acuática



Xanela de Marta Dacosta
acuatica07@gmail.com
 CONTIDOS
 OBRA
 ANTERIORES
 Arquivo
 BUSCADOR
 outras xanelas

Di(n)versos con Ana Luísa Amaral

Aínda non rematara o século XX. Como outras veces estabamos na libraría Bertrand, en Braga. E como outras veces foi o libro quen me atopou. Foi o primeiro que tirei do andel, o primeiro que abrín e nel lin un fermosísimo poema co que non puiden deixar de me identificar, dalgún xeito:

VISITAÇÕES, OU O POEMA QUE SE DIZ MANSO

De mansinho ela entrou, a minha filha.

A madrugada entrava como ela, mas não
tão de mansinho. Os pés descalços,
de ruído menor que o do meu lápis
e um riso bem maior que o dos meus versos.

Sentou-se no meu colo, de mansinho.

O poema invadia como ela, mas não
tão mansamente, não com esta exigência
tão mansinha. Como um ladrão furtivo,
a minha filha roubou-me a inspiração,
versos quase chegados, quase meus.

E mansamente aqui adormeceu,
feliz pelo seu crime.

(Às vezes o paraíso, 1998)

Naturalmente, o libro pasou a ser meu e foi así o primeiro dunha lista de títulos cos que me fun facendo aos poucos, porque a partir de entón, cada vez que visitaba unha libraría portuguesa, reclamaba o último título publicado por Ana Luísa Amaral, quen foi desde entón unha das miñas escritoras de referencia.

E neste mes de febreiro, exactamente o día 9 no Centro Ágora da Coruña, terei a honra de compartir con ela o espazo de Di(n)versos. Vaia sorpresa que me deu Yolanda Castaño cando me convidou. Enorme.

Ana Luísa Amaral é unha autora que cómpre ler e que cómpre escoitar, por iso insisto nos seus versos e aínda deixo aquí este soneto, como mostra da súa mestría e do seu humor. E xa noutra anotación recuperarei un artigo que sobre ela escribín hai tempo.

SONETO CIENTÍFICO A FINGIR

Dar o mote ao amor. Glosar o tema
tantas vezes que assuste o pensamento.
Se for antigo, seja. Mas é belo
e como a arte: nem útil nem moral.

Que me interessa que seja por soneto
em vez de verso ou linha desvastada?
O soneto é antigo? Pois que seja:
também o mundo é e ainda existe.

Só não vejo vantagens pela rima.
Dir-me-ão que é limite: deixa ser.
Se me dobro demais por ser mulher
[esta rimou, mas foi só por acaso]

Se me dobro demais, dizia eu,
não consigo falar-me como devo,
ou seja, na mentira que é o verso,
ou seja, na mentira do que mostro.

E se é soneto coxo, não faz mal.
E se não tem tercetos, paciência:
dar o mote ao amor, glosar o tema,
e depois desviar. Isso é ciência!

Comentarios (0) - Categoría: Recitais - Publicado o 05-02-2015 15:05
# Ligazón permanente a este artigo
Chuza! Meneame
Deixa o teu comentario
Nome:
Mail: (Non aparecerá publicado)
URL: (Debe comezar por http://)
Comentario:
© by Abertal
Acuática