Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Xavi Valles


Mola
Comentários (13) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-08-2011 20:45
# Ligazóm permanente a este artigo
Umha viagem sociolingúística a Euskal Herria


Convidaram-me do concelho de Gasteiz para participar no I Encontro de Mocidade e Línguas Minorizadas. Alá fomos!




Estrela, com os pinceis.



Com o pirata, Efrain Langstrumpf



O meu reto foi desenhar ao vivo e assi foi indo, salvo o desenho do porco teixo de mais abaixo que copiei dumha guia da natureza.



Durmindo no carro.




Na horta.



Cabaça



A luva vermelha




Kiwis




Na tele, no Tour este ano faltava Ezequiel.



Pés arriba.




Nom sei quem é. Falava catalá.




Um cam belga que falava asturianu.



Um que é mui boa gente e leva umha pinça de madeira no ombro e que está a aprender a nossa língua.



No portal da casa de Teo deixamos umha homenagem a Pancho Lapeña: bombonas de butano!



O carro laranja de Teo na aldeia da Velia, Bimenes.



Um bom amigo, um pouco duro.



Este cartaz, de Teo, que nos falou de Chiapas e de francotiradores sérbios.



Na cozinha.



Bilbo.



Desenho-a quando dorme porque nom se move.



A casa okupa que resiste.





Bilbo está cheinho de cabeleirias. Por certo, havia anos que nom via cristas punk!



A aranha, de Louise Bourgeois.
A escultura chama-se "Mamá".

"É mais fácil desintegrar um átomo que um prejuíço"
Einstein






Alguns desenhos sobre cigarras e formigas



Umha cama mui original



Vega, em Aiegi. Nafarroa.



Desde os meus olhos.




País, ardi beltza, porco-teixo.



Ovelha em Urbasa.
Caminhando cara ao nacemento do rio Urederra.




A durmir.



Duas mulheres novas.



As cores em euskera, segundo Candela.



Gasteiz.



O desenho é de Asisko Urmeneta, um crack da banda desenhada.

O texto: "O terceiro olho trabalhando."



Maiu, umha bretoa no caminho da língua!










E algo mais!
Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-07-2011 13:00
# Ligazóm permanente a este artigo
Que está a fazer esta gente?

















...em 45 segundos
Comentários (14) - Categoria: Desenhos - Publicado o 01-07-2011 10:33
# Ligazóm permanente a este artigo
Umha leituga das hortas de Belvis


A Marta, Joana e Bruno
Comentários (12) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-06-2011 00:50
# Ligazóm permanente a este artigo
Perigo: aves de rapina!

















Comentários (12) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-06-2011 20:08
# Ligazóm permanente a este artigo
Um lagarto arnau em Compostela











Comentários (10) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-06-2011 20:07
# Ligazóm permanente a este artigo
Made in Galiza: teatro / rock!


No IES Aquis Celenis de Caldas de Reis!

Moita merda!

;)

Comentários (13) - Categoria: Desenhos - Publicado o 22-06-2011 06:39
# Ligazóm permanente a este artigo
"Ás Voltas coa Lingua"


"Ás Voltas coa Lingua", umha obra de teatro sobre textos de Made in Galiza, Made in Porto do Som!

"Eles son Josito, Antía Vidal, Rubén Ventoso, Mareque, María González, Nazareth e Ángel Glez. Mariño.

Forman o Grupo de Teatro do instituto baixo a dirección de Ánxela Doval."
Comentários (8) - Categoria: Desenhos - Publicado o 22-06-2011 06:39
# Ligazóm permanente a este artigo
Na banheira


Um abraço, Leandro!!!
Comentários (9) - Categoria: Desenhos - Publicado o 21-06-2011 15:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Castelao revisitado: Pippi









Numha caixinha para as aguarelas!
Comentários (15) - Categoria: Desenhos - Publicado o 18-06-2011 17:04
# Ligazóm permanente a este artigo
Um carriço no machado









Para Ernesto
Comentários (13) - Categoria: Desenhos - Publicado o 18-06-2011 11:32
# Ligazóm permanente a este artigo
Amigo Dobarro!














Um abraço forte, para ti, amigo, que erguias a casa com as maos e os livros, entre toxos e folhas de carvalho, na beira do Ulha e nos nossos coraçons, sempre.
Comentários (10) - Categoria: Desenhos - Publicado o 18-06-2011 08:22
# Ligazóm permanente a este artigo
Budismo e língua. Entrevista ao monge Martín Thupten Chophel


A língua tibetana é falada por mais de seis milhons de persoas, quase cento cincuenta mil exiladas do Tibete. O nosso interesse pola língua tibetana apareceu quando há menos dum ano puidemos olhar na rede manifestaçons de escolares tibetanos a protestar nas ruas em resposta ás medidas do governo chinés contra os livros de texto em tibetano.

Numha das páginas sobre a língua do Tibete demos com este texto dirigido aos falantes de tibetano:

Se nom respiras,

Nom há aire.

Se nom caminhas

Nom há terra.

Se nom falas

nom há mundo.

Assi que, por favor fala

A tua língua nativa.


Na viagem pola rede atopamos cousas sorprendentes, como umha guia com Dez Caminhos para promocionar a língua tibetana
. Ou a história dos mosteiros onde por cada palabra chinesa –chinesismo- pronunciada ao falar tibetano a gente paga voluntariamente um yuang.



Protesta a favor do tibetano no ensino

Ou vídeocreaçons mui emocionantes. Ou um movimento de professorado em defensa da língua própria

Importáncia da Língua

Mas, despois de continuar a nos documentar sobre o Tibete, tamém descobremos a importáncia que a língua e a linguagem tenhem na identidade daquel povo, fondamente espiritual.

E assi, por exemplo, como na espiritualidade cristiá se fala de corpo e alma, no budismo fala-se de corpo, alma e fala, triada que se relaciona com tres símbolos: o buda, a pagoda, e o livro. Os livros com darma, com ensinanzas, som mui respectados. Nom se podem deixar no chao, por exemplo. Por outro lado, cumpre saber que se acadam méritos espirituais escrebendo e que –como na espiritualidade japonesa- tamém no Tibete a caligrafia tem umha dimensom sagrada.

A exteriorizaçom da linguage através dos sons vibracionais dos mantras –em sánscrito- ou a importáncia que se lhe concede á veracidade na comunicaçom e o rejeitamento da charlatanaria som mostras da importáncia que o budismo atribue á linguagem.

Quem nom viu girar nos templos budistas os rolos quen contenhem os tantras? Pois nesse gira gira dos rolos estám a girar as palavras. Que contenhem as bandeirolas de cores que ondeam ao vento nas montanhas do Tibete? Palavras em tibetano.

A curiosidade levou-nos a achegar-nos a esta cultura que respecta a linguagem, a língua e as palavras dum jeito fundamental e, logo de descobrer um artigo em internet sobre Rosalía de Castro e o budismo, decidimos pór-nos em contacto com o autor dessa aproximaçom á obra rosaliana.



Com toda generosidade, o monge budista Martín Thupten Chophel, de Vigo, respostou ao nosso interese. Eis a entrevista:

P. Que lugar ocupa a língua, a linguagem, na espiritualidade budista?

R. A lingua é moi importante segundo o Budismo. Cando alguén escribe unha idea no seu idioma, utiliza as palabras máis axeitadas, se logo se traduce este texto, pódense perder matices moi importantes, que poden alterar a intención e a transmisión da idea orixinal. No Budismo, e por suposto entre o pobo tibetano, tamén se dá unha grande importancia á transmisión oral dun texto. Se un ser logra comprensións superiores da vida, do mundo, chamadas normalmente realizacións, débense transmitir coa palabra non só a través dos escritos. Deste modo, aínda que os futuros lectores non estean en contacto con este mestre e por tanto non poidan recibir a transmisión oral do texto d´El, poden recibila de alguén que a recibiu antes; e logo eles tamén poden transmitila. É como se a forza e as bendizóns da persoa que escribe o texto orixinal, se puidesse transmitir se se mantén unha liñaxe ininterrumpida, así por xeracións e incluso séculos. O Budismo e os tibetanos coidan moito isto que chaman a bendizón da liñaxe. A forza do mestre orixe chega a nós por medio da liñaxe. Isto é clave para entender a cultura tibetana, e a budista en xeral.

Rosalía e budismo

P. Escrebeu um artigo sobre Rosalia de Castro desde o ponto de vista do budismo. Que veu na poesia dessa mulher do século XIX um monge budista do século XXI?

R. Vexo unha persoa, sabia e sinxela, de moi bo corazón, que concentrou unha forza e enerxía inmensas nas súas palabras para poder facer disfrutar aos demáis e que chegará por moitas xeracións. As súas raíces eran cristiás, pero fala de conceptos e de formas de ver a vida que en moitos casos coinciden con moitas meditacións budistas clásicas. Conéctame co sentimento, máis que coa razón. Tamén me conecta coas miñas raíces galegas, nas que atopo moitos puntos en común co budismo e así me axuda a camiñar mellor.

P. Podes explicar-nos brevemente a situaçom actual da língua do Tibete?

R. Non son un experto no tema. As noticias que teño son que os rapaces non poden estudar tibetano nas escolas, que non utilizan textos tibetanos nas escolas. E nos mosteiros, onde estudan as ensinanzas de Buda e outros mestres, en textos tibetanos antiquísimos, o goberno chinés quere traducilos ao chinés mandarín, para que non estuden en Tibetano.

P. O doutor Lobsang Sangay acaba de ser eligido primeiro ministro para o governo tibetano no exílio logo que o Dalai Lama anunciara que renúncia a liderar o movimento tibetano. Que lugar ocupou e ocupam as reivindicaçons a favor da língua tibetana no movimento tibetanista?


R. Non che podo dicir qué lugar, pero si que é unha reivindicación importante.

Ocupación

P. Estiveches no Tibete? Tes algumha experiéncia, algumha anécdota em relaçom com o tibetano?

Non estiven no Tíbet agora ocupado por China, estiven nunha parte do Tíbet que os ingleses se anexionaron hai máis de 100 anos e que agora pertence á India, e goza de tranquilidade e liberdade para os tibetanos que viven alí. Tamén estiven en cidades e mosteiros onde viven tibetanos exiliados e convivín con eles varios meses. En relación ao tibetano, é interesante dicir que non existía a palabra aburrimento no seu dicionario. Supoño que xa terán unha palabra para isto agora. Iso era un indicativo de que era unha xente feliz e activa.

P. Está o chinés intentando desprazar o tibetano como língua do Tíbet?

R.Totalmente.

P. Gostei muito do poema A Fervença da Juventude, umha chamada á mocidade para o rexurdimento do Tibete, um canto á vitalidade, do poeta Dhondup Gyal. Num momento escrebe:

A fonte da fervenza fica nas neves profundas
e o seu final junta-se com o oceano
A tua historia é longa
e gera orgulho e dignidade
o teu coro de tempo tam melodioso
é a nossa inspiraçom e poténcia.

Podes escoita-la? A fervenza!


Conheces esse poema? Que che parece?

R. Non o coñecía. É bonito. Eu engadiría que debemos levar a xuventude sempre no noso interior independentemente dos anos. Talvez quere dicir iso pero me gostaría aclaralo máis.

Galego e tibetano

P. Som o tibetano e o galego, em certa medida, línguas irmás? Que compartimos @s galeg@s e @s tibetan@s?

R. Non son linguas irmás gramaticalmente. O alfabeto e a orde no que se escriben as palabras son totalmente diferentes. O alfabeto tibetano fíxose adaptando o sánscrito ás peculiaridades sonoras dos tibetanos.


Compartimos o que queiramos chegar a compartir, depende de cada quen. Eu comparto o Budismo en toda a súa amplitude. Outros, as poesías dos místicos. Outros, a fermosa natureza tanto alí como aquí. Recordando a Galicia rural predominante de hai tempo, vivíamos todos en contacto coa natureza, e con medios moi simples, valorando as cousas pequenas. Eu teño referencias por parte da miña nai sobre a aldea onde viviu moitos anos de pequena. Tamén Galicia é un pobo bastante relixioso, ao igual que o tibetano.

R. Na história do nosso país, a religiom maioritária tivo umha relaçom de oposiçom a respeito do desenvolvimento da língua galega –salvando as correntes galeguistas internas, mui febles-… É sensível o budismo galego com o proceso de revitalizaçom social da nossa língua?


Neste punto podo dicirche que o Budismo Galego somos un colectivo moi pequeno, e aínda non nos plantexamos este tema como colectivo. Non é fácil ser Budista en Galicia, en moitas ocasións, polo descoñecemento que amosa a xente sobre El. Penso que deberemos colaborar, e quizás estas palabras miñas son una mostra do meu interese por isto.

P. Desde o ponto de vista do budismo, quais seriam as vias para que a língua galega resista as contrariedades presentes?


R. Sempre o camiño medio, sen extremos, nin tensar demasiado a corda da arpa pois se pode romper, nin afrouxala demasiado pois non soaría. Nunca a violencia.

P. E, tamém, desde essa perspectiva filosófica, espiritual, quais pensas que seriam os caminhos mais criativos para a revitalizaçom social da nossa língua?


R. Os espazos sociais fora dos traballos e colexios. A xente está moi receptiva nas asociacións veciñais, centros cívicos, clubes deportivos, grupos de calquera clase. Crear grupos altruistamente para beneficiar a sociedade, falen galego ou castelán, e neses grupos falar en galego.

P. Que significa o teu nome, Thupten Chophel? Como mudarom a tua vida essas duas palavras?

R. Thupten Chophel, significa, que a miña cualidade principal para alcanzar a iluminación é incrementar o darma. O darma é todo o que move a sociedade e persoas cara á súa evolución e crecemento. As palabras, penso que en momentos de dúbidas me indican por onde tirar no camiño.
Comentários (8) - Categoria: Desenhos - Publicado o 12-06-2011 16:49
# Ligazóm permanente a este artigo
Jornadas de portas abertas no Mosteiro de Oia


O Mosteiro de Oia abriu as suas portas ao público durante um fim de semana despois de cinco anos fechado.

Nestas Jornadas de portas abertas, organizadas por ACAMO, "Asociación Cultural de Amigos do Mosteiro de Oia", puidemos tirar umhas imagens que visibilizam a situaçom actual, ruinosa, do que foi um dos Mosteiros mais importantes da Europa.

Um home de mais de noventa anos achegou-se á gente da Asociaçom o primeiro dia emocionado: fora apresado em Catalunya e cumpriu os 18 anos no campo de concentraçom fascista em que se converteu o mosteiro baixo o regime de Franco.

Junho 2011.
Comentários (8) - Categoria: Desenhos - Publicado o 06-06-2011 13:40
# Ligazóm permanente a este artigo
Curso de cozinha para homes! (1)


Com Fernando Asensio!



Em 2009 puidemos melhorar as nossas habilidades culinárias ao participar num Curso de Cozinha para Homes organizado polo Concelho de Tominho.

O mestre cozinheiro foi Fernando Asensio, de Goiám, um grande profissional da restauraçom e excelente comunicador, com quem 16 homes aprendemos muitas cousas sobre a vida dos alimentos desde a ponta dos coitelos até os pratos, passando polas tijolas.

Esta foi a minha olhada, que entrou polos olhos e saiu polos dedos.

Um saúdo aos companheiros de aventura e um abraço a Fernando Asensio!

Mais info.


...

(Realmente forom pensadas como folhas de rascunho, recolhidas para uso persoal, de aí o descoido tanto gráfico como lingüístico...)


1º Dia:

- Caldo de polo e verduras
- Polo recheio de marmelo e queixo
- Brochetas de polo, toucinho e vegetais.

























Comentários (11) - Categoria: Desenhos - Publicado o 31-05-2011 22:17
# Ligazóm permanente a este artigo
O polícia secreta que aprendeu a falar galego



Era-se umha vez um policía secreta. Na académia diciam que fora o melhor da sua promoçom. Era brilhante, diciam. Quando o destinarom a Galiza trazia muita ilusiom. Por fim poderia entrar em acçom: espiar, fazer-se com informaçom, infiltrar-se, converte-se em toupa entre os inimigos da orde estabelecida, defender a estabilidade da sua naçom...

Era mui bom actor e tinha essas cousas imprescindíveis para ser um bom polícia secreta: lábia, um sorriso bonito e umha olhada que sempre olhava de frente, com confianza. Podia passar dias interpretando um papel. Dias! Era um polícia secreta com um dom especial. Mas...

Mas para ser um bom polícia secreta faltava-lhe algo. Umm... Despois de muito pensa-lo, umha noite chegou á conclusiom de que tinha que faze-lo. Nom chegava com vestir e sorrir como aquela gente. Tinha que botar-se a falar como eles, quem lho diria a el, que acabaria tendo que falar naquela espécie de portugués! E assi foi. Ao dia seguinte pronunciou as suas primeiras palavras, tímidas e inseguras, que levantarom a admiraçom e figerom medrar a confianza e o seu apreço entre as persoas daquel grupo de gente no que se infiltrara.

E assi si, assi, quando descobreu que falar galego era imprescindível, aquel polícia secreta conseguiu ser um bom polícia secreta.

Era o que lhe faltava para ser... perdom, para parecer, umha daquelas persoas que diciam luitar pola igualdade, a liberdade, a justiça social... e essas cousas sobre as que um bom polícia secreta deve informar e combater, polo bem da orde estabelecida e, de passo, do seu futuro profesional.



Comentários (23) - Categoria: Desenhos - Publicado o 29-05-2011 09:27
# Ligazóm permanente a este artigo
Os 100 corvos faladores



















Umha mulher vivia soa na Chaira da Névoa com 100 corvos faladores.

Criara 100 corvos umha mulher e aos 100 corvos cortara-lhes o músculo do siléncio, que está por baixo da língua, e os corvos aprenderam a dizer palavras.

A mulher vivia com 100 corvos no seu labradio. E os corvos viviam com ela. Nom vivia com 100 gatos nem com 100 cans nem com 100 vacas, nom: vivia com 100 corvos, 100 corvos faladores.

Falava a mulher com os 100 corvos na Chaira que Vai Cambiando de Nome.
100 corvos negros pousados na neve da Chaira dos 100 Corvos Faladores no inverno.
100 corvos negros a voarem no reflexo das poças da Chaira das Ras em primavera.

Adestrou 100 corvos aquela mulher na Chaira Cha e aprendeu-lhes a falar. A cada corvo, as suas palavras.

Caminhava pola Chaira dos Mil Rios aquela mulher com 100 corvos a voar á sua beira.
E os corvos faladores da mulher falavam e o vento levava e traía as palavras dos corvos no ar.

Caminhava cara á cidade, a mulher, de vez em quando, com um vestido vermelho de cotio, e 100 corvos faladores sobre dela no céu.

-Aí chegam os 100 corvos faladores, berravam os nenos.
-Vem com eles a mulher, a mulher vem com eles, a mulher de vermelho! anunciavam as nenas.
-Rápido, que as palavras venhem a favor do vento e chegam antes!, diziam os velhos.
-Tapai os ouvidos, avisavam as velhas, para nom ouvir as verdades.
-As verdades, as verdades!, corria espaventado um senhor de gris pola rua do méio.
-Nom creades as verdades, som mentira!, berrava umha senhora de chapeu negro com as maos nas orelhas.

E a mulher de vermelho cruzava lentamente a cidade, lentamente através, lentamente, e os corvos faladores falavam. Alguns falavam pousados nos telhados, nos ciprestes da alameda, na fonte da praça, na torre da igreja, no relógio do concelho, ou voavam a dizer as verdades no ar. Ás vezes os corvos reuniam-se todos juntos na praça.

E todo o mundo sabia.

Que os corvos ceivavam as verdades. Os granhidos eram palavras. As palavras caiam do céu. E muita gente, aínda que fazia que nom, ponhia o ouvido para as recolher.

Dava a impresiom de que havia gente que tinha medo do que podia escoitar. Alguns fechavam-se na casa. Outros cantavam em alto para nom ouvir outra cousa que a si mesmos.

A gente sabia que se escoitavam aquelas verdades a sua vida podia cambiar. Já tinha sucedido. Desde que os 100 corvos faladores começaram a vir á cidade, algumhas cousas mudaram dum dia para outro sem explicaçom... Umha mulher espetara-lhe ao xastre umhas tesouras na mao direita, por exemplo.

E havia ruas que cambiavam de nome, caminhos que mudavam de lugar, gente que cambiava de língua. Um velho mudou de passado e umha nena, de futuro. E havia cousas que nunca cambiavam que tamém cambiarom.

E quando os corvos cansavam de falar, a mulher e os 100 corvos voadores regressavam á Chaira Sem Nome.

-Isto nom se pode permitir, berrou um dia um velho.
-Essa mulher é perigosa!, dixo alguém,
-Umha tola!, cuspiu umha mulher.
-Umha bruxa!, berrou outra.
-Só nos trae desgraças!, dixo um home de gravata.
-Há que acabar com os 100 corvos faladores, dixo outro, de traje gris.
-Os jornais dim que está tola, dixo umha mulher erguendo um periódico de letras vermelhas.

Daquela dixo umha nena: Mas, se acabades com os 100 corvos faladores quem nos vai dizer as verdades?

Quem vai dizer as verdades se acabades com os 100 corvos faladores?, perguntou.

Dizem que de vez em quando aparece polo caminho que vem da Chaira dos 100 Corvos Faladores umha mulher com 100 corvos faladores.

E que ás vezes pousam nos telhados ou gralham nas praças.

Tamém dizem que se chegas a escoitar as palavras que ceivam os 100 corvos faladores e olhas os seus olhos já nunca volver ser a mesma persoa que eras antes, nunca mais.

Comentários (5) - Categoria: Desenhos - Publicado o 25-05-2011 10:58
# Ligazóm permanente a este artigo
Expo: Resisténcia Animal!
Resisténcia Animal:

A minha primeira exposiçom!!!

Os animais fazem
um chamamento à acçom coletiva,
porque as cousas podem cambiar.

Animais
que lutam no caminho da vida,
em defensa própria.

Contra a destruiçom meioambiental
na Galiza.

Umha olhada surrealista e
social-realista ao mesmo tempo.

Com tenrura e violéncia, amor e rebeldia.

Cores, beleza e poesia contra o poder.
































Despois dumha intervençom lúdico-educativa com alunado de Educaçom Ambiental, de Pedagogia Social, na Faculdade de Educaçom da Universidade da Corunha, intitulada Conflitos sociais, Arte e Educaçom, inauguramos a exposiçom das aguarelas que protagonizam o livro Animais (Através, 2010)

A Expo pode-se olhar no Pavilhom de Estudantes, no Campus de Elvinha, na Corunha.

Um abraço mui grande á professora Araceli Serantes e ás estudantes que compartistes este dia comigo!
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 10-05-2011 22:38
# Ligazóm permanente a este artigo
Um pica-peixes sobre a almofada!






e mais umha libelinha azul...

Para Candela!



Comentários (20) - Categoria: Desenhos - Publicado o 28-04-2011 20:31
# Ligazóm permanente a este artigo
As culheres de Javier Valles








Javier Valles enviou estas fotos e estas palavras desde Asturies, criadas a partir do relato das 13 culheres numha caixinha negra:

"Só teño na miña mente mestura de culleres...deformes e de madeira.
Con elas vai unha culler que soña con ser garfo.

Estou facendo rochas...pedras baleiras por dentro...tamén de madeira."

...

Javi Valles é escultor, e tem um braço galego e outro asturianu. "11 pedras de cores" é o título da sua vindeira exposiçom, em julho.
Comentários (7) - Categoria: Desenhos - Publicado o 04-04-2011 22:42
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal