

Há quem leva toda a vida aqui
e dim he dicho, había hecho,
com tempos compostos,
em castelán de Madrid.

Há quem vive em Vigo
no bárrio do Berbés
e quer falar
como se vivisse em Lavapies.

E aínda hai gentes por aqui
que lhe dim El Carbalhino ao Carbalhinho,
como nos tempos de Paquinho,
e a Melide, chamam-lhe Milli,

Aos que dim que o galego é inútil
digamos-lhes Si, ho, si ,
se nom falas a língua da sociedade onde vives
inútil es ti.


Se nom lhes falas galego
ás nenas e nenos
das-lhes a entender
que o nosso vale menos.

Estava o outro dia no súper
com a minha filha Estrela
e dixem-lhe á fruteira:
-Vou levar um quilo de mandarinas
Ela dixo mui cantarina
-Ai que bonita é a nena,
Hola, y como te llamas, cuchi, cuchi
Eu nom me puidem reprimir:
- Señora, fale-lhe galego
que a nena nom é de Madrid


Mas o pior de todo isto
é que é o próprio governo
quem difunde os prejuíços,
arre demo!

O conselheiro de cultura
dixo que a nossa língua limita,
e mais de 200 escritores dixerom-lhe
Dimita!

Os idiomas nom limitam
limitam as persoas
que pensam que valem mais
umhas línguas que outras.

Dim que querem o equilíbrio
e rim como se fosse umha broma
mas no Parlamento aprobam leis
que debilitam o idioma.

Isto vai de mal em pior
a Xunta deu eliminado
a proba de galego
nas oposiçons a professor.


E num hospital da Corunha
o médico dixo-lhe á paciente
Si no me hablas en castellano
no te entiendo.

Se nom é imprescindível
que os médicos saibam a língua de aqui
que apliquem essa norma
tamém em Madrid.

Nom pedimos nada estrafalário:
médico, juíza ou policia,
tem a obriga de saber galego
quem seja funcionário.


A quem vides de fora
vou-vos dicer umha cousa
está ao alcance da mao
a nossa língua é vossa.

Se queres conhecer
a nossa forma de ser,
de rir, cantar e pensar
a nossa língua has de falar.

Isso é assi
na China e mais aqui,
porque afortunadamente
as culturas fam-nos diferentes


Já o dicia Manuel António:
a gente nova deve eligir:
ir costa abaixo pola história
ou erguer-se cara ao porvir.

Faram-vos sentir estranhos
porque falades galego
e recibiredes presions
para falar castelhano

sobre todo se es rapaza...
aínda há muito tópico,
muito machismo
muita ignoráncia.

Estás mas guapa si hablas castellano
dixo-lhe um tipo em Santiago
a umha rapaza de Merza
e ela: Ti es parvo ou comes merda.

É umha aventura emocionante
ser galego-falante

Conheço umha moza
que fai umha cousa mui rara
fala sempre em galego
agás em Berska e em Zara

E hoje quero dicer-vos
que @ mais importante
de tod@s @s responsáveis políticos
é cada um de nós.

Somos os responsáveis,
eu, tu, ela, todas e todos,
do presente e do futuro
da língua do nosso povo.

por isso cumpre participar
na escola, na rua, no trabalho,
na festa, na asociaçom
e no movemento social.

No caminho do idioma
se tivese que elegir
prefiro menos poemas
e mais galego nos cinemas.

Está mui bem a poesia
mas a língua precisa mais
das novas tecnologias.

E tam bom como umha novela
com toda seguridade
é escreber em galego
a nossa publicidade.

E tan útil como um ensaio
pode ser atopar
o tíquet de compra
do supermercado

Tamém se fai cultura
se fazemos em galego
as nossas facturas


Levemos a língua a internet,
ao twenty, ao facebook
aos emails e aos blogs.

Fagamos em galego
pintadas com spray,
poesia,
banda desenhada, audiovisual,
pop, punk ou rap.

A força provém da unióm
e para pular polo nosso
a palavra clave é
colaboraçom.

Aqui vai a despedida
aqui vai a derradeira,
viva o queijo da Ulhoa
e que vaia bem na feira

Arde-lhe o eijo!
Viva a Festa do Queijo!
A festa continua
Viva o Queijo de Arçua!


Comentários (24) - Categoria: Desenhos - Publicado o 08-03-2010 22:29
# Ligazóm permanente a este artigo
Vacaloura vs excavadora (2)


2009



2008

Comentários (4) - Categoria: Desenhos - Publicado o 08-09-2009 13:09
# Ligazóm permanente a este artigo
A Xanela

"A Xanela" (2009) Trailer1 from dariafilm on Vimeo.



Falando, abrimos umha janela ao novo mundo.

Daria Shornikova, umha moça de Petersburgo, estivo este verao a recolher images e sons sobre a nossa língua.

Aqui podemos olhar um avance do documental que chegará este outono desde Rússia com amor.

A bitacora de Daria, os seus avións de papel.
Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 31-08-2009 13:12
# Ligazóm permanente a este artigo
Finde


Ao fondo, no prado, umha banheira deitada.



Dani e Gonzalo e o Fiataga.



Furgo hippy de Jorge com piragua amarela e carro de picoletos verdes.



Vaca estombalhada (viva).









Maruxa tem os pés mui grandes!
Comentários (1) - Categoria: Desenhos - Publicado o 30-08-2009 21:29
# Ligazóm permanente a este artigo
Sachadoras!


No campo de golfe de Monte Alegre, Ourense, e nos do Aero-Clubs de Santiago e Vigo.

"Contra a especulaçom do solo, a desfeita do país e os maus hábitos, o campo de golfe de Montealegre (Ourense) amenceu sachado para demonstrar que a terra é nossa e nom dos ociosos.

Mais um ano, ham procurar as bolas e encontrar repolos."


Em galiza.indymedia.org
Comentários (3) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-08-2009 11:37
# Ligazóm permanente a este artigo
Quando Estrela dorme...



O castinheiro de Sara medra.



Os fieitos fam ssshhh.



No tendal as pinzas aguardam pola roupa de cores.



Beltza, a cadela branca de Álex, sonha com um cao negro.



O coitelo que trouxo Sofia o ano passado oxida-se.



Umha folha verde volve-se amarela.



Polas antenas da casa de Elisa entram mentiras.



A sombra move-se dentro da palheira.



O vento entra pola janela que fixerom os carpinteiros da Toca.



Detem-se o tempo.




Quando Estrela dorme...



...numha carretilha verde no Caurel.



...

Soldom, agosto, 2009.

Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-08-2009 01:37
# Ligazóm permanente a este artigo
Vemo-nos no C@urel!



Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-08-2009 12:12
# Ligazóm permanente a este artigo
Novo Cruceiro Rock 2009


"Volta á orixe"

Volvem as guitarras eléctricas a Vila de Cruces!



NAO + Zënzar + Esquios


+ Pipas Group!

Venres 7 de Agosto
Vila de Cruces
22:00
De balde

Tira-lhe do aire!
Comentários (2) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-08-2009 12:09
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal