Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

A esquina do mantel


- Mamá, por que levantas umha esquina do mantel ao acabar de comer?

- O que?

- Mira, sempre o fas. O mantel, dobra-lo e deixas que se veja umha esquina da mesa...

- Ah, si, na nossa casa sempre se fixo... Levantava-se o mantel ou o ule, assi...

- E por que?

- Pois nom cho sei mui bem... Nom sei se dá boa sorte ou algo assi.

- ...?

- ...

- E nom sabes mais nada?

- Pois nom.

- Pois que curioso.

- Sempre se fixo...

- Ahá.
Comentários (0) - Categoria: Geral - Publicado o 03-06-2009 09:46
# Ligazóm permanente a este artigo
Iniciativa Internacionalista, avanti!






Este vídeo parece umha máni audiovisual, porque nela atopamos gente -como Luz Fandiño, Ataque Escampe, ou O´Leo- com quem vimos compartindo as ruas nas mánis em defensa de Galiza -língua, médio ambiente, direitos, trabalho...- desde hai já alguns anos!

Boa Iniciativa!

Já era hora!

Avanti tutti!



Mais, aqui!
Comentários (0) - Categoria: Geral - Publicado o 02-06-2009 22:21
# Ligazóm permanente a este artigo
A primeira mulher resucitada na Galiza


Celso Fernández Sanmartín em acçom!
Comentários (0) - Categoria: Geral - Publicado o 02-06-2009 09:41
# Ligazóm permanente a este artigo


"Hai gente que nom lembra como começou a falar em galego... Eu si. "

Luís Ardora

...

Curtametraxe realizada no IES Leliadoura durante o curso 2007-08, froito dun Obradoiro Audiovisual organizado polo Equipo de Normalización e Dinamización Lingüística e impartido pola cooperativa Fungo.


...

He, he, he, obrigado, Adrián, Leti, Sara, Raquel, Nacho, Marta, Xosé Xoán, Pura, Mónica Paula, Lorena. Elvira, Fátima, Helena e Óscar
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 01-06-2009 10:34
# Ligazóm permanente a este artigo
"Ás veces sinto que no meu país faltan palabras"



"Ás veces sinto que no meu país faltan palabras", Made in Galiza.




"Reclamo a liberdade pró meu povo"
Con pólvora e magnolias, 1976
Xosé Luís Méndez Ferrín

...

Alun@s do IES Cachada, de Boiro.

Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 01-06-2009 10:23
# Ligazóm permanente a este artigo
Laura Bugallo, liberdade!

Concentración o 27 ás 20.30 no Toural (Compostela) pola liberdade de Laura Bugallo

"Informamos da convocatoria dunha concentración este mércores 27 de maio na Praza do Toural ás 20.30 para reclamar a liberdade da nosa compañeira Laura Bugallo, detida na xornada de onte pola Policia Nacional, nunha clara campaña de ataque e acoso á rede de apoio das persoas inmigrantes na Galiza. Porque defender inmigrantes non é delito, achegáte a amosar a túa solidariedade e difunde!"
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 27-05-2009 17:12
# Ligazóm permanente a este artigo
A vida que narramos entre tod@s


Está no prelo a 6º ediçom de Made in Galiza
.

Obrigado a tod@s. Medra em mim a sensaçom de que o livro já nom é umha propriedade privada.

Quereria dar muitos abraços.

Comparto com Slavoj Žižek e David Rodríguez no seu
artigo a importáncia de compartirmos as nossas narraçons.

Made in Galiza pretende, entre outras cousas, compartir algumhas narraçons da vida diária, dos sonhos cotiás da nossa língua.

Para mim sempre foi e será um livro colectivo.

Porque Made in Galiza tamém xurdiu, entre outras raçons, como umha mais das milhenta respostas a essa forma de violéncia que se chama Espanholismo, umha ideologia insensível á injustiça e o sufrimento de milheiros de galegos e galegas com nomes e apelidos, umha força que procura o somentemento da nossa língua e a nossa cultura.

E que procura a nossa doma e castraçom, neste reinado como no reinado dos Reis Católicos.

Mas somos muita gente indomável!

Ramón Piñeiro identificava filosoficamente o povo galego com o sentimento da saudade. A melancolia. Pois...

Mas muita gente sabe que um dos nossos principais sinais de identidade está no nosso sentido do humor, na retranca. E a retranca supom rebeldia.

Que lho perguntem ao Curros d´O Divino Sainete, á Rosalia revolucionária.

Somos bipolares? Pode. Nom vou dicir que nom. Nem que si. Mas sabemos que entre a depresiom e a ilusiom, entre o fatalismo e a esperança, muit@s eligimos erguer a cabeça.

E aí estamos. Mesmo com sentido de humor, aínda que estejamos jogando a vida ou morte.

Força, amig@s, no caminho da língua.



Um fragmendo do artigo de David Fernández:

"Que facer, en definitiva, para podermos construír un discurso lingüístico alternativo ao hexemónico?

(...)

Dediquémonos mellor á denuncia de casos concretos protagonizados por persoas concretas até conseguir introducir no imaxinario colectivo un perfil facilmente identificable —e trasnmisible— do oprimido e do opresor lingüístico.

Procuremos que se nos identifique con «aspiracións utópicas» como a do Dereito ao Recoñecemento, o Respecto, a Xustiza, ou calquera outra que se nos ocorra, e fagamos por asociar aos nosos adversarios con aquelas ideas (Desprezo pola cultura, Prepotencia, Chulería, Elitismo, etc.) que o común das persoas penaliza inconscientemente.

Iso si, que cada unha destas ideas apareza sempre vencellada a un caso preciso. A unha narración.

Porque nós, a diferenza deles, non necesitamos mentir, temos milleiros de historias verdadeiras extraídas directamente da rúa que contar.

Deamos a coñecer as historias, os rostros e os nomes que se agachan detrás de cada marxinación até que algún deses nomes, deses rostros e desas historias sexa quen de activar o dispositivo que as transforme en metáfora de todas as demais.

Entón axitémola sen acougo, exhibámola até o aburrimento, fagamos dela un símbolo. Machaconamente. Sistematicamente. Disciplinadamente. Sexamos entón inflexibles. E Intolerantes. Coma propón Žižek.
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 26-05-2009 23:48
# Ligazóm permanente a este artigo
Quero...te


Obrigado, sete mais un!
Comentários (7) - Categoria: Geral - Publicado o 26-05-2009 08:41
# Ligazóm permanente a este artigo
Em Croácia, em galego (4)


Nos III Dias das Línguas e Culturas Íbero-romances.
Zadar, Dalmácia, Croácia.
Maio, 2009

Com queimada em croata!

Aqui, a crónica das jornadas, guai de pai, por Carolina, no Planeta Gale!

E entrevista em Zadarski List
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 22-05-2009 07:24
# Ligazóm permanente a este artigo
Parque Natural de Plitvicke


Em Croácia a natureza é asobalhante.

Desde o aviom, chegando a Zagreb, podem-se olhar com a boca aberta os bosques mais frondosos que se queiram imaginar, bravos e mestos de frondosas, selvages, sem devasas nem pistas forestais em grande parte do território.

E dentro do peto do pantalón, tamem a natureza vai contigo.

Nas kunas, a moeda de Croácia, podemos atopar umha marta, um oso pardo, um atum ou um reisenhor. Ou a deguénia da montanha, a flor do tabaco, e a lipa, a árvore do tilo.

A natureza no Parque natural de Plitvicke é, simplesmente, como nos sonhos.

Aínda que nas tendas de souvenirs de Zadar vendem peixes globo desecados e caracolas marinhas mortas.


...

22 de maio, Dia Mundial da Biodiversidade.
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 21-05-2009 22:28
# Ligazóm permanente a este artigo
Em Croácia, em galego (3)



Ivica Jandric naceu em Bósnia e estuda na Universidade de Zadar, em Dalmácia, Croácia, onde começou a falar a nossa língua.

Nos III Dias das Línguas e Culturas Íbero-románicas, em maio de 2009 em Zadar, Ivica falou-nos sobre a sua experiéncia como neo-falante, sobre as similitudes entre a história de Galiza e a do seu povo e sobre as dificultades para que alguns galeg@s lhe falassem em galego quando visitou o nosso país.

Ademais, inspirado na experiéncia alófona de Federico García Lorca e os Seis Poemas Galegos, Ivica escribiu os Seis poemas ghaleghos dos Balkáns.

Ivica Jandric, um galego naturalizado dos Balkáns.


Seis poemas ghaleghos dos Balkáns


FÁLOCHE DA MIÑA PATRIA...

Ai, a miña patria está lonxe de ti.
Como se chama? Non o sei.
Ela ten moitos nomes. Ela non ten nome.
Todos a queren, mais ninghuén a quere.
Non ten fronteiras, aínda que está dividida, dividida.
E bandeira? Pois, non nos ghusta ninghunha.
Na miña patria, as cores son inimighos.
Quen somos nós? Os meus compatriotas e mais eu?
Non o sabemos. É difícil decidir.
Os esquimós teñen as súas 50 palabras prá neve.
Nós, nós temos tantos diferentes posesivos.
Cada similaridade entre un e outro é pura casualidade.
Nós somos moi diferentes deles.
Eles son moi diferentes de nós.
Idioma? Uf! Non os podo comprender. Nada de nada.
A súa fala é estrañísima.
Interésache o himno? O noso himno son ghritos. Aaaa!
O noso himno é silencio. Chist! ...
Mais, hai algho na miña patria moi valoroso.
Hai xente.
A xente que non son nin nosos, nin deles.
Só xente.
A xente á que lle ghústan as cores.
A xente á que lle ghústa cantar.
A xente que fala o idioma da xente.
A miña xente.


...


FALA!
(Himno a unha amizade)

Fala!

Coñecinte por casualidade, por destino, non importa,
E dende que oín a túa voz, abriu a miña porta,
A porta ó meu mundo, ó meu corazón, á miña vida,
E un amor, unha amizade eterna foi nacida.

Fala!

Viñeches, viches, conquistáchesme rapidamente,
Nun momentiño trouxéchesme a aperta da túa xente.
Pedíchesme axuda e ofrecíchesme a amizade,
Aghora seino, é destino, non unha casualidade.

Fala!

Quero escoitarte, ghústame o aire que sae da túa boca,
A miña alma necesítao, a túa voz aínda me toca.
Por isto digho, non permitas que se olvide. Fala!
As túas palabras son douradas, a túa voz, hai que coidala!

Fala!

Abríchesme toda a túa vida e invitáchesme a ela,
E dixeches coa voz doce, ven, escoita, tes que vela,
E quero aghradecerche, aínda que a miña boca cala,
Mais a miña alma fala, fala, fala, e só repite un ghrande...

FALA!



* Fala: (a) imp. de “falar”; (b) croata non-estandard (de “hvala” = grazas)



...


A MELODÍA GHALEGHA

Escoitaba unha melodía...
Viña co vento de occidente...
A voz, de Ghalicia, aquel olor...
...pola noite e polo día...
...trouxo as ghaitas no meu oriente...
...a música, tan chea de dor...
...aínda que non a entendía...
...saía entre un e outro do meu dente...
...Chove en Santiagho, meu doce amor...
...cantábaa, a divina Uxía...
...a canción ghalegha e da súa xente...
...coma Luar, neste mundo neghro, trae a cor.


...


STRANJANI (Stráñani)

A aldea onde eu nacín
Chámase o paraíso.
Hai moito tempo dende que a vin,
Mais non vou falar diso.

Os meus ollos viron moitos lughares.
Prá miña alma, cada sitio é frío.
Eu nadei en varios mares,
A miña alma só no noso río.

Non é triste, aínda que dei bághoas moitas.
Eu vin, eu sentín, eu fun ó ceo.
Aghora sei pra que serven as miñas loitas.
Por aqueles momentiños, o meu corazón está cheo.

Aghora disfruto nesta viaxe, nesta vida fermosa, divina e curta,
Porque sei, cada viaxe ten a súa fin.
Na fin, a miña alma volverá ó paraíso, non estará morta.
Por isto, a miña alma e o meu corazón rin.


...


CERO

Unidos estaremos alghún día
Dous coma un só
Tres culleriñas do azucre no teu café
Cá troba será cada frase túa
Cinco vidas non serán suficientes
Sei, sábelo ti tamén
Se teño o teu amor, téñoo todo
Oitocentos anos contigho pasarían coma un seghundo
Novembro da nosa vida, cando veña
Dez veces che direi “Quérote!
A eternidade espéranos...”


...


Á MIÑA BALKÁNICA

Neghrita miña! Quérote tanto...
Sentirte pola mañá.
Ir durmir contigho cada noite.
Ai, tráesme paz, tranquilidade.

Oriental miña! Xamais me deixes...
O teu cheiro vólveme as miñas felicidades pasadas.
Os teus bicos cálidos lévanme á éxtase.
Síntote en cada parte do meu corpo.

Turca miña! Quédate no meu mundo...
Estiveches comigho dende que son.
Disme o meu futuro, aínda que non che creo.
Amor meu, compaña de vida... meu café!
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 20-05-2009 15:17
# Ligazóm permanente a este artigo
Finlándia ceive, poder popular!


Um projecto teatral de, desde, entre, com, para a cidadanía impulsado por Carlos Santiago e Víctor Mosqueira.
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 20-05-2009 08:55
# Ligazóm permanente a este artigo
Muita gente a buscar amantes galego-falantes...


















...na máni do 17 de maio.
Comentários (5) - Categoria: Geral - Publicado o 20-05-2009 00:42
# Ligazóm permanente a este artigo
Em Croácia, em galego (2)



"Todos dim que a língua galega nom é necessária, como já falo bem castelám... A mim gusta-me poder eligir falar com os galegos na sua língua..."

Hrvoje é croata e estuda na Universidade de Zadar. Nunca estivo na Galiza. Falamos com el na Dalmácia, Croácia, na semana das Línguas e Culturas Íbero-románicas


"Nom se pode dicir que umha língua é difícil, hai que practicar e falar..."






Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 19-05-2009 12:43
# Ligazóm permanente a este artigo
Encontro em Zadar


Que experiéncia tam agradável a de falar na Universidade de Zadar com o alunado de língua galega, nos III Dias das Línguas e Culturas Íbero-románicas

Ás portas dumha Universidade blokada pol@s estudantes, em plena luita estudantil, -firme, dinámica e admirável-, falamos sobre o cámbio social.

E sobre a criatividade social como elemento clave para transformar a situaçom da nossa língua.

E sobre o proceso de formaçom do estándar, desde Rosalia e o seu "Adios, rios", até a convivéncia imposta com os castelanismos mais habituais: Dios, pueblo, gallego.

Sobre luras e calamares.

Sobre a tensiom contínua entre a colonizaçom lingüística e o proceso socio-criativo de normalizaçom do galego nos nossos próprios nomes e topónimos *Villar, *Villagarcia/ Vilar, Vilagarcia.

Sobre a relaçom de amor-ódio entre os sinais de tráfico e os sprays.

Sobre essa outra tensom entre o isolacionismo e o reintegracionismo, movimento social sobre o que o estudantado se mostrara nos dias prévios á charla mui interessado.

Sobre a letra G no latim BIOLOGIA, francés BioloGie, catalá BioloGia, espanhol BioloGia, inglés BioloGy, galego-portugués BioloGia e... galego ILG-RAE BioloXia.

Sobre o NH e o Ñ e o nome de Ronaldinho e da minha filha Estrelinha.



Sobre a Lei de Berto.

Sobre as subvençons de Política Lingüística a La Voz de Galicia por promover o galego... (ehem!) e a marginaçom de Novas de Galiza dessas mesmas ajudas malia o seu 100% em galego.

Sobre por qué Eu nunca serei yo e por qué minha nai e meu pai me educarom em castelám.

Sobre Txepetx, Sánchez Carrión e a sua teoria de aprendizagem das línguas baseada, no caso da gente neo-falante, na Motivaçom como elemento impulsor.

Sobre parapsicologia, quando fixem ouigha com o espírito de Castelao.

Sobre drogas, quando num botelhom recolhim umha categorizaçom sobre prejuíços lingüísticos.

Sobre o chinés de Nova York que aprendeu a falar em galego sem querer.

E tamém saquei o péndulo e desenvolvim -com a colaboraçom voluntária, por suposto, d@s rapac@s e profes universitários - o meu Método de Hipnóse para falar galego. Obrigado, Mírnia, por atraver-te a fechar os olhos.

@s moz@s croatas -e bósni@s- deixarom-se hipnotizar mui bem e por isso devo agradecer-lhes a ajuda, a atençom, a simpatia e a calor nesta charla na que mesmo puidem ler telepaticamente umha palavra em croata. Graças, Ana.

Falei-lhes mesmo da sua participaçom -benvinda!- como neo-falantes no cámbio social que desejamos para Galiza e a nossa língua.

E finalmente, convidei-n@s á Mani em defensa do galego, á que -de seguro- acudirom os seus coraçons.

Abraços mil, alunas e alunos de Zadar. E muita sorte na vossa loita estudiantil.


...

Por suposto, mil abraços á gente do Departamento de Línguas Ibero-románicas. E outros mil a Piti, Inma Luna, José Luís Peixoto, Xandru Fernández, Alberto Gargallo, Basilio, Silvia, Tito, Morala e o resto d@s compas de jornadas.

Em cada umha das vossas línguas, um saúdo!

Carolina, foi um pracer conhecer-te!
Comentários (6) - Categoria: Geral - Publicado o 19-05-2009 12:43
# Ligazóm permanente a este artigo
O inglés que inventou a palavra "boínho" e a bósnia "pai de guai"


Este é um vídeo que nunca esquecerás. De veras.

Universidade de Zadar, Dalmácia, Croácia, maio de 2009.

Durante a celebraçom dos III Dias das línguas e culturas ibero-románicas tivemos a oportunidade de conhecer a Blanca e a Tom.

Blanca é bósnia e aprendeu galego em Croácia. Tom, inglés, e aprendeu-no em Gales. Conhecerom-se em Compostela num curso de verao para estudantes estrangeir@s. Blanca nom lhe dixo a Tom que sabia inglés e conhecerom-se falando o seu galego de quem começa a falar.

Conhecerom-se até querer-se, em galego.

Quando acabou o curso de verao voltarom aos seus países. E continuarom a falar em galego, por teléfono, por internet, quase todos os dias.

Tamém inventam palavras em galego. Por exemplo com o diminutivo, e assi, como de "bonito" se di "bonitinho", -explica Tom-, a partir de "bo" inventamos "boínho".

Guai de pai!
Comentários (6) - Categoria: Geral - Publicado o 17-05-2009 22:52
# Ligazóm permanente a este artigo
17-M: Tod@s a Compostela!


Contra a marginaçom do galego e a imposiçom do espanhol.

Participemos.
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 08-05-2009 22:06
# Ligazóm permanente a este artigo
Proximamente...


komunikando
Comentários (0) - Categoria: Geral - Publicado o 08-05-2009 22:06
# Ligazóm permanente a este artigo
Os Mutantes


Ela é a minha menina

Ela é minha menina
Eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela
A lua prateada se escondeu
E o sol dourado apareceu
Amanheceu um lindo dia
Cheirando a alegria
Pois eu sonhei
E acordei pensando nela
Pois ela é minha menina
E eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela

A roseira já deu rosas
E a rosa que eu ganhei foi ela
Por ela eu ponho o meu coração
Na frente da razão
E vou dizer
Pra todo mundo
Como eu gosto dela
Pois ela é minha menina
E eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela

Ela é minha menina
Eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela
A lua prateada se escondeu
E o sol dourado apareceu
Amanheceu um lindo dia
Cheirando a alegria
Pois eu sonhei
E acordei pensando nela
Pois ela é minha menina
E eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela

A roseira já deu rosas
E a rosa que eu ganhei foi ela
Por ela eu ponho o meu coração
Na frente da razão
E vou dizer
Pra todo mundo
Como eu gosto dela
Pois ela é minha menina
E eu sou o menino dela Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela
Minha menina,
Minha menina...

...

Mais sobre Os Mutantes
Comentários (5) - Categoria: Geral - Publicado o 28-04-2009 20:43
# Ligazóm permanente a este artigo
O atracador ventrílocuo


Isto sucedeu um dia de fevereiro de finais dos 70 na capital do país. Daquela os bancos e caixas de aforro eram asaltadas esporádicamente, unhas vezes por delincuentes comúns, outras por organizaçons políticas revolucionárias. Foi umha época na que os nomes dalguns atracadores de bancos mesmo acadaram a fama em letras grandes nas portadas dos jornais.

Mas um capítulo pouco conhecido na história dos atracos a bancos na Galiza foi a do atracador ventrílocuo. Ou atracadora. A natureza excéntrica deste asalto foi tal que –salvando os protagonistas mais directos do episódio- pouca gente chegou a conhecer a história porque os médios de comunicaçom silenciarom os feitos, diante das presions da empresa bancaria, por umha cuestiom de discreçom.

Foi precisamente umha das testemunhas directas quem, com muita memória e organizaçom narrativa, nos narrou a história.

Esse dia morreu Sid Vicius, o cantante de Sex Pistols, ou isso dixeram na rádio aquela manhá.

A sucursal estava chea de gente e sobre o siléncio escoitou-se umha voz:

- Isto é um atrrraco. Tenho umha pistola e vai em sérrrio. Que ninguén se mova!

O fio de voz era extremadamente estranho, nem grave nem agudo, e grave e agudo ao mesmo tempo. Tinha, si, um sotaque estrangeiro, como imitando ao ruso. Daquela era mui estranho escoitar um acento assi. Talvez fosse fingido.

Em principio ninguém se moveu. Havia dezaseis persoas na oficina e dous empregados do outro lado do mostrador. A gente, sorprendida, começou a mirar-se aos olhos, entre si, com nerviosismo. Mas a voz voltou a falar com umha autoridade violenta, quase selvagem:

- Se ninguém fai tonterrrías nom haverrrá morrrtos nem ferrridos. E agora mirrrem ao lado do parrragüeirrro. Vem essa pistola? É umha astrrra semi-automática. Está descarrrrgada. Tenho outrrrra igual com 6 balas.

A voz resoava na oficina sem um rostro que lhe dera corpo. Umha señora tivo a intençom de mover-se cara á porta mas quando deu o primeiro passo a voz berrou sordidamente:

- Dixem que ninguém se mova, oooostia!

A voz nem era de home nem de mulher, ás vezes semelhava infantil, outras, de anciá.

- Maos arrrriba. Arrrriba!!

As persoas olhavam-se entre elas mas ninguém dava identificado o atracador. Asombradas e com medo, estavam a asimilar que um deles era um atracador ventrílocuo, ou atracadora. Mas em todos os olhos se percebia o nerviosismo. E todas as bocas permaneciam fechadas. Todos os labios selados.

- Obedeçam a minha voz e nom passarrrá nada, - voltou a falar a voz, que ás vezes chegava de longe e ás vezes de perto- E agorrra, os carrrtos!

O atracador ventrílocuo conseguia falar sem separar os lábios e projectava a sua voz, -fazendo uso dumha capacidade fora do comum, inédita- conseguindo, com umha impresionante habilidade e perfecçom, que o sons semelhassem saír de diferentes lugares. O engano acústico era extraordinário, como estar diante do melhor artista de circo em pleno espectáculo, o melhor ilusionista sonoro, o melhor mago de palavras do mundo.

A voz estomacal dirigiu-se aos empregados do banco:

- Juntem os carrrtos se nom querrrem levarrr um tirrro na boca!

Quando reunirom todos os cartos encima dumha mesa a voz berrou, com vibraçom afrautada:

- Agorrra fagam 16 montons e repartam-nos entrre a gente a parrrtes iguais. Já!

Como autómatas, suando, os dous empregados da sucursal saírom do mostrador e começarom a fazer o que o atracador ventrílocuo ordenara, em siléncio.

- Colham o dinheirrro!

Umha señora abriu o bolso, um senhor fixo espaço no colo do jersey, umha moza, na mochila, outra, no sostém, e assi, pouco a pouco, os bilhetes de dez e cinco mil pesetas forom repartidos entre os clientes e o mimetizado atracador. Ou atracadora.

- Agorrra vamos saírrr todos mui, mui despacio! Que ninguem olhe carrra atrrrás! E quando saiamos á rrrua, vamo-nos separrrarrr mui amodinho...

A gente foise achegando á porta da oficina com passos pequenos e a voz seguiu explicando ferridamente:

- Se alguém bota a corrrer jurrro que leva um tirrro nas costas!

Despois, justo quando a gente começava a saír, ouviu-se, num tom mais humano:

- E nom esquecam que som os bancos os que nos rrroubam todos os dias! Eles som os ladrrróns. E nós temos que nos defenderrr dos usuerrreirrros!

E assi foi!

Daquelas 16 persoas, 12 regresarom ao banco passados uns minutos e devolverom o dinheiro. O atracador ventrílocuo –ou atracadora- e tres persoas mais nunca voltarom, levando cada umha 5 milhons de pesetas.

E a astra semi-automática abandonada resultou ser umha pistola de joguete.
Comentários (6) - Categoria: Geral - Publicado o 27-04-2009 17:52
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal