Made in Galiza


Eu nunca serei yo
Um caderno de trabalho de Séchu Sende

A minha obra neste caderno está licenciada baixo creative commons, copiceibe.

O autor solicita comunicar-lhe qualquer uso ou modificaçom da sua obra no email de contacto aqui sinalado.

Contacto
madeingaliza
 CATEGORIAS
 FOTOBLOGOTECA
 OUTROS MUNDOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Vanessa na cafateria
Já nom me preocupo de vestir-me bem,
os dias passam e nada me motiva
e empeço a pensar movidas raras.
Ás vezes sonho que me leva a morte.

Necessito sentar-me e pensar um dia
em voltar ser como era antes.
Estou desganada, eu era guai
e agora vejo-o todo negro, tia.

Eu nom som eu, nom me conheço, mira.
Eu sempre animava a todo o mundo
e agora choro polas esquinas.

A vida é umha merda, tia,
quero cambiar e nom sei como.
Estou soa, sem trabalho, etcétera.

Estou cansa desta maldita vida.





Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 12-07-2008 15:04
# Ligazóm permanente a este artigo
Laurel & Hardy/ Lijó & Meixide




0s 4 no coraçom!
Parabéns, Tomás!
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 11-07-2008 01:05
# Ligazóm permanente a este artigo
Virai costas a Castela


Senhora, senhora do Almortão
Senhora do Almortão
Ó minha linda raiana
Virai costas a Castela
Não queirais ser castelhana

Senhora, senhora do Almortão
Senhora do Almortão
A vossa capela cheira
Cheira a cravos cheira a rosas
Cheira a flor de laranjeira

Senhora, senhora do Almortão
Senhora do Almortão
Eu pró ano não prometo
Que me morreu o amor
Ando vestida de preto


Canta Davide Salvado
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 11-07-2008 00:28
# Ligazóm permanente a este artigo
Parkour na Galiza


Cangas




Conxo



Corunha




Vigo?




Marim

...

O parkour está entre nós!
l'art du déplacement ou técnica de evasão é uma actividade com o princípio de se mover de um ponto para outro da maneira mais rápida e eficiente possível, usando principalmente as habilidades do corpo humano.

Chouteir@s a choutar a chimpos!

Um deporte undergroud, alternativo e rupturista que libera os espaços.

Umha frase concentra a sua filosofia: Nom existen límites, só obstaculos

Parkour, umha forma de luita?

Máis na wiki
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 09-07-2008 12:57
# Ligazóm permanente a este artigo
Alberto Pimenta


1.

dum lado da jaula
os que vêem
do outro
os que são vistos

e vice-versa



2.

A Encomenda do Silêncio


Já reparaste que tens o mundo inteiro
dentro da tua cabeça
e esse mundo em brutal compressão dentro da tua cabeça
é o teu mundo
e já reparaste que eu tenho o mundo inteiro
dentro da minha cabeça
e esse mundo em brutal compressão dentro da minha cabeça
é o meu mundo

o qual neste momento não te está a entrar pelos olhos
mas através dos nomes
pois o que tu tens dentro da tua cabeça
e o que eu tenho dentro da minha cabeça
são os nomes do mundo em brutal compressão
como um filtro ou coador
de forma que nem és tu que conheces o mundo
nem sou eu que conheço o mundo
mas os nomes que tu conheces é que conhecem o mundo

e os nomes que eu conheço é que conhecem o mundo
o qual entra em ti e o qual entra em mim
através dos nomes que já tem
de forma que o que entra pelos meus olhos não pode
entrar pelos teus olhos
mas só pela tua cabeça através
dos nomes dados pela minha cabeça
àquilo que entrou pelos meus olhos já com nomes
e do mesmo modo
o que entra pelos teus olhos não pode
entrar pelos meus olhos

mas só pela minha cabeça através
dos nomes dados pela tua cabeça
àquilo que entrou pelos teus olhos já com nomes
e assim o que tu vês
já está normalmente dentro de ti antes de tu o veres
e assim o que eu vejo
já está normalmente dentro de mim antes de eu o ver

e tudo quanto tu possas ver para aquém ou para além dos nomes
é indizível e fica dentro de ti
e tudo quanto eu possa ver para aquém ou para além dos nomes
é indizível e fica dentro de mim
e é assim que vamos construindo a nós mesmos pela segunda vez
tu a ti e eu a mim...

construindo uma consciência irrepetível e intransmissível
cada vez mais intensa e em si
tu em ti eu em mim
no entanto continuando a falar um com o outro
tu comigo e eu contigo
cada um
tentando dizer ao outro
como é o mundo inteiro que tem dentro da cabeça
e porque é e para que é

tu o teu mundo que tens dentro da tua cabeça
eu o meu mundo que tenho dentro da minha cabeça
até que morra um de nós
e depois o outro...

...

E aqui, o seu poema mais conhecido. Discurso do Filho da Puta
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 09-07-2008 02:32
# Ligazóm permanente a este artigo
Antonio Orihuela


Os meus amigos poetas
afirmam que me laio de mais,
que a verdade, é difícil entrar nos países da toleráncia,
mas umha vez dentro,
a toleráncia...
é que dás com ela em qualquer semáforo.

Toleráncia com o negro, com o castanho, com o amarelo
em quanto trabalhem por dous e cobrem por médio,
com a sudaca, a mil quinhentas a criada
e foda gratis se se presta.
Que para malos,
já fixo Deus os skinheads.

Nosoutros, por Deus, nosoutros!
anaco de pao á boca dos meus filhos,
chalesinho residensial, Ferrari um por Testa Rossa da família,
casinha no Rrrrosssío, poldrinho jerezano.
Nosoutros
por Deus
nosoutros!

....

Um poeta bastante comprometido de Huelva.

E aqui, alguns poemas
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 09-07-2008 02:07
# Ligazóm permanente a este artigo
Joseph Collard
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 08-07-2008 09:59
# Ligazóm permanente a este artigo
Ecologia acústica


Mapa de Sons na Galiza.




E alguns textos sobre Paisages Sonoras, Antropologia do Som, Armas Sónicas, Arte Sonora ou Tecnologias de Control Social a través do som do Projecto Escoitar.

Na Bitácora "podes atopar o traballo de campo das gravacións que o Equipo de Escoitar vai realizando onde podes consultar documentación sobre o lugar e características das paisaxes recollidas".
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 07-07-2008 12:44
# Ligazóm permanente a este artigo
Desacordos ortográficos


Carlos Santiago, trunfando em Portugal, despois do éxito de Mamá Lusitánia

Parabéns!
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 04-07-2008 11:58
# Ligazóm permanente a este artigo
Mapa electoral BNG/PSdG


Alto secreto: BNG e PSOE-PSdG estam rematando os seus programas electorais em matéria de protecçom do medio-ambiente e desenvolvimento sostíbel.

Assi estam as cousas: Top Secret

;)

Passa a bóla!
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 04-07-2008 10:07
# Ligazóm permanente a este artigo
-INSTRUCCIONES p'entamar a falar asturianu-


WELCOME TO THE BEST METHOD TO LEARN ASTURIAN!!!

BIENVENU À LA MEILLEURE MÉTHODE POUR APPRENDRE L'ASTURIEN!!!

El primer paso que debería dar la persona que pretenda empezar a hablar asturiano es sacarse una fotografía tamaño carné para tener un recuerdo de cómo era antes de saber hablar asturiano.

El segundo paso requiere un esfuerzo algo mayor: enfrentarse a leer sin miedo en la lengua objecto del aprendizaje. ¡Suerte!

Yá tamos nel tercer pasu, que tien que ver col métodu Bulinsky d'interpretación teatral, que consiste'n metese nel papel d'un personaxe que ta deprendiendo una llingua con toles consecuencies dramátiques p'iguar.

Asina, por exemplu, tien que camudase l'aspeutu cun chapín de copa o bigotes falsos y dicir nel supermercáu, como primer esperiencia, las sos primeres pallabres n'asturianu en boca del so personaxe: Si fai favor, u tan les pataques?.

L'envís del disfraz - pa la xente más murnia - ye nun ser conocíu pela xente vecina que nesta estaya del deprendizax, dellos vegaes, fai colar de la misión con frases poco afayadizes como:

-¿Date por falar "bable"? Veote estrañu (nun tonu de comedia)

-Uy, que graciosu tas...(cínicu)

-¿Qué ye lo que dicen los tos pas d'esto? (incrédulo)

-¿Cómo te dio por ahí? (asustáu)

-Ostia, colega, ¿y tú de qué vas? (molestu)

-Aún si lo hablaras bien....(indigná)

-Nótase que nun lo mamasti...(purista)

La más della xente que diz estes babayaes nun tien mala intención, pero delles vegaes, dicen coses que dan p'atrás y, inda que semeye bilordia, dalgunes persones que'intentaron falar asturianu, nun l'algamaron por mor de la presión del que dirán.

El "que dirán" ye una de les coses que pue azotar a una má cuando el so fíu roba un bancu, por exemplu, pero semeya que falar una llingua nun ye lo mesmu.Hai que tener claro, qu'esta seldrá una entruga que pue dar inseguridá: Y si empiezo a hablar asturiano, ¿qué dirán?

N'una categoría asemayá taria el "que pensarán", esto fainos reflexonar sobro l'importancia de la psiquiatría nel procesu deprendizax ya usu de la llingua asturiana.

El cuartu pasu p'entamar a falar asturianu ye rise de los propios erros enantes de que se ría otra xente. Hai que llevar con humor eses pequeñucos disparates ya interferencies como "Este libro ye miu" o "Voute pegar una lleche" sabiendo que nenguna persona na Hestoria pasó del estáu A: Nun falar una llingua al estáu C:Falar perbien una llingua ensin un perióu intermedíu B: Falar más o menos mal esa llingua.

La xente que sepa lleer pue atopar dalgu d'ayuda nos llibros. Nos diccionarios tan casi que toles pallabres ordenaes de l'A a la Z. La xente que nun sepa lleer ou nun y-preste facelo que nun s'abluque. Hai milenta casos de persones que nunca lleeron un llibru n'asturianu y fálenlu perfeutamente.

Tamos aportando al final, entramos na etapa de desmitificación de la llingua asturiana, cuando escubrimos que realmente l'asturianu ye una llingua como cualesquier otra, ensin poderes transcendentales añadíos. Asina podemos sorprendenos un día entrugando l'hora n'asturianu a daquién con naturalidá, ensin danos cuenta.

Algamáu'l nuesu oxeutivu, escubrimos de mena sorprendente que, escontra lo que piensa milenta xente, pa falar asturianu nun fai falta ser independentista nin dir vivir n'una aldea.

El cimeru pasu d'estes instrucciones pa falar asturianu nun tien retornu:

Ye tiempu de facer comparanza de l'antigua semeya carné cola nuesa imaxe d'anguañu n'un espeyu y confirmar que tou ta nel mesmu llugar. Los cambeos son imperceutibles, y cualesquier camudamientu inesperáu solo pue tener como desplicación nel pasu tiempu o cualesquier otra cosuca ayena a la llingua asturiana.


.....

TORNAMIENTU N'ASTURIANU DEL TESTU DE MADE IN GALIZA


A traduçom é de Samuel Gradín no seu blog astur

Munches gracies!
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 03-07-2008 14:35
# Ligazóm permanente a este artigo
A nossa fauna: a bicicleta


A bicicleta é umha das espécies mais fascinantes do reino animal. Tem mais dentes que um crocodrilo, pinhons como as coníferas e algums indivíduos, um timbre para marcar território, advertir dos perigos e articular cantos de apareamento.

As bicicletas vivem normalmente sobre rodas, e som animais diurnos, aínda que se podem chegar a ver bicicletas que, como os vagalumes, desenvolverom umha luz para ver de noite.

As bicicletas som originariamente nómadas e, como os camelos e dromedários, portam uns pequenos depósitos de água.

A bicicleta chama-se bicicleta a nom ser que haja confianza e entom pode-se-lhe dicer bice.

As bices som animais mui livres e necessitam quilómetros e quilómetros de território. Tenhem-se dado casos de bicicletas que derom a volta ao mundo. As bicicletas fam mais quilómetros ao ano que os nhus do Serengueti. Umha bice sem viages oxida-se e queixa-se com um particular laído, nhic, nhic, semelhante ao choro do lobato.

Hai bicicletas de montanha, como os osos pardos, e bicicletas de estrada, como os sinais de tráfico. As de montanha pessam mais porque necessitam mais graxa para adaptar-se melhor ás duras condiçóns da vida selvagem.

As bicicletas parecem-se ás abelhas em que pincham. E quando umha bicicleta pincha hai pouco que fazer: perde-se todo o ar e a única soluçom é fazer umha transfusom com um inflador.

A espécie mais hostil por autonomasia para a bicicleta é o automóbil. Um automóbil pode atacar umha bice no momento menos pensado e destroza-la num visto e nom visto. Nas cidades, por exemplo, nom é raro ver as bicicletas fazer ágeis movimentos para fugir in extremis dos ataques dos sanguinários automóbeis.

A bicicleta é umha dessas espécies que servem como indicadores do benestar social e biológico. Quantas mais bicicletas em liberdade hai num território mais avanzada é a sua sociedade.

Os eco-sistemas onde as bicicletas convivem harmoniosamente com outras espécies goçam dos melhosres indices de saúde animal, vegetal e mineral.

Ademais, as bicicletas permitem identificar os políticos mais incompetentes, estúpidos e corruptos -nom se salvam nem os que melhor o sabem disimular- pois quanto mais inútil é um alcalde menos quilometros de carril-bice hai na cidade.

A bicicleta é um animal fascinante.
Comentários (1) - Categoria: Geral - Publicado o 03-07-2008 12:23
# Ligazóm permanente a este artigo
Led Zeppelin em Vila de Cruces


Guitarras: Yael e Irene
Voz: Yago
Bateria: Puga
Comentários (4) - Categoria: Geral - Publicado o 01-07-2008 10:26
# Ligazóm permanente a este artigo
A MIÑA LINGUA





I

Falo coa miña lingua irada,
coa rabia da brétema nos ollos,
coas palabras-farrapos culpantes
de tanto ladroício, coas bágoas,
o ferro, o veneno, a auga turba,
a lama dos pozos sen peitoril nin dono,
a fereza dos cazadores doutrora
-os que amansaban falcós e miñatos-
coa fala dos saqueadores de eirexas,
a lingua maldita dos asasinos,
dos saltadores de camiños,
de tódolos bandoleiros sen perdón
e dos guerreiros mercenarios,
a fala muda dos pobres de pedir
e dos guerreiros mercenarios,
a fala muda dos pobres de pedir
e dos cás escorrestados da lareira.
Falo coa miña fala vagamunda,
cos berros das mulleres no parto,
coa voz de cada condenado deste mundo,
de cada exiliado da vida.


II

Falo a un tempo a fala doce dos amantes,
falo prós amantes máis que nada
e pra tódolos que, por causa do amor,
sofren e calan a súa desdita.
Falo a fala dos poetas que están mortos,
coas súas mellores palabras,
coa súa palabra esquencida falo,
coa voz amantiña dos irmaos benqueridos,
coa vella pregalla que levo escrita no sangue
desde hai tanto e que foi inocente un día.


Pilar Cibreiro

Se clicas no nome podes escoitar o poema musicado.

Poemas com música, directamente desde Euskalherria, desde o Centro de Estudos Galegos da UPV/EHU, em colaboraçom com duas poetas bascas, -Ángela Serna e Pilar Corcuera- e o grupo Sokaire, no CD Pensando Nelas, com textos de Estíbaliz Espinosa, Pilar Pallarés, Helena de Carlos, Enma Couceiro, Olga Novo, María Lado, Chus Pato...

....

Eskarrikasko, Isabel Mociño!
Comentários (4) - Categoria: Geral - Publicado o 27-06-2008 12:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Galiza Zeive!


Por que Galiza?

GZ.

Ou como dicia minha mai hai tempo: Isso significa Galiza Zeive, nom? ;)

Sempre Galiza






Comentários (5) - Categoria: Geral - Publicado o 19-06-2008 14:19
# Ligazóm permanente a este artigo
The best metod to learn galician



Pois era para dizer-lhe á persoa que subiu isto ao youtube que lhe estou mui agradecido. Grasinhas. Já está perto dos 50.000 visionados!
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 19-06-2008 07:44
# Ligazóm permanente a este artigo
Papel higiénico voando


Estava passeando por Barcelona e apareceu umha casa feita com papel higénico e ar.

Dous anos depois, voltei atopar em sete segundos, essa fantástica image.

A que parece mentira?

Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 17-06-2008 22:09
# Ligazóm permanente a este artigo
Camballón Mix nº 2




Vincent Jalo, Sementeira machuco.
Leo i Arremecaghona, Bilingüismo harmónico.
Nao, Desexos.
The Homens, Calamar.
Ataque Escampe, Nadina.
Esquios, Un tipo normal.
Nordestinas, Ari, ari.
Chavrem, Pluck Up Nerves Reel.
Orquestra Trebol, O cabalo.
Projecto Mourente, Non podo mais.
Os Forfiestas, Verbenero.
Sacha na Horta, Biocultivos.
Kona ke te fixo, Revolunionaçom.
Meniños Cantores, Pirimpimpim, Eles non poden ver, bailando contigo.
Som do Galpom, Na cama.
Zënzar, Tiven un bar.
DJSon1c, A festa non vai parar.
Luar na Lubre, Os animais.


Desde Ensino Obrigatório até os 65!, galician people speak galego
Comentários (2) - Categoria: Geral - Publicado o 16-06-2008 15:14
# Ligazóm permanente a este artigo
10


...em Sono-Tone
Comentários (3) - Categoria: Geral - Publicado o 05-06-2008 16:01
# Ligazóm permanente a este artigo
Le em galego



Um livro de mao em mao, desde Vila de Cruces.

Ensino Obrigatório até os 65 já!

Com música de The Homens.
Comentários (4) - Categoria: Geral - Publicado o 04-06-2008 08:21
# Ligazóm permanente a este artigo
© by Abertal