Unha folerpa con outras, ás veces calla e fai neve

Defensa do Ensino Público


De Viñetas

"A historia dunha lingua debería ser coma a dunha longa cadea, onde cada xeración fora un elo que lla transmitira á seguinte"

GALEFAS
aferrer@mundo-r.com
 CATEGORÍAS
 RECOMENDADOS
 BUSCADOR
 BUSCAR BLOGS GALEGOS
 ARQUIVO
 ANTERIORES

Anxo Lorenzo, demite.
Por Celso Alvarez Cáccamo

Anxo Lorenzo, demite. O teu Decreto não vai ter o "consenso" que procuras, e que explicava a tua aceitação do cargo. Se demites ficarás bem contigo mesmo. Demonstrarás o fiasco em que te meteste, e sobretudo uma grande humanidade. Sabes que o novo Decreto não será o que precisa o galego.

Sabe-lo por formação: nem tu nem alguns dos teus referentes académicos o permitiriam para Catalunha, por exemplo. Não essencializo as línguas: falo da lógica sociolinguística. Pensarás que o novo Decreto é um ponto intermédio, e até procurarás justificações pedagógicas. Mas, se páras a refletir uns instantes no meio do que imagino como uma densa agenda, aventuro que tu próprio poderias conceber uma situação e um futuro mais tranquilo, "normal" (essa normalidade de deixar de se preocupar de certas questões para investigar outras importantes) se a legislação estabelecesse simplesmente que "O galego ou português [ou português, sim: sou-che lusista] é a língua do sistema educativo da Galiza", e que as regulações educativas caminhassem nessa direção.

Imagina por um instante a progressiva ausência de questionamento sobre isto, a progressiva incorporação do galego/português no currículo, nos materiais pedagógicos e científicos, nos usos reais nas aulas e pátios, nas relações entre o estudantado. Imagina o poder coesivo desta imersão para a manutenção do galego na família, nos grupos de amigos, para a sua transmissão futura às crianças. É uma dinâmica conhecida. Que sociolinguista poderia argumentar que menos que essa meta da imersão pode contribuir para contrapesar a aceleradíssima perda do galego em apenas 40 anos?

Imagina, então, essa normalidade (já nos entendemos) como o quadro para examinar as questões importantes. Por exemplo: Como, apesar duma futura hegemonia da língua própria, a sociedade continuaria dividida em classes linguísticas. Como a perícia nesse galego permitiria a algumas pessoas chegar a sociolinguistas, a professores, a Secretárias Gerais de Política Linguística, enquanto a imperícia no Galego/Português do poder manteria a maioria na sua classe linguística de base. Então é que poderíamos começar a falar destas cousas importantes, Anxo, não das percentagens de línguas nas matérias, que é uma cousa técnica que pode decidir um computador medianamente inteligente. Nem antes nem agora, a política linguística é questão de percentagens de línguas: é uma questão de filosofias e ideologias adversárias. Não se pode aplicar uma com os critérios e instrumentos da outra.

É possível, evidentemente, que não demitas. Até diria (grande adivinhação) que não o vás fazer. Justificarás-te dizendo que é porque cho demandaram "do lado errado". Esquecerás que também cho sugeriram "do lado correto". Dirás que agora é tarde demais. E, durante anos, ficará a dúvida se jogavas a duas bandas. Porque, Anxo, que benefício profissional e pessoal (satisfação com a "responsabilidade", com o "trabalho bem feito") vai isto reportar-che, oculto sob a escusa estrutural do "benefício para o Galego" ou do "benefício para o País"? Sou-che um cínico, Anxo, e admito que também um pouco insolente. Não te ofendas pessoalmente, mas mantenho as perguntas.

E quando saques (no momento oportuno, como em judo), o Decreto do Galego no Ensino, espero sinceramente poder tragar as minhas palavras porque seja tão satisfatório que tenhas cumprido a tua missão e todo o mundo o reconheça. Oxalá: faria-o com gosto, com o gosto de quem sabe que na sua vida escreveu muitas necedades. Mas temo-me que não seja assim.

O mais provável é que o Decreto seja um desastre para o galego, mas contenha alguma inteligente ambiguidade que soará a caramelo para continuares a convidar à miragem do ?consenso?. E como o mundo se divide entre bons e maus, no Ano I da Era Pós-Decreto provavelmente muita gente continue a pensar que deverias ter demitido, polo bem da santa Língua, polo bem da política, para desmascarar a trapaça de Feijoo. Por enquanto, fracassarei na minha petição de demissão, sem dúvida.

Talvez mais adiante no teu mandato, canso, decidas retirar-te discretamente. Mas, que importará, se afinal a posição que exprime agora este néscio texto não é verdadeira sociolinguística (reconheço-o), e Feijoo terá ganhado o jogo do falso debate entre a sociolinguística oficial e a dos adversários legitimados?

Cordialmente,

Celso.


Ver artigo no Portal Galego da Lingua
Categoría: Opinión - Publicado o 01-12-2009 22:24
# Ligazón permanente a este artigo
Chuza! Meneame
© by Abertal
Estadisticas y contadores web gratis
Estadisticas Gratis


Este blogue forma parte da Rede de Blogueiras/os en defensa do Galego
Chuzame! chúzame -





Warning: Unknown: Your script possibly relies on a session side-effect which existed until PHP 4.2.3. Please be advised that the session extension does not consider global variables as a source of data, unless register_globals is enabled. You can disable this functionality and this warning by setting session.bug_compat_42 or session.bug_compat_warn to off, respectively in Unknown on line 0