Joao da Nova


Todo o referente o Navegante João da Nova
O navegante João da Nova (orixinalmente Joan de Nóvoa) nacido en Maceda-Ourense mostrase como un galego universal, o máis relevante do seculo XVI.

O meu perfil
 CATEGORÍAS
 FOTOBLOGOTECA
 RECOMENDADOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

POR FIN VOOS COMERCIAIS A SANTA HELENA
chegada do primeiro voo a Santa HelenaLogo da polémica xerada pola perigosidade do Aeroporto de Santa Helena [e polo custo de máis de 320 millóns de euros], a compañía privada Airlinkn de Sudáfrica, comezou cun voo comercial á semana dende Johanesburgo [dende o sábado 14 de outubro deste 2017], á illa que descubrira João da Nova, o navegante galego vencellado á casa nobiliaria de Maceda. O prezo oscila entre os 904 e os 1.783 euros, con seis horas de duración. Mesmo pretenden outro voo mensual entre Santa Helena e Ascensión. Eis a nova recollida de www.newsavia.com [a foto da chegada do primeiro voo a Santa Helena é de Gianluigi Guercia / AFP]:

“O Governo da ilha de Santa Helena, um território ultramarino do Reino Unido no Atlântico Sul, frente à costa de Angola, e a companhia aérea sul-africana SA Airlink, anunciaram na tarde deste sexta-feira, dia 21 de julho (2017), a assinatura de um protocolo para a realização de voos comerciais regulares para a ilha de Santa Helena. O anúncio era esperado com grande ansiedade pelos habitantes da ilha, cuja única ligação regular para e do exterior é ainda assegurada por um navio-correio, único caso conhecido em territórios ultramarinos europeus, que é assegurado pela Coroa Britânica, entre os portos da Cidade do Cabo, na República da África do Sul, e de Jamestown, na ilha de Santa Helena, de três em três semanas.

Segundo o comunicado governamental a SA Airlink, que já tinha feito um voo charter para a ilha (LINK notícia relacionada) vai agora tratar de toda a parte burocrática junto da Autoridade Nacional de Aviação Civil da África do Sul, após o que serão acertados horários e tarifas. Os voos para e da Ilha de Santa Helena serão feitos à partida do Aeroporto Internacional OR Tambo/Joanesburgo, com uma escala no Aeroporto Internacional de Windhoek, capital da Namíbia, no Sudoeste Africano, nas duas direções. Mensalmente, provavelmente no segundo sábado de cada mês, a SA Airlink assegurará um voo entre as ilhas de Santa Helena e de Ascensão.

O comunicado da governadora de Santa Helena indica ainda que os voos serão assegurados por aviões Embraer E190-100 IGW, também conhecidos por E190 ETOPS, configurados com duas classes. O tempo total de voo entre Joanesburgo e Santa Helena, contando com a escala de meia hora em Windhoek, será de aproximadamente 06h15. O acordo com a SA Airlink é por um período de três anos, após a realização do primeiro voo”.
News Avia
Categoría: 03-Illas - Publicado o 02-11-2017 00:15
# Ligazón permanente a este artigo
10 ANOS CON JUAN DE NOVA ISLAND E AS OUTRAS ILLAS DESCUBERTAS (1)
Comezou hai 10 anos a súa andaina este fermoso proxecto; esta bitácora oceánica por mor da lúcida proposta que o activista (e altruísta macedán) José Juan Pérez Ramos tivo a ben facernos, naquela altura outoniza de 2007, cinco anos despois de que saíse á rúa o pioneiro ensaio da nosa autoría “João da Nova, un mariño galego ao servicio da Coroa de Portugal” (Santiago Prol: 2002), publicado pola Deputación de Ourense. Outrosí despois da conformación da Exposición permanente, “João da Nova, o descubridor galego do século XVI” que deseñamos e comisariamos nós e que sufragou o Concello de Maceda. Inicialmente estivo pendurado nas grosas paredes interiores do patio de armas do Castelo de Maceda. Logo nas estancias interiores da torre da homenaxe e hogano nunha sala “semiesquecida” da Casa do Concello de Maceda.

Pasaron case 10 anos... Esta bitácora fómola fornecendo entre os dous [José Juan na parte técnica e Santiago Prol na de contidos], con múltiples fasquías de todo o que ten que ver co universo de João da Nova, o egrexio navegante vencellado á Casa Nobiliaria de Maceda.

Imos reparar nesta e en próximas achegas na illa que leva o seu nome; como xa temos apuntado, un híbrido entre castelán (Juan), galego-portugués (da Nova) e inglés (Island). Ademais pertence administrativamente ao territorio de ultramar do Estado francés. Desta volta engadimos outro link cun fermoso vídeo de Mixtral/13 titulado “Juan de Nova, a lost paradise in the Indian Ocean” [“Juan Nova, un paraíso perdido no Océano Índico]; unha delicia visual desta singular illa vencellada xa por sempre ao navegante de Maceda. Acompañamos esta achega cunha foto da illa, tirada dende a Estación Espacial Internacional (Fonte: es.wikipedia.org).

Eis o logradísimo traballo audiovisual, para goce de todos os interesados na traxectoria vital deste nauta macedán, ourensán e, por ende, galego universal que pisou esa illa –e que foi bautizada co seu nome- e esa longuísima praia -case virxinal- de area blanquísima (de máis de 4 km) hai agora algo máis de 500 anos.


Video
Categoría: Xeral - Publicado o 27-10-2017 23:34
# Ligazón permanente a este artigo
AS CINCO ILLAS DISPERSAS
Illa Joao da NovaConforman un conxunto de illas deshabitadas no Océano Índico ao abeiro do Canal de Mozambique e que pertencen –anacronicamente- a Francia. Entre elas está Juan de Nova Island, que fora descuberta polo extraordinario navegante -orixinario de Maceda-, João da Nova, o galego máis sobranceiro do século XVI, e que aínda non está recoñecido como debería na memoria colectiva do Noso País. Tiramos desta volta da Wikipédia, a enciclopédia livre, en portugués: As Ilhas Esparsas, ou Ilhas Dispersas do Oceano Índico (em francês: Îles éparses de l'océan indien) são um conjunto, criado para fins administrativos, de cinco ilhas desabitadas do Oceano Índico que estão sob soberania francesa (os números mostram a localização na carta ao lado): No Canal de Moçambique: Bassas da Índia, Europa, Gloriosas e João da Nova. No grupo das ilhas Mascarenhas: Tromelin. As ilhas, sem população residente, são domínio privado do estado francês, sendo administradas colectivamente pelo administrador superior das Terras Austrais e Antárticas Francesas que, sob a tutela do Ministro do Ultramar de França, exerce sobre elas as funções administrativas e de controlo jurisdicional, nomeadamente no que respeita à pesca na zona económica exclusiva e à protecção da natureza. O administrador destes territórios está sediado em Saint-Pierre, na ilha da Reunião. As ilhas estão classificadas como reservas naturais, com particular interesse para a conservação das populações de tartarugas e aves marinhas. Nelas funcionam também estações meteorológicas, com particular destaque para a ilha Tromelin, onde se situa uma estação de vigilância dos ciclones tropicais na sua rota de aproximação a Madagáscar.

A ilha de João da Nova (ou Juan de Nova em espanhol e francês) é uma pequena e desabitada ilha no Canal de Moçambique, dependente das Terras Austrais e Antárcticas Francesas. O seu vizinho mais próximo é Madagáscar, a leste, seguindo-se-lhe Moçambique, a oeste. Foi descoberta pelo navegador galego-português João da Nova. As ilhas são administradas como parte das Ilhas Esparsas do Oceano Índico pelo administrador superior das Terras Austrais e Antárticas Francesas (TAAF).

N.B.- Engadimos un link -pendurado en youtube- abondo interesante sobre o aterraxe dun avión militar francés na illa que leva o nome do mariño macedán:

Aterraxe na illa
Categoría: 03-Illas - Publicado o 16-10-2017 23:53
# Ligazón permanente a este artigo
DE MACEDA ÁS ILLAS AGALEGA
Portada libro João da Nova“De Maceda ás illas Agalega: 515 anos da viaxe de João da Nova”. Así titulaba o xornalista David Reinero un logrado traballo sobre o navegante macedán. Acompañábao coa portada do pioneiro libro de Santiago Prol, “João da Nova, un mariño galego ao servicio da Coroa de Portugal” que tivera a ben publicar a Deputación de Ourense en 2002, e que logo fora acompañado pola una exposición permanente -de 20 paneis- que comisariou o investigador de Maceda (e que está recollida nesta bitácora). Eis o aqueloutrado texto que publicou Reinero no portal Praza Pública o 18 de agosto deste 2017:
“En setembro de 1502, hai agora 515 anos, arribaba a Lisboa o mariño João da Nova. Volvía da terceira expedición portuguesa á India, tras a primeira na que Vasco da Gama logrou superar o cabo de Boa Esperanza e a segunda na que Álvares Cabral fixo oficial a chegada lusa a Brasil. Naquela viaxe súa, João da Nova descubriu na metade do Atlántico as illas Ascensión e Santa Elena, na que tres séculos despois morrería Napoleón; pode que chegase mesmo a Ceilán, hoxe Sri Lanka; e nomeou unhas pequenas illas no Índico, entre Madagascar e as Seychelles, como Agalega. A República de Mauricio, á que hoxe pertencen, cre na orixe galega do topónimo. Porque o seu descubridor, ás ordes de Portugal, naceu en Maceda, é coñecido aquí como Xoán de Nóvoa e cunha terceira grafía plurilingüe tamén dá nome a outro dos seus descubrimentos no Índico, a Île Juan de Nova.Ás ordes de Portugal, en setembro de 1502 o galego Xoán de Nóvoa arribaba de volta a Lisboa tras chegar á India, descubrir as illas de Santa Elena e Ascensión e pode que mesmo acadar Ceilán

En 2002, coincidindo co quinto centenario daquela primeira viaxe de João da Nova á India, o investigador Santiago Prol, tamén macedense, publicou un libro no que recolle todas as referencias historiográficas sobre o mariño e fía un relato sobre a súa vida e o contexto das súas expedicións. Nacido aproximadamente en 1460 en Maceda e de familia nobre, Xoán de Nóvoa pasou a Portugal tras as revoltas irmandiñas. En Lisboa formouse e chegou a ser alcaide ou xefe militar da cidade en 1496, antes de converterse en quen para Prol foi o galego máis relevante do século XVI, un navegante case descoñecido na súa terra pero ao que Portugal e Gran Bretaña lembran con rúas, moedas e selos na súa honra.

A primeira viaxe de João da Nova á India seguiu a ruta impulsada polos portugueses para superar máis rápido África, que consistía non en navegar abeirados ao continente senón en dirixirse cara o centro do Atlántico para coller alí ventos máis fortes. Esa traxectoria foi a que permitiu aos portugueses tocar Brasil na súa segunda viaxe á India e a João da Nova descubrir na metade do Atlántico sur as illas de Ascensión, á ida (á que chamou daquela Ilha de Nossa Senora de Conceição e renomeada dous anos despois por Afonso de Albuquerque) e de Santa Elena, á volta. Na mesma viaxe de ida, pero xa no océano Índico, João da Nova supostamente nomeou as illas Agalega, entre Madagascar e as Seychelles. O topónimo é para Prol e outros investigadores unha proba do seu descubrimento polo galego ás ordes de Portugal, aínda que outras teses atribúeno a unha derivación do termo portugués galé, que nomea un tipo de barco. João da Nova permaneceu un tempo enfermo na hoxe denominada Île Juan de Nova e morreu en Cochin, ao sur da India, en 1509. Naquela primeira viaxe á India, Santiago Prol aínda lle atribúe a João da Nova outro logro máis. O da primeira chegada dun europeo á illa de Ceilán, hoxe Sri Lanka, e que daquela podería ser coñecida como a mítica illa de
Taprobana, así mencionada por Camões na primeira estrofa do seu Os Lusíadas. Alí foi atopada unha inscrición portuguesa datada en 1501, ano no que pola zona só navegaba João da Nova.


O mariño faría unha segunda expedición á India en 1505 da que xa non retornaría a Lisboa. Na viaxe de regreso, segundo relata Prol no seu libro, permaneceu un tempo enfermo na hoxe denominada Île Juan de Nova, no estreito que separa Madagascar de Mozambique. Alí recolleuno en 1506 Tristão da Cunha, co que participou nunha campaña militar para crear bases portuguesas en Ormuz e Omán, antes de acabar os seus días en Cochin, ao sur da India, en 1509”.
Categoría: 06-Prensa - Publicado o 05-09-2017 22:36
# Ligazón permanente a este artigo
A ESTRATÉXICA ILLA ASCENSIÓN (4)
Mapa Isla AscensiónDa bitácora https://fronteirasdodesconhecido.wordpress.com recuperamos un post singular [9/01/2009] da illa descuberta polo navegante orixinario de Maceda: “Ascensão é uma pequena ilha que se situa no Oceano Atlântico. È muito isolada do seu vizinho mais próximo, Santa Helena, que tem cerca de 1300 km para sudeste, ao longo da Costa da Libéria. Foi descoberta em 1501 pelo galego João da Nova. Nessa mesma viagem também descobriu a Ilha de Santa Helena. O seu nome é originário devido ao facto de Afonso de Albuquerque no dia de Ascensão, na data de 1505. Portugal nunca colonizou a ilha, só vindo a ser ocupada em 1815 pela marinha inglesa. A ilha possui um aeroporto com pista de 3300m, pertencente a Royal Air Force One, e tem o nome de RAF Ascension Island.

A ilha principal tem uma área de aproximadamente 91 km ². Um pico vulcânico que aumenta de somente ao Oeste do Espinhaço Meio-atlântico, a maior parte da ilha é um solo improdutivo de fluxos de lava e cones de cinza; nada menos que quarenta e quatro crateras distintas foram identificadas. Enquanto a ilha foi estéril com poucas fábricas tão recentemente como em 1843, a Montanha Verde de Ilha de Ascensão é agora uma das poucas florestas planejadas amplas, e está crescendo gradualmente com cada ano. O seu ponto mais alto está em 2,817 pés (859 m).

Da costa do Leste da Ascensão é a ilha muito pequena da Ilha de Contramestre de Barco Bird. Ele é um porto de pássaros do mar, escapar dos ratos, gatos e gente que veio à Ilha de Ascensão da Europa e a África. Depois de uma campanha próspera encabeçada pela Sociedade Real da Proteção de Pássaros, a ilha principal foi declarada em 2006 sem gatos ferazes, e os pássaros do mar estão aninhando-se mais uma vez agora na Ilha de Ascensão. O clima de Ascensão é tropical, com temperaturas na costa nos limites de aproximadamente 68 para 88 graus Fahrenheit (20–31 °C), e aproximadamente 10 geladeira de graus no ponto mais alto. As chuvas podem ocorrer em qualquer momento durante o ano, mas tendem a ser mais pesadas entre Janeiro e Abril.

A atividade económica principal na ilha é centrada nas bases militares no Aeródromo de Olhos Abertos, a propriedade MOD e as facilidades são dirigidas pelo abastecedor de suporte de infraestrutura Interservem à defensa. O Serco dirige os serviços de aeroporto com Sodexho que fornece fornecimento e facilidades domésticas. Uma antiga característica da Ascensão foi um navio-tanque de 70,000 toneladas permanentemente amarrava no mar alto que foi feito funcionar por Maersk como uma facilidade de combustível de volume. Em Dezembro de 2002, foi substituído por um Armazém de Provisão de Petróleo terrestre embaixo da gerência militar.

O item de exportação principal é batidas de pé de franquia postal de Ilha de Ascensão, primeiro emitidas em 1922. Tipicamente cinco para seis jogos de batidas de pé são emitidos cada ano. Até há pouco, o turismo foi não existente por causa da inacessibilidade da ilha para transportar, a ausência da acomodação de hóspede e as permissões restritivas necessitadas para a entrada. A viagem aérea limitada, contudo, foi posta à disposição nos últimos anos ao público por RAF e o Hotel de Obsidiana em Georgetown em conjunto com um número de casas de campo de hóspede que foram abertas. Todos os visitantes devem obter uma licença de entrada antes da viagem.

A pesca como desporto é a atracção principal de muitos dos visitantes. A Ilha também mostra o que foi uma vez oficialmente o pior curso de golfe no mundo. Localizado entre os acordos de Duas aldeia de Barcos e o Georgetown, o curso tem 18 buracos e as verduras são de fato ‘browns’, uma referência para a areia e mistura de óleo usada para fazê-los.
Fronteiras do Desconhecido
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 19-07-2017 17:13
# Ligazón permanente a este artigo
A ESTRATÉXICA ILLA ASCENSIÓN (3)
Illa Ascensión“A Base Aérea da Ilha de Ascensão, também conhecida como Aeródromo Wideawake. A Base Aérea da Ilha de Ascensão (IATA: ASI, ICAO: FHAW), também conhecida como Aeródromo Wideawake, é a principal base de operações da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) e da Força Aérea Real do Reino Unido (RAF) no Atlântico Sul, sendo que a sua área de influência geopolítica abrange uma vasta região que inclui grande parte da América do Sul e da África. Por esse motivo, muitos países sul-americanos e africanos enxergam as atividades estadunidenses e britânicas em Ascensão como uma potencial ameaça à sua soberania, em caso de guerra. A ilha de Ascensão já vem sendo usada para fins militares desde a Segunda Guerra Mundial, quando as forças armadas estadunidenses e britânicas se estabeleceram na ilha, sob o intuito de combater os submarinos alemães durante a Batalha do Atlântico. Durante a Guerra das Malvinas, a Base Aérea de Ascensão foi extensivamente utilizada pela Força Aérea Real do Reino Unido, principalmente durante a Operação Black Buck. Foi a partir de Ascensão que a RAF lançou os seus bombardeiros Avro Vulcan contra as posições argentinas nas ilhas Malvinas. A Base Aérea da Ilha de Ascensão é a única opção disponível para pousos de emergência em toda a região centro-norte do Atlântico Sul, sendo responsável por permitir a passagem de aviões bimotores com certificação ETOPS pela região. A pista da base aérea possui uma extensão total de 3 300 metros, sendo capaz de receber aeronaves de grande porte.

A ilha de Ascensão -descoberta pelo navegador galego João da Nova- é servida por dois voos charters semanais operados pela Titan Airways, que ligam a ilha à Base Aérea de Mount Pleasant nas ilhas Malvinas, e à Base Aérea de Brize Norton em Oxfordshire, no Reino Unido. A Força Aérea dos Estados Unidos também realiza um voo semanal entre Ascensão e a Base Aérea Patrick, que fica localizada no cabo Canaveral, nos Estados Unidos. No entanto, a USAF não permite a entrada de passageiros civis neste voo, estando este reservado apenas os seus militares.
O navio RMS St. Helena visita a ilha uma vez por mês, realizando ligações com a ilha de Santa Helena e com a Cidade do Cabo, na África do Sul. O navio MV Ascension também visita regularmente a ilha de Ascensão, realizando o transporte de suprimentos para as tropas estadunidenses”.
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 12-07-2017 19:15
# Ligazón permanente a este artigo
A ESTRATÉXICA ILLA ASCENSIÓN (2)
Ascension_Island“A ilha de Ascensão é uma das ilhas mais estrategicamente localizadas do mundo, sendo que a base aérea da Força Aérea Real do Reino Unido existente na ilha (Base Aérea da Ilha de Ascensão), serve de base para as operações militares dos Estados Unidos e do Reino Unido no Atlântico Sul, na América do Sul e na África. Além disso, a ilha de Ascensão abriga uma das cinco antenas responsáveis pela operação do Sistema de Posicionamento Global (GPS), além de uma das estações retransmissoras (em ondas curtas) da rádio BBC World Service, que é a maior emissora de rádio do mundo. Área: 91 km². Cidade principal: Georgetown.
A ilha foi descoberta em 1501 pelo navegador galego João da Nova, enquanto ao serviço de Portugal. João da Nova dirigia-se à Índia, tendo nessa viagem também descoberto a ilha de Santa Helena. O seu nome actual resulta da sua redescoberta por Afonso de Albuquerque no dia de Ascensão de 1505. Portugal nunca colonizou a ilha, só vindo a ser ocupada em 1815 pela marinha britânica.
Na ilha de Ascensão existem poderosas estações de interceptação de sinais (SIGINT) enviados via satélite e via radiodifusão. O próprio serviço de inteligência criptológica britânico (GCHQ) possui uma estação na ilha, localizada na vila de Two Boats. Além disso, também existem na ilha estações de monitoramento que são capazes de detectar possíveis testes nucleares realizados na América do Sul e na África. Pelo fato de o GCHQ desenvolver atividades na ilha, especula-se que a ilha de Ascensão seja uma das possíveis bases do sistema de monitoramento global, mais conhecido como Echelon.Na ilha de Ascensão também está localizada uma das estações da emissora de números (rádio) E5/V5, também conhecida pelos apelidos de "Cynthia" e/ou "The Counting Station", que é supostamente operada pela CIA na comunicação com os seus agentes secretos espalhados pela América do Sul e pela África”.
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 22-06-2017 10:29
# Ligazón permanente a este artigo
A XEOESTRATÉXICA ILLA ASCENSIÓN (1)
Ascension_IslandRegresamos para asuaugarnos outra vez nunha das illas descubertas polo mariño galego João da Nova, que hogano funciona como unha base militar británica moi aqueloutrada, xeoestratétixamente situada no Atlántico Sur e que se amosa capital para a USAF norteamericana e a RAF británica. Foi relevante na Segunda Guerra Mundial (1939/45) e fundamental na Guerra das Malvinas (1982). Hoxe alí tamén fai probas a NASA para futuras expedicións á Lúa e a Marte. Outrosí se emprega como estación de seguimento de satélites, como centro de investigación do espacio exterior e de espionaxe [e misións secretas] no planeta Terra. A base ampliouse para permitir aterraxes de emerxencia dos transbordadores espaciais. Santiago Prol -ao que estamos intertextualizando- dedicoulle na biografía de referencia (João da Nova, un mariño galego ao servicio da Coroa de Portugal, 2002), un interesante capítulo (pp. 84-88) abondo ilustrativo. Imos complementalo tirando, desta volta, da entrada da Wikipédia, a enciclopédia livre (en portugués), actualizada o 12/06/17. O aeródromo da illa mantén dous voos charter semanais dende o Reino Unido (e as Malvinas) e outro dende Cabo Cañaveral en EEUU. Penduraremos esta nova incursión en varias achegas no portugués orixinal:

“A ilha de Ascensão é uma pequena ilha britânica no oceano Atlântico Sul, constituinte do território britânico ultramarino de Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha. Muito isolada, o seu vizinho mais próximo é Santa Helena, cerca de 1 300 km para sudeste, seguindo-se a costa da Libéria, cerca de 1 700 km para nordeste. A oeste, a porção de terra mais próxima no continente sul-americano é a Ponta do Funil, localizada no município brasileiro de Goiana, no estado de Pernambuco. A distância entre Ascensão e a Ponta do Funil é de 2 249 km. Levando-se em consideração as ilhas oceânicas do Brasil, as distâncias são de 1 923,9 km até o arquipélago de São Pedro e São Paulo; de 2 039,7 km até a ilha Rata, em Fernando de Noronha; e de 2 079,9 km até a ilha Martim Vaz, no Arquipélago de Trindade e Martim Vaz (...)”.
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 20-06-2017 10:25
# Ligazón permanente a este artigo
O ARQUIPÉLAGO CARGADOS CARALLOS (2)
AtolonesO xornalista Eduardo Rolland, que mesmo ten investigado -a fondo- os vestixios dos nazis na Galiza dos anos 40 e posteriores, fixo unha incursión -a máis dunha banda- sobre Joao da Nova, as súas descubertas e a súa Maceda de orixe. No xornal “La Voz de Galicia” (25/08/2013) e logo en “GCiencia”, o Portal da Ciencia Galega (23/04/2014), inseriu un traballo sobre o navegante de Maceda quen titulou “O ourensán que descubriu as Illas dos Cargados Carallos”. Velaí a primeira parte do seu artigo:
“Teñen nome de película de Jack Sparrow. Aínda que encaixar o seu significado poñería nun brete ós guionistas de Piratas do Caribe. Porque o arquipélago de Cargados Carallos ten un topónimo difícil. Pero así bautizou estas illas o ourensán Xoán de Novoa, cando as descubriu, no ano 1501. Situadas no océano Índico, e hoxe pertencentes á República de Mauricio, poderían ser o enclave máis exótico do mundo con nome galego.
Nesta clasificación compiten con outra illa, tamén pertencente ao grupo das Mascareñas, e que leva por nome o propio de Galicia. Trátase de Agalega, así todo xunto. E tamén foi bautizada por Xoán de Novoa (Joao da Nova) a quen os portugueses, baixo cuxa bandeira participou nas “Descobertas“, alcumaban Joâo Galego.

O arquipélago de Cargados Carallos está composto por 16 illas, situadas fronte a Mauricio e Madagascar. Habítanas case un cento de nativos, cuxo xentilicio non queremos imaxinar [caralláns, caralludos, caralleiros... -engadido noso-] Os ingleses, máis finos que Xoán de Novoa (Joao da Nova), as chaman Rochas de San Brandón (Saint Brandon Rocks). Teñen cincuenta quilómetros de longo por só cinco de ancho”.
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 15-06-2017 23:00
# Ligazón permanente a este artigo
O ARQUIPÉLAGO CARGADOS CARALLOS (1)
O ARQUIPÉLAGO CARGADOS CARALLOSImos meterlle o dente denta volta a un singular arquipélago. Desta volta tiramos da Galipedia (a Wikipedia en galego), xa que logo fai referencia ao navegante vencellado con Maceda (Ourense) e do que o investigador Santiago Prol artellou a súa biografía de referencia a escala global (João da Nova, un mariño galego ao servicio da Coroa de Portugal, Dep. Ourense, 2002). Eis o texto da entrada na biblioteca virtual:
“O banco de Cargados Carallos (tamén coñecidas coma Cargados Carajos e as Rochas San Brandón, Saint Brandon Shoals) son un grupo de entre 16 e 20 pequenas illas e illotes, nun arrecife situadas no Océano Índico, ao noreste das Illas Mauricio. O seu nome é debido ao navegante galego Xoán de Nóvoa (João da Nova). As illas teñen unha área total de terra de 1,3 km². O arrecife mide máis de 50 quilómetros de norte a sur e 5 quilómetros de ancho, cortado por tres pasos; en total a área do arrecife abrangue 190 km². As illas teñen unha pequena poboación, conformada maioritariamente por nativos e posúe vizosa fauna e flora. O arrecife de Cargados Carallos depende administrativamente das Illas Mauricio, aínda que están situadas a máis de 300 km o extremo sur, polo que están administradas dende a súa capital Port Louis. Forman parte das illas Mascareñas.

Xa eran coñecidas polos navegantes árabes. Foron primeiramente cartografadas por navegantes da coroa de Portugal -con João da Nova á fronte- segundo Auguste Toussaint coma Coroa dos Garafos, "aves mariñas da coroa". Foron ocupadas en 1598 por holandeses e pasaron a ser protectorado francés en 1722. O dominio británico iniciouse en 1810. Os primeiros mapas detallados apareceron en 1742, xa coma base pirata. O atol que dá orixe aos baixos e illas que forman o grupo, ten o seu bordo máis elevado do lado oeste. É ao longo dese lado do atol onde están os diversos illotes e rochedos que constitúen as illas Cargados Carallos”.
Categoría: 02-Lugares - Publicado o 12-06-2017 17:53
# Ligazón permanente a este artigo
© by Abertal
contador web
contador web